Pular para o conteúdo principal

RÁ-TIM-BUM




- Não acredito que você me acordou uma hora dessas pra falar sobre "Parabéns a você"...
- Pois você vai me dar os parabéns depois que ouvir minha ideia. Ah, se vai!
- Ih, lá vem.
- Aqui no Brasil, o "Parabéns a você" tem registro no ECAD e dizem que é a segunda música mais executada no país. Sabe lá o que é isso, cara? A original é obra de duas irmãs americanas e a versão brasileira foi escolhida por concurso, em 1942. A vencedora foi uma mulher de Pindamonhangaba, Bertha Celeste Homem de Mello. Ela morreu em 1999 e apagou a velinha 97 vezes, quase todas ao som da própria música! Hoje, os direitos autorais estão nas mãos dos herdeiros. Mas o que me interessa mesmo é a segunda parte, aquela que diz assim:
"E pro(a) (nome da pessoa), nada?
Tudo!
Então como é que é? É!
É pique, é pique, é pique é pique, é pique,
É hora, é hora, é hora é hora é hora
Ra-tim-bum (nome da pessoa, nome da pessoa, nome da pessoa)"
- Nossa, que interessante. Eu não acredito que eu estou escutando essa merda toda às duas da manhã.
- Me escuta, caramba, me escuta. Quase me matei de pesquisar na internet, nos registros de direitos autorais e em tudo quanto é lugar pra descobrir quem cometeu essa baboseira do "pique pique". As origens são as mais absurdas possíveis. Misturam onomatopoéias de bandinha de circo, os estudantes de Direito do Largo de São Francisco e até um rajá indiano que teria visitado a faculdade em mil novecentos e bolinha. Já outras fontes afirmam que o termo "Ra-Tim-Bum" é uma maldição. Imagina só. Numa dessa, todo mundo na festa roga praga no aniversariante...
- Ok, amanhã você continua, tá bom?
- Resumindo, o fato é que essa parte do "Parabéns" não tem dono. Minha ideia é fazer o registro desse complemento e requerer os royalties de execução, radiodifusão e teledifusão, compreende?
- Só dessa segunda parte?
- Sim, a primeira é dos herdeiros da Dona Bertha. 
- Dona Bertha? Que dona Bertha?
- Aquela, que eu acabei de falar, a velhinha de Pindamonhangaba. Depois dessa parte que eu quero registrar vem o manjado "Com quem será?" - que acabou se incorporando, sabe-se lá porque, ao maldito corinho natalício. Tentei descobrir o autor, pra propor uma ação conjunta de registro, mas não encontrei de jeito nenhum. Pesquisando, vi que a música desse "Com quem" dos infernos é baseada na Marcha Nupcial de Wagner. Pegaram a melodia de um gênio e enfiaram uma letra de retardado. 
- E aquele trecho que parece coisa de beata velha, que fala "Com imensa alegria, suplicamos aos céus", quem foi que compôs?
- Sei lá, pelo jeito é uma segunda parte da letra que a Bertha fez, mas também não tenho certeza. 
- Bom, posso voltar pra cama agora?
- Imagina a grana que dá pra ganhar só em buffet infantil. Esquece televisão e rádio, vamos focar só nas festinhas de criança. Eu espalho um exército de gente que está aí à toa, procurando emprego, e faço um acordo por comissionamento. Eles dão um jeito de entrar nas festas e, na hora de apagar as velinhas, gravam com celular a cantoria. Ninguém vai desconfiar de nada, porque quase todo mundo fica com o celular gravando nessa hora - a mais insuportavelmente previsível da comemoração. Com o flagrante na mão, é só mandar a cobrança dos direitos para os pais do fedelho. Tiro 10% de comissão para o fotógrafo e o resto vem limpo pra mim. 
- Parabéns a você. Genial. Supimpa. Estonteante. Formidável. Bem.......bo....la.............do............................zzzzzzzzzzzz......................zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.......



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Isso está cheirando a plano petista, embora a comissão de 10% está muito mais baixa do que a normal...

    ResponderExcluir
  2. Já que a "velhinha Berta" foi apagada... o que vier será lucro... só não sonhe alto, pois o tombo será muito dolorido. O jeito é cantar outra versão...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. A pesquisa foi boa, mas convenhamos: foi uma conversa pra boi dormir... Tem gente perdendo o sono tentando se ajeitar na vida, Quanta criatividade, moço inteligente! Parabéns pra você...

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno12:12 AM

    Marcelo:
    Vc traiu a sua origem com a palavra SUPIMPA, tipicamente sanjoanense!
    Minha mãe a usava muito....mas "no lado de cá", além de n/ ser usada, nem é muito conhecida.....
    E aí....está conseguindo ganhar "algum", com os direitos autorais da "segunda parte",
    que eu DETESTO!??? kkkkk (Sou daquelas que vê RA-TIM-BUM como maldição).......
    Bom domingo!.....
    Claudete

    ResponderExcluir
  5. Merece a maldição quem nos acorda às duas da manha com uma ideia tão genial... E, realmente, supimpa, acrescentando joia, bicho demonstram uma certa e determinada idade... mas ai é outra história. Abs.

    ResponderExcluir
  6. Rita Lavoyer1:39 AM

    Parabééééééns.... Parabééééééns.... Parabèééééééns.... ParabÈÈÈÈÈÈÈÈÈÈÈÈNNNNNNNNNNNNSSSSSSSS!

    ResponderExcluir
  7. Wladimir Otero1:40 AM

    Marcelo por onde anda

    ResponderExcluir
  8. Em Campinas há 32 anos, Wladimir! Vejo aqui pelo face que você continua em Americana. Um grande abraço, meu vizinho da Rua Argentina e colega do Heitor Penteado.

    ResponderExcluir
  9. Leda Valéria Suppa Basile1:41 AM

    É pique, é pique, é pique pique pique, Marcelo, Marcelo!! Parabéns por mais essa delícia de crônica. RA-TIM-BUM!!!

    ResponderExcluir
  10. André Albuquerque1:43 AM

    Essa foi na jugular.Parabéns,Marcelo Pirajá Sguassábia.Fez lembrar dos tempos da Jovem Guarda, quando diziam as más (ou boas ?) línguas que Carlos Imperial tentou registrar como de sua autoria Meu limao, meu limoeiro,rsrsrs.

    ResponderExcluir
  11. Selma Bezerra Costa1:44 AM

    Hj e seu Níver???me avisa !!!!

    ResponderExcluir
  12. Antonio Carlos Antoniazi1:45 AM

    Muito bom Marcelo. Mas lembrei-me de um jogador do Corinthians, simples como muitos deles (jogadores), que, entrevistado por uma emissora de rádio, no dia seguinte ao de seu aniversário, e indagado sobre "o que achou ele da comemoração", lá no clube, com os colegas, no dia anterior, respondeu: "Gostei muito quando cantaram parabéns PRÁ VOCÊ PRÁ MIM".

    ResponderExcluir
  13. Marieta Pirajá Sguassábia Domingues1:46 AM

    Kkkkk bem você mano, tenho até medo de parabeniza-lo no seu aniversário rs
    Ligo ou não ligo????
    Ir pessoalmente nem pensar!!!!
    Mas todo ano arrisco porque te amo bjsss

    ResponderExcluir
  14. Clotilde Fascioni1:47 AM

    ahahahah, só vc mesmo Marcelo Pirajá Sguassábia para pensar numa dessas e de madrugada! Já fiz isso algumas vezes com a minha filha Ligia Fascioni tadinha.... hahahah, chorei de rir me vendo fazendo isso, verdade. parabéns, muito bom como sempre! Abçs.

    ResponderExcluir
  15. Magda Peli1:48 AM

    Parabéns pra vc, Marcelo...rsrs

    ResponderExcluir
  16. Sandra Romanin1:49 AM

    Marcelo, Parabéns p/ vc !!!! Adorei o texto ... hilário !!!!! Bjoo

    ResponderExcluir
  17. Flavio Henrique1:50 AM

    O comentário da Magda Peli foi o melhor rara

    ResponderExcluir
  18. Ligia Fascioni1:51 AM

    Hahahah... Parece mesmo ideia da minha mãe...rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  19. Marli Caron1:52 AM

    Adorei. Parabéns

    ResponderExcluir
  20. Maria Helena Dix Carneiro1:53 AM

    também gostei!

    ResponderExcluir
  21. Lauro Augusto Bittencourt Borges1:54 AM

    E o "derrama"? Alguém registrou a autoria?
    MPS, parabéns por mais essa pérola na sua galeria.

    ResponderExcluir
  22. Marco Antonio Rossi1:56 AM

    Bom dia meu amigo!!!
    Vamos apagar as velinhas ou as velhinhas......
    Abração
    ótima semana.
    Rossi

    ResponderExcluir
  23. José Teruel1:59 AM

    Caro Marcelo
    Aproveito para envia copia deste artigo do Frei Beto que acabo de receber.
    Abracos
    Teruel
    http://www.revistaforum.com.br/rodrigovianna/geral/frei-betto-projeto-psdb-para-acabar-com-mais-medicos-e-crime-de-lesa-patria/

    ResponderExcluir
  24. José Carlos Carneiro6:37 AM

    Tirando-se a parte criativa sua - a melhor - é por aí mesmo que rolam as coisas nos festejos de aniversário, Natal etc. Atualmente já têm usado até confete e serpentina, espuma plástica...
    Qualquer hora um gaiato e sádico poderá usar spray de pimenta e melar a festa. Mas eu é que tenho a mente poluída, por certo, ao imaginar tais disparates.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…