Pular para o conteúdo principal

LIVRAI-NOS DO CAOS, AMÉM



Eu sou criacionista. Católico, apostólico, romano e criacionista convicto - daqueles dogmáticos, que acreditam que o mundo foi criado em uma semana mesmo, por mais que os últimos Papas admitam, eles próprios, que essa história é linguagem figurada. E olha que não é brincadeira continuar criacionista roxo quando entende-se por mundo o Universo todo, o que significa uma carga de trabalho que deixaria o Criador sem tempo nem para uma espiadinha rápida no facebook da época, nos seis árduos dias de sua empreitada.

Entretanto, assumo que os argumentos anti-criacionistas são muito sedutores. Especialmente os que defendem o caos como balizador do Universo.

Pela lei das probabilidades, a chance de um pobre mortal acertar na Mega Sena fazendo um joguinho simples é de uma em cinquenta milhões. Se considerarmos a infinitude do Cosmos, chegamos a quatrilhões, quinquilhões de galáxias. Isso só por aqui, nos quarteirões celestes mais próximos. Vamos admitir que reunir em um só planeta todos os acasos possíveis para que se organize a vida, tal qual a conhecemos, seja o mesmo que ganhar sozinho na dita Mega Sena. Então concluiremos que alguns mundos perfeitos têm de necessariamente existir, pois, num conjunto de possibilidades infinitas, é evidente que mundos onde tudo teoricamente funciona direitinho acabam eclodindo. Da mesma forma que os imperfeitos - só que estes em número bem maior, pois é muito mais fácil dar tudo errado do que tudo certo. Fazendo uma comparação para ilustrar: se jogarmos 20 dados juntos infinitas vezes, em algumas dessas vezes todos os dados cairão com o número 6 virado pra cima. Seria o nosso caso. Felizmente.

Um amigo, estudioso do caos e seus desdobramentos, não só defende a teoria como formulou o que denomina “Gradientes de Fatores Caóticos”.

FATOR CAÓTICO 5
É nessa categoria que encontramos o maior número de mundos. Tudo é bagunçado e a matéria se aglutina sem um mínimo ordenamento lógico. São estilhaços do big bang que deram o azar de não formarem nada que preste ou faça sentido.

FATOR CAÓTICO 4
Nessa classificação se alinham planetas repletos de achados ainda não catalogados e compreendidos pela ciência, porém são mundos não tão primitivos quanto os da categoria 5. Com alguma boa vontade teórica e uns milhões de anos de espera, é razoável supor que venham a abrigar formas elementares de vida.


FATOR CAÓTICO 3
Sóis sextavados, camisas com bolsos virados para baixo, espigas de milho com no máximo 3 grãos e nuvens de enxofre líquido formam algumas das aberrações dos astros desse grupo intermediário, que luta bravamente contra o rebaixamento.

FATOR CAÓTICO 2
São os mundos “quase lá”. Aqueles em que faltou um triz, um empurrãozinho do destino pra que tudo se encaixasse. Encontram-se comumente nessas paragens os narizes com uma narina, mãos de seis dedos e meio, canetas que vazam sem razão aparente, sapos que coaxam em decibéis insuportáveis e Woody Allens inteligentíssimos e com piadas ótimas, mas que às segundas tocam tuba ao invés de clarinete.

FATOR CAÓTICO 1
São os mundos que o caos fez calhar de serem originalmente perfeitos (isso antes do homem inventar de interferir e começar a estragar o brinquedinho). Onde a água é H2O e não H16O, onde a lei da gravidade não deixa os suflês de chuchu planarem acima do prato e onde há crepúsculos maravilhosos, como os encontráveis em São João da Boa Vista.




© Direitos Reservados

Comentários

  1. Caramba, estas contas estão mais complicadas do que o balanço da Petrobras!

    ResponderExcluir
  2. antonio c. de s. antoniazi8:32 AM

    Certo, caro Marcelo. Nosso mundo FOI, originalmente, perfeito.

    ResponderExcluir
  3. Ainda estou concatenando as ideias e contando nos dedos as possibilidades de sermos esse mundo maravilhoso e perfeito, mas por enquanto só concordo mesmo é que de ponta a ponta do planeta os crepúsculos são realmente maravilhosos. Bom final de semana Marcelo, adorei! ♥

    ResponderExcluir
  4. Comprando urgente minha passagem só de ida pra Marte... Por lá deve estar menos "caótico"... Partiu...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. O homem tem uma capacidade única e infinita de estragar, massacrar e destruir tudo ao seu redor. Dinossauros e lesmas do mar eram tão felizes e nem sabiam...

    ResponderExcluir
  6. Menino, acho que esses fatores encaixam-se na minha casa, especialmente no quarto do menininho, seguindo para a cozinha com o danado do chuchu. Sem contar que somos dados a termos seis dedos em uma das mãos. Nossa, que caos!

    ResponderExcluir
  7. Djanira Pio3:24 PM

    Essa é muito boa.

    ResponderExcluir
  8. Paulo Marsiglio Neto3:25 PM

    Clap, clap, clap!!!

    ResponderExcluir
  9. Marina Colucci3:25 PM

    AMÉM !!!!""!

    ResponderExcluir
  10. Marli Caron3:26 PM

    Marcelo, gostei do seu Blog.

    ResponderExcluir
  11. Eu sou o caos, amigo. Devo fazer parte do fator caótico 6. risos... beijo!

    ResponderExcluir
  12. Mara Narciso6:23 AM

    Ah, como era bonito o nosso mundo antes de nós chegarmos, mas por outro lado, a chegada da sua crônica é uma janela de alegria e frescor num dia completamente quente, com sol forte e temperatura em elevação. Lembra-se do "tempo bom"?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…