Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

MAKING OF COM MICHELANGELO

Vaticano, quarta-feira, por volta de duas da tarde. Michelangelo dá início ao mais célebre dos afrescos: o monumental teto da Capela Sistina. Um Cardeal, muito próximo do Papa Julio II, acompanha o trabalho.


- Deus sabe que estou pegando esse serviço a contragosto. Meu negócio é escultura, Roma inteira sabe disso.
- Então serão anos de penitência. Começando agora, em 1508, o senhor deve terminar lá para 1512.
- Anos de penitência e de torcicolo. Muito torcicolo. Mas encomenda de Papa não se nega, né? Vou encarar esse inferno para tentar garantir um lugarzinho lá no céu.
- Desculpe a indiscrição, mas como você combinou o pagamento? Por dia ou empreitada?
- Por empreitada. Por dia, nem a Igreja Universal aguentaria pagar.
- Lá isso é.
- Multiplique 365 por 5 e vê só onde é que iria parar essa conta...
- Se me permite o comentário... esse tom que o senhor deu na unha do profeta isaías. Parece que tá com micose, tem amarelo demais...
- E essa cor aí, da sua batina... Tá meio pink, não tá não? Para…

DESCARTE PROGRAMADO

"Espanhol cria lâmpada que não queima e sofre ameaça de morte

É possível fazer produtos que durem a vida toda? Benito Muros, da SOP (Sem Obsolescência Programada), diz que é possível. Por isso está ameaçado de morte. O conceito de obsolescência programada surgiu entre 1920 e 1930 com a intenção de criar um novo modelo de mercado, que visava a fabricação de produtos com curta durabilidade de maneira premeditada, obrigando os consumidores a adquirir novos produtos de forma acelerada e sem uma necessidade real. A lâmpada criada por Benito tem durabilidade prevista de mais de 100 anos". (Fonte: mundogump.com.br)



Materiais baratos e de baixa qualidade irão produzir lâmpadas que duram muito menos que as mil e cem horas previstas para os modelos incandescentes. 

Lâmpadas que equiparão faróis de eficácia duvidosa em carros projetados para sofrerem pane, amassarem fácil, enferrujarem logo  e moverem a tentacular engrenagem dos serviços de reparo e de reposição. 

Carros inseguros dirigido…

FECHADO PARA BALANÇO

1 Aquelas tantas luzinhas que enxergamos ao apertar os olhos com força: foi nessa hora que te vi dourada e escorregadia, pelo menos assim você me parecia deslizando pelo túnel das córneas, sorrindo e vertendo mel. Estamos os dois a passos muito largos para sabe Deus, em vias de virar xepa de estranha feira, tiozão e tiazinha alçando o gozo das cinzas. O tempo parece que cisma de desnortear ponteiros. Agora, só reencarnando.


2 Parem as máquinas que eu quero o viço dos azuis multipiscinas, bolo-mármore perfumando meus quintais, a ânsia de escalar painas - os anos verdes, enfim. Esconde-esconde de nada que me subtraia esses dias: respondo em todas as instâncias pela vida em que me meti. Dispenso os atenuantes por todo o errado que fiz, do que podia e não foi, esses dilemas de antanho. Um zero de serventia. Não tiro meu corpo fora: zona de conforto é puteiro com colchão d'água.


© Direitos Reservados