Pular para o conteúdo principal

REWIND TURBO MAGIC




Dias idos agora voltam: a ciência atesta e dá fé. Nosso produto é seu visto de entrada no reino dos tempos lindos, aqueles que deviam ser proibidos de não existirem mais.

Mantenha o aparelho junto ao corpo e aperte o power. Nenhum ajuste será necessário, a menos que não se acendam os leds indicadores após três minutos de conexão à tomada. É importante que o usuário não oponha resistência, forçando a permanência no presente mesmo que de forma inconsciente. Tal comportamento irá consumir, em minutos, toda a carga da bateria.

Em observância à legislação vigente, asseguramos a integridade física do usuário durante o trajeto, mas não nos responsabilizamos pelas consequências dos atos praticados enquanto permanecer em outras dimensões do tempo/espaço.

Intoxicações por comida estragada, eventualmente observadas no retorno, não serão cobertas pela garantia. Portanto, recomendamos que não coma nada enquanto estiver por lá - seja lá onde e quando for. Contenha o apetite, por mais delicioso que seja o aroma de torta de vó em tarde de chuva. Lembre-se que, ao retornar ao ponto de partida, estará trazendo no estômago um bolo alimentar de anos ou décadas. Assim, atenha-se sensorialmente aos planos auditivo e visual da experiência. Isso basta para que a busca insana das recordações perdidas vá se atenuando a cada nova viagem.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Gonçalo B. de Sousa3:28 PM

    Bem escrito, gostei, Marcelo!

    ResponderExcluir
  2. Eu quero voltar no dia 20 de junho de 2014. O dia em que conheci o amor verdadeiro. Mas gostaria qe a bateria durasse uma eternidade. Um beijo, Marcelo!!

    ResponderExcluir
  3. Eu quero ser viajante do tempo. Finalmente estão explicadas as fotos antigas com celulares e artigos futuristas.
    Mas, apesar da boa dica sobre a alimentação, é covardia, heim? Ver, sentir o cheiro e não poder provar...
    precisa aperfeiçoar ! #ficaadica!
    Adorei, Marcelo! Como seria bom poder voltar!!!
    Beijo e boas Festas para você e família!

    ResponderExcluir
  4. Já que o tempo é um rio que corre, segundo Lya Luft, eu quero mais é cair num lindo oceano... sem restrição alguma!
    Abraços natalinos, Marcelo!
    Célia.

    ResponderExcluir
  5. Vou de capsula, se a sorte me permitir, voltarei nela para contar histórias do além cápsula. Feliz Natal, meu querido inteligente. Que os tempos nos permitam viajar na sua imaginação, que tão bem nos tem feito. Você é excelente no que se propõe a fazer. Grande abraço e transmita-o também à sua família, que imagino, seja ótima, como você precisa e merece ter.

    ResponderExcluir
  6. Onde pego a minha senha, Marcelo? Adorei, adorei... Eu sei que me repito sempre, mas o que eu posso fazer se seus textos foram uma descoberta e tanto pra mim, se você nunca decepciona pela inteligência e criatividade, se sempre se supera? Eu sei que chovo no molhado mas justiça tem que ser feita. Volte também nos tempos idos e já deixe lá várias crônicas, um excepcional presente pra todos os nossos amados. Beijo festivo, um Natal maravilhoso, saúde e vida longa pra você e sua família. E, de novo, obrigada pelos seus presentes semanais.

    ResponderExcluir
  7. Antonio C. de S. Antoniazi3:44 AM

    Lembrei-me de Wernher Magnus Maximilian, Freiherr von Braun (March 23, 1912 – June 16, 1977), que foi um engenheiro e arquiteto espacial alemão e norte-americano.

    ResponderExcluir
  8. Antonio C. de S. Antoniazi9:52 AM

    Agora esta, caro Marcelo (Wermher - Verne (???)): "O escritor francês Júlio Verne (Jules Gabriel Verne) é conhecido como o pai da ficção científica. Suas obras mais famosas foram histórias de aventura, nas quais descrevia tecnologias e descobertas científicas muito antes delas se tornarem realidade, como as viagens espaciais (em Viagem ao Redor da Lua, 1869) e o submarino (em vinte Mil Léguas Submarinas, 1870), entre outras.".

    ResponderExcluir
  9. Foi muito bom viajar na máquina do tempo, mas se eu pudesse voltar com a maturidade e experiência que tenho hoje só iria para "arrumar" algumas coisas que não fiz direito por pura ignorância.
    Valeu, adorei voltar no tempo por alguns segundos.
    Feliz Natal para você e toda a sua família.

    ResponderExcluir
  10. Flavia Benetton3:26 PM

    Tá podendo hem?!?! Bacana. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  11. Marco Antonio Rossi3:33 PM

    Bom dia uma otima semana com um Natal maravilhosos junto aos seus e um 2015 simplesmente fantástico a voce meu amigo e familia!!!!!
    só uma pergunta:
    esse aparelho passa na Laponia para ver o Papai Noel?
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  12. Claudete Amaral Bueno3:34 PM

    AH! SE ISTO FOSSE POSSÍVEL!!!!!!!

    Seria ótimo...mesmo tendo que resistir às iguarias, que tb nos enchem de saudade!

    Enfim.....gozemos o presente, antes que ele se torne um saudoso passado!

    Bom domingo chuvoso pra vc!

    Claudete

    ResponderExcluir
  13. Celi Estrada3:36 PM

    Natal com música é minha mensagem!
    Abraços de felicitações,
    Celi

    ResponderExcluir
  14. Anônimo10:14 AM

    Amigo, vc me fez pensar, acho que só voltaria se fosse numa certa época da minha infância, mesmo assim por pouco tempo. Tantas coisas que eu não gostaria de rever, de sentir... Fiquei nostálgica. Parabéns por mais uma criação que de alguma forma chega até nós e fica, pra sorrir ou pra refletir. FELIZ NATAL!! Beijo!!

    Zezinha Lins!!!

    ResponderExcluir
  15. Mara Narciso3:08 AM

    Desvairados delírios futuristas, desejados e planejados. Quanto aos alimentos, e especialmente ao bolo alimentar, originalidade total. Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…