Pular para o conteúdo principal

CALA-TE BOCA




- Um doce pra quem me disser quando vamos poder conversar tranquilamente, como nos velhos tempos.
- Ah, que tolinho... você e eu temos telhado de vidro. Pra tudo que a gente disser, vai ter alguém na escuta. O pior é que não dá pra confiar 100% em varredura. Muito menos em quem varre.
- Pelo Higino eu ponho a mão no fogo, está comigo desde que comecei na vida pública. Era varredor na minha cidade e não deixava passar um pelo de sobrancelha sem varrer.
- Mas ele é um varredor de rua, não um perito em espionagem.
- O princípio é o mesmo. O homem é um cão farejador. Está lotado no gabinete como assessor especial e arrumei emprego pra família toda dele no almoxarifado do Itamaraty. Eu desconfio da minha mãe mas não desconfio do Higino.
- Não sei, pra mim todo mundo é suspeito até que se prove o contrário.
- Como fazemos, então? Sinal de fumaça, pombo-correio, telepatia...
- Não vejo saída. Telefone é grampeado, email deixa rastro, agora inventaram essa história de quebra de sigilo eletrônico...
- E carta?
- Nem pensar, ainda mais agora que os Correios podem entrar na mira da investigação. Lembra daquela história de distribuir santinho junto com a correspondência?
- A gente faz uma triangulação, uma quadrangulação ou até uma octangulação pra dificultar que alguém descubra. Eu mando a carta pra um laranja, que manda pra outro laranja, depois outro e outro até chegar a você. Pra responder você faz o mesmo, mas com laranjas diferentes. Não vão pegar nunca.
- Isso demora muito. Alguns assuntos temos que resolver rápido.
- Bom, isso é.
- Mas espera aí... os Correios não são Correios e Telégrafos? Então vamos botar pra funcionar os telégrafos, que quase ninguém usa mais. Fazemos um curso de código morse e boa, conversamos à vontade. Nem por decreto vão pegar alguma coisa, porque jamais vão suspeitar que a gente use algo tão obsoleto.
- Tem também rádio-amador, tipo PX e PY... mas aí o sinal é por radiofrequência, podem interceptar.
- Olha, uma coisa é certa: em ambiente fechado você pode esquecer que nós nunca mais vamos poder falar. Até em primeira comunhão e missa de sétimo dia vão dar um jeito de instalar um microfone em nossas cuecas. Ou melhor, na minha cueca e no seu sutiã. Talvez no meu paletó e no seu tailleur. Quem sabe na sua calcinha e na minha abotoadura, sei lá. É muita gente cuidando do cerimonial, e tem sempre alguém levando uns trocos pra meter uma microcâmera onde não deve.
- É, seria perigoso mesmo. Um “amém” seu, um “Deus seja louvado” meu e pronto: já iriam falar que é código, que Nossa Senhora, Ofertório e Sacramento são codinomes e batizariam a coisa toda de “Operação Castigo Eterno”.
- E criptografia, aquele negócio que embaralha tudo?
- Não. Já inventaram um treco que desembaralha. Esquece.
- Bom, resumo da ópera: tamo na roça.
- Na roça e feito dois marrecos mudos.
- Que paranoia. Já pensou se captam essa nossa conversa, falando do nosso medo do flagra? Não precisa de mais nada. Seria a confissão de delito definitiva, sem chance de defesa.
- Já sei: arrendamos uma das fazendas do Sarney e vamos uma vez por semana pra lá. Sem assessor, sem segurança, sem nada. Aí nós dois tiramos a roupa e vamos pro meio do pasto. Pra maior segurança, cochichamos um no ouvido do outro. Acho que aí funciona.
- Aborta o plano. Esqueceu dos paparazzi?



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Adeus privacidade! Novos tempos...ai que saudade do passado.

    ResponderExcluir
  2. Misericórdia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Não podemos nos esquecer das tecnologias que o Obama tem, e das que o Bin Laden deixou.

    ResponderExcluir
  3. Imagine só em tempos em que "um risco vira um Francisco"... nem no Vaticano teremos a tão procurada paz! Muito menos lá... atualmente... O negócio é ficar "De Papo pro Ar": Quando no terreiro / Faz noite de luar
    E vem a saudade / Me atormentá / Eu me vingo dela / Tocando viola / De papo pro ar...
    Abraço que vou pegar minha viola...

    ResponderExcluir
  4. Estamos cercados de sua invencionice, Marcelo. Para onde eu vou e leio algo, me vem logo uma ideia: isso na mão de Marcelo vira crônica fácil!!! Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  5. Telepatia, querido Marcelo, e mesmo assim... Como dona do crachá número 1, aguardo seus escritos com ansiedade. Não canso de me surpreender. Você teria que ser traduzindo em "n" línguas de tão bom que é. Beijão.

    ResponderExcluir
  6. Ricard Wagner Rizzi11:11 AM

    Deliciosa crônica.

    ResponderExcluir
  7. Adorei e mais não digo para que minhas palavras não sejam interpretadas de maneira a me comprometer. Abraços meu amigo Marcelo que cada dia fica melhor. ♥

    ResponderExcluir
  8. Quer saber? com perdão da má palavra: foda-se. Que escutem...

    ResponderExcluir
  9. Nelson8:36 AM

    Bem isso mesmo!

    vou ser breve pois deve ter um hacker lendo este email

    hahahhaa

    abraço!!!
    Nelson Alexandre C. Marchetti

    ResponderExcluir
  10. André Albuquerque8:41 AM

    Excelente.Parodiando as propagandas de carros: "Privacidade.Um dia você ainda vai ter".Forte abraço.

    ResponderExcluir
  11. José Carlos Carneiro8:47 AM

    Não sei se ainda está indo ao ar, mas lembrei-me de você, que domina o mundo da propaganda, e que considero a 8ª arte.
    Uma águia fez cocô sobre o capô da caminhonete HILUX(Toiota) de um cara ao sobrevoá-la e se mandou. Inconformado, o cidadão persegue a ave por caminhos nada civilizados e até encontrá-la pousada sobre uma elevação tipo morro ou montanha. Desce do veículo com um balde e uma escova nas mãos e intima a ave a vir limpar a lambança que fez.
    Das boas propagandas que costumeiramente rolam na tevê, essa foi a que mais me despertou a atenção ultimamente.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Zezinha Lins12:22 AM

    Realidade pura, amigo, mas mesmo assim sempre dão um jeitinho. Um abraço, Marcelo, é sempre um prazer te ler.

    ResponderExcluir
  13. Marco Antonio Rossi5:33 AM

    Bom dia e uma otima semana.
    hoje, com trocadilho e tudo, PRIVACIDADE NEM NO BANHEIRO!!!!
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Neusa Stocco4:44 PM

    Os meus parabéns amigo,
    excelente publicação
    sobre a privacidade.
    Pra você, tudo de bom!
    Com mente questionadora
    nos presenteia agora,
    que venha mais emoção.

    ResponderExcluir
  15. Mara Narciso9:15 PM

    Não existe mais segredo, muito menos de confessionário. Lá é um lugar em que também pode ter escuta.

    ResponderExcluir
  16. Claudete Amaral1:34 PM

    Cala-te boca, mesmo! As paredes têm ouvidos......
    Foi muito boa essa! Hoje n/ tá fácil!
    Gostei! Parabéns!
    Claudete

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…