Pular para o conteúdo principal

ARREMESSO DE ANÃO

Foto: http://www.vice.com/pt_br/read/uma-introducao-ao-arremesso-de-anoes



Tudo bem que é humilhante, mas é bem pago. E por pagarem bem, fica mais fácil você aceitar e se acostumar com a coisa. É estranho, nos primeiros tempos, você permitir que qualquer marmanjo te pegue pelos fundilhos e te arremesse o mais longe que puder como uma bola de boliche (para quem não sabe, o objetivo do jogo é lançar o anão o mais distante possível da linha de arremesso, numa disputa que envolve dois ou mais participantes).

Além do desconforto, há sempre um certo grau de risco envolvido. Teve um dia que fui parar no pronto-socorro, por conta de um sujeito que, ao invés de me arremessar pra frente, me jogou pro alto. Depois de voar a uns cinco metros de altura, acabei caindo fora do colchão de amortecimento e fraturei duas vértebras. É doído, admito, e aterrissar de mau jeito faz parte do negócio. Porém, quanto à grana, não tenho do que reclamar.

Em algumas regiões surgiram variantes da prática, como o arremesso em cesta de basquete. O duro, nessa modalidade, é quando a gente fica girando no aro até ser encestado. Você cai zuretinha no chão, e antes que possa recobrar os sentidos já tem outro globetrotter te encestando de novo. Pior ainda é se resolvem arriscar um arremesso de 3 pontos e erram. Aí é punk, porque ou você despenca no chão da quadra antes de chegar à cesta ou dá aquela cacetada na tabela. Uma vez a porrada foi tão forte que espatifei o vidro. E quem ganhou 3 pontos fui eu - na testa.

Conforme as disputas vão acontecendo e conquistando espaço na mídia, a prática vai ganhando cada vez mais adeptos. Quando é campeonato mundial, são necessários muitos anões para arremessar, e todos tem que estar exatamente com o mesmo peso, para a disputa ficar equilibrada. Antes de começar a prova, alguns anões são postos pra vomitar ou esvaziar a bexiga, enquanto outros são forçados a engolir quantidades industriais de leitoa assada, cupim, boi no rolete e outros tira-gostos frugais. O juiz da prova fica enfiando comida na nossa goela e botando a gente na balança, até atingirmos o peso certo. Depois já começa a prova, não dão nem dez minutos pra fazer a digestão. É desumano, mas regiamente remunerado.

Outro atrativo da profissão é que ela acaba te abrindo um extenso network, o que inclui novas oportunidades de business. Um bom exemplo é a Dwarfs Throw, uma rede de franquias de casas noturnas especializadas em arremessos de anões, com matriz na Austrália. Embora não estivesse na qualidade de franqueado, e sim de anão arremessável, para mim foram quatro anos de realizações, amizades, gargalhadas... e hematomas, evidentemente. Mas valeu muito a pena: ganhava o mesmo que um senador em Brasília, incluindo as verbas de gabinete. O dono da franquia, um “armário” de 2,15m, já era meu parceiro de outros tempos, quando eu e ele nos apresentávamos em um circo mambembe. Éramos uma dupla: o maior anão do mundo (ele) e o menor gigante do universo (eu).
Antes disso, trabalhei por oito intermináveis meses como roto-rooter humano em tubulações de esgoto de Kansas City, numa rotina um tanto quanto desgastante, insalubre e mal paga. Mas tudo bem: temos que passar pelo purgatório para chegar ao paraíso.



© Direitos Reservados


Comentários

  1. Por amor aos meus 1,50m ... Tô fora... Adeus paraíso!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que eles são regiamente remunerados por tão árdua tarefa. Ainda bem... hahahah.
    Adorei Marcelo.
    Bom fim de semana.♥

    ResponderExcluir
  3. Quem manda participar de jogo inventado pelo PT? Agora 'guenta"...

    ResponderExcluir
  4. A matéria fez me lembrar do meu amigo Birigui. Esse era o seu apelido. Isso porque era ele, morador na cidade de São Paulo, oriundo da de Birigui, situada no interior do Estado de São Paulo. Contou-me que em uma fazenda daquele município trabalhavam mais de trinta anões que lá chegaram vindos de regiões diversas do Brasil. Não me falou de suas atividades. Mas logo fiquei imaginando um banquinho mais alto para o que fosse extrair o leite da vaca, uma enxada de cabo mais curto para a capina no cafezal, um sistema diferenciado para alcançar o estribo do arreio do cavalo, etc, etc e etc. Só não entendi por que tantos anões.

    ResponderExcluir
  5. Aí, doeu, viu??
    Senti todas essas sensações desconfortantes desse meu corpo gêmeo que você arremessa.
    Estou zuretinha, igualzinho ao biscuit aí, quando rodopia e depois cai na cesta de basquete.
    Tadim!

    Passe por uma situação desconfortante com uma anã, na rua, o texto será publicado em breve.

    ResponderExcluir
  6. Na Austrália? Estou realmente aqui e, por isso, farei cartazes imensos para impedir a disseminação dessa prática absurdamente desumana!! risos... ah, Marcelo, eu não poderei ver nenhum anão que me lembrarei dessa maluquice aqui. Você é maravilhoso na arte de sugestionar. Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  7. André Albuquerque9:57 PM

    Excêntrica forma de musculação, para os "não verticalmente desfavorecidos" .Parabéns,Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
  8. Mara Narciso9:38 PM

    Esporte perigoso. Quebrar duas vértebras pode levar a paralisia permanente. A boa remuneração não valerá muito nesses casos. Sou mal-humorada e preciso levar a vida de forma mais leve? Sim, e por que não?

    ResponderExcluir
  9. Profissão arriscada e assustadora. Nem com boa remuneração. Mas como foi dito, poderia ser muito pior.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…