Pular para o conteúdo principal

GRAMA AUTOCORTANTE E MATO AUTOELIMINANTE



"A imaginação é mais importante que o conhecimento", já dizia Einstein com a autoridade de quem sabia tudo desse mundo e de todos os outros, por mais que continue se expandindo esse Universo velho sem porteira.

Dois dos maiores estouros mercadológicos de que se tem notícia ilustram bem essa citação. Eles nasceram juntos em laboratório e não podem ser vendidos separadamente, até porque um complementa a ação do outro. Onde exista jardim, público ou privado, lá estão os gloriosos e insubstituíveis inventos de Alejandro Cortez de Calabares, que deram a ele fortuna e um lugar definitivo entre os grandes gênios da Catalunha.

Foi numa nebulosa manhã de julho que lhe veio à mente a redentora visão, que iria livrá-lo da dívida na mercearia e das seis parcelas em atraso no plano funerário. Profundamente sensibilizado por um drama pessoal vivido por Alícia Jimena, a dedicada governanta de sua tia-avó de Sevilha, Alejandro ergueu a ela um imaginário brinde com uma dose generosa de absinto, virou de vez e desabou espetacularmente sobre o surrado pufe da sala. A mesma sala de paredes sujas da qual, seis meses mais tarde, teria apenas uma vaga lembrança, envolvido pelo luxo de seu castelo em Palma de Maiorca.

O MATO AUTOELIMINANTE
Não se sabe se foi o conforto reparador daquele pufe, comprado em beira de estrada nas férias de 1991, ou o efeito alucinante do absinto, o fato é que naquele dia sua mente penetrou em reinos desconhecidos e inspiradores. A primeira das visões lhe surgiu aos onze minutos da fase de sono REM, já com a baba escorrendo pelo canto direito da boca. A partir de uma alteração na genética da planta, ao começar a crescer o mato enforca a si mesmo com os ramos que vão brotando do seu caule, numa espécie de suicídio vegetal involuntário.

A GRAMA AUTOCORTANTE
Se com o invento anterior eliminamos a fatigante tarefa de arrancar um a um os matinhos dos gramados, com sua segunda visão Alejandro nos livra para sempre daquele ícone verde da classe média americana, tão arraigado ao cotidiano ianque quanto o molho barbecue e os tacos de golfe: o cortador de grama. Ao atingir determinada altura, configurada no setup do aparelho, um sensor dispara um feixe de laser que apara eletronicamente a quantidade de grama que ultrapassar a dimensão desejada, mantendo-a sem qualquer esforço no tamanho ideal. 

Esperto, Alejandro atraiu a atenção da mídia mundial ao testar simultaneamente os dois inventos nos Jardins de Luxemburgo, no Hyde Park e nos gramados da Casa Branca. Em questão de dias, nosso herói passou das filas do seguro-desemprego à lista dos bilionários da Forbes, com o saldo da conta corrente crescendo mais que mato no meio da grama. 


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Ganhou dinheiro fácil, é? Não tem Petrobras ou BNDEs nisso?

    ResponderExcluir
  2. caraca, onde compro esse trem? tenho um terreno que dá mais tiririca quew outra coisa

    ResponderExcluir
  3. Erguerei um brinde imaginário dessa dose ao nosso querido Duña, quem sabe me sairei melhor que o tal bilionário. Preciso inventar um geringonça qualquer que me dê uma boa renda extra porque, como professora, estou vendo que nem para o plano funerário vai sobrar.

    ResponderExcluir
  4. A grama do vizinho é sempre mais verde... risos.... parabéns!!! Beijo

    ResponderExcluir
  5. O consumismo faz parte de nossa sociedade e de algumas personalidades, com mais fervor. No meu caso, é excesso mesmo de grama,no entorno da casa, que insiste em crescer desesperadamente nesta época.... preciso urgente do raio de laser... rss.

    ResponderExcluir
  6. O problema de uns e outros é a cor da lente... Então muda-se o aspecto da grama e fica-se sem saída... Ainda mais agora, com a grama sintética. Haja "absinto"...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi3:55 PM

    Bom dia amigo e ótima semana!!
    é com esse raio vai ganhar muito!!!!!
    quem sabe até abre um credito para o nosso BNDES, que deverá explodir logo logo.
    Abraços
    Rossi

    ResponderExcluir
  8. Claudete Amaral Bueno3:56 PM

    Que boa ideia a desse Alejandro, não????? N/ é atoa que ficou rico!
    Bom sábado e domingo pra vc!
    Claudete

    ResponderExcluir
  9. Mary Maia4:05 PM

    Preciso urgentemente conhecer o Alejandro; isso se ele não se importar de fazer testes em outros gramados que não sejam os da Casa Branca...rs

    ResponderExcluir
  10. Tua criatividade é tão fértil,quanto a grama! rsrsrs...

    ResponderExcluir
  11. André Albuquerque4:07 PM

    "Em se plantando tudo dá", em alguns jardins, até dinheiro.Valeu, Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  12. Clotilde Fascioni4:08 PM

    Adorei o cortador à laser, deve ser o que usam para aqueles desenhos em várias dimensões nas plantações da Ingaterra e pelo mundo, até em SC ja andou aparecendo. Aqueles que dizem serem feitas por "ET's". Adorei meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Bom final de semana sem grama para cortar. Abraços. ♪☼♫

    ResponderExcluir
  13. Antonio Carlos Antoniazi4:09 PM

    E não teremos mais a referência de que sanjoanense é como tiririca. Aparece em todo lugar.

    ResponderExcluir
  14. Clauduarte Sá4:09 PM

    Muito bom meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  15. Maria Helena Dix Carneiro4:10 PM

    sua imaginação tem muitas asas!
    para um escritor isso é um dom!

    ResponderExcluir
  16. Seus artigos estão cada dia melhores.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…