Pular para o conteúdo principal

DESCARTE PROGRAMADO





"Espanhol cria lâmpada que não queima e sofre ameaça de morte

É possível fazer produtos que durem a vida toda? Benito Muros, da SOP (Sem Obsolescência Programada), diz que é possível. Por isso está ameaçado de morte. O conceito de obsolescência programada surgiu entre 1920 e 1930 com a intenção de criar um novo modelo de mercado, que visava a fabricação de produtos com curta durabilidade de maneira premeditada, obrigando os consumidores a adquirir novos produtos de forma acelerada e sem uma necessidade real. A lâmpada criada por Benito tem durabilidade prevista de mais de 100 anos". (Fonte: mundogump.com.br)



Materiais baratos e de baixa qualidade irão produzir lâmpadas que duram muito menos que as mil e cem horas previstas para os modelos incandescentes. 

Lâmpadas que equiparão faróis de eficácia duvidosa em carros projetados para sofrerem pane, amassarem fácil, enferrujarem logo  e moverem a tentacular engrenagem dos serviços de reparo e de reposição. 

Carros inseguros dirigidos por motoristas que no trânsito pilotam telefones celulares com baterias programadas para deixá-los na mão quando mais precisarem. 

Baterias que eles nunca irão trocar, pois valerá infinitamente mais a pena substituir os celulares ao invés delas. 

Capas protetoras de celular feitas de silicone rigorosamente testado para ressecar e rachar em um mês e meio, quando muito. 

Com capa de silicone e tudo, cada aparelho jogado fora irá fomentar uma cadeia de centenas de fornecedores que continuarão abastecendo fábricas prontas a produzir celulares mais modernos, mais rápidos, mais leves e mais propensos a sucatearem o quanto antes. 

Sucata que, reciclada, voltará à ciranda do consumo na forma de outros bens mal produzidos, embalados em plástico-bolha cujas bolhas são mais frágeis que bolinhas de sabão.

Sabão que fará a roupa desbotar irremediavelmente após a terceira lavada, e a tinta solta na máquina manchará outras roupas que também serão perdidas e virarão panos de prato. 

Panos que enxugarão louças da loja de um e noventa e nove, lascadas precocemente e trincadas pelo calor do microondas comprado ontem via web.

Microondas que ontem mesmo foi reembalado no plástico-bolha que nada protege e levado às pressas para a assistência técnica, porque apresentou defeito no seletor digital.

Digitais que não serão reconhecidas pelo leitor biométrico do caixa eletrônico, ensebado pela gordura deixada por milhares de dedos de milhares de pessoas que buscam milhares de notas para pagarem as milhares de prestações pela compra de milhares de inutilidades. 

Pessoas que precisam ter sua expectativa de vida reduzida de maneira drástica, já que a alta longevidade elevará perigosamente os índices demográficos, congestionará os hospitais e comprometerá o sistema previdenciário, que não terá como arcar com uma sobrevida maior que a prevista pelo Ministério da Saúde.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Caríssimo Marcelo, você não acha que já chega a Dilma? É dose pra ninguém botar defeito!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Assustador isso! Daqui a pouco receberemos ao nascer um código de barras e uma data de validade. Não poderemos passar dos Setenta anos. Por uma questão de espaço estaremos condenados a "falecer" no dia em que fizermos 70 anos! Teremos o emprego de carrasco registrado em carteira de trabalho com todos os direitos de trabalhador, menos o de fazer greve sob pena de acumular pessoas na fila da morte. Que é isso meu amigo? Destrambelhasses meu pensamento e viajei na batatinha direto. Abraços Marcelo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo11:41 AM

    Pior que é isso mesmo. Bom demais ter vc, amigo! Bom demais! Pelo menos as amizades verdadeiras não são descartáveis. Um abraço e minha admiração.

    Zezinha Lins

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:26 PM

    Com relação ao último parágrafo, Marcelo, tenho certeza de uma boa parte da população, hoje, tem bem mais passado do que futuro. Sou um exemplo. Tenho 69 anos. Não vou viver 138. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com relação ao último parágrafo, Marcelo, tenho certeza de uma boa parte da população, hoje, tem bem mais passado do que futuro. Sou um exemplo. Tenho 69 anos. Não vou viver 138. Grande abraço.

      Excluir
  5. Ah! Muito fácil de solucionar esse "Espanhol com tamanha criatividade"... Bota "CPI do Lampião" nele... HAHAHAHA... Quem sabe aparecerá propinas com mais ou menos dedos... dependerá da contabilidade a ser rastreada nos cofres europeus...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. André Albuquerque4:19 PM

    E a guerra contra a obsolescência programada acabou por falta de combatentes aptos,digo, válidos.Muito bom, Marcelo Pirajá Sguassábia.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  7. Gilberto Pirajá4:19 PM

    Cada dia que passa os produtos descartáveis dominam o mercado, minha mãe teve um único liquidificador Walita, eu já tive uns quatro de várias marcas, inclusive da Walita.

    ResponderExcluir
  8. Sonia Maria Grisi4:21 PM

    Muito bom Marcelo. Assustador. Vai chegar o dia que seremos também descartáveis!

    ResponderExcluir
  9. Mara Narciso5:09 AM

    Um tapa na cara do consumismo obrigatório, como também do não obrigatório. Boas falas, entre curiosas e engraçadas, Marcelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…