Pular para o conteúdo principal

SOB HIPNOSE



Este texto é do Marcelo e não é. Escrevo em terceira pessoa porque aqui não é ele escrevendo e sim eu, seu analista, descrevendo. Ou melhor, anotando o que ele fala em transe hipnótico. Ideia dele, bem entendido. Sabia do risco que estava correndo, e mesmo assim quis a coisa em estado bruto.

Cinco... quatro... três... dois... um... Definitivamente, essa contagenzinha de relaxamento profundo em nada me inspira. Doutor, essa coisa desgastada não vai me dar um texto novo no sábado. Não sei por onde começar mas sei que não será por esse labirinto de hera, cheio de portas que não levam a lugar nenhum, cotovias flamejantes e areias movediças. 

Ao que parece, hoje ele está sem assunto. 

Problema seu amarrar tudo isso, Dr. Matos. Eu não tenho obrigação, aqui, de falar coisa com coisa. Agora, você sim, tem em costurar um sentido nessas associações que faço. Não vou dizer por onde vago agora. Você não acreditaria. Sujeito que escreve e faz análise dá nisso. Sujeito que escreve tem que ficar só na análise sintática, que é muito mais negócio.  

Ele está racionalizando o processo, desse jeito fica impossível. Usa a análise para falar da análise.

Você é um excremento, doutor Matos. Um titica com diploma pendurado na parede, legítima personificação da fase anal. Seu trabalho me arranca dinheiro e não traz resultado, estou aqui há anos e fico andando em círculos, dependente de você e prisioneiro dessa sala. Dessa cela. Seu pai castrador bem que podia ter te capado de uma vez para que você não estivesse aqui, se achando capaz de ajudar os outros. 

O que me deixa estarrecido é que ele está sendo sincero, hipnose não é bem um alteração no estado de consciência, é consciência no grau mais alto. É atenção focada, ele está sabendo muito bem o que diz. 

Esse seu nome, Matos, cheira a sexo. Mato onde se faz sexo. Os pelos do púbis são matos. Mata-se a vontade. Mata-se o desejo. Então sexo não é fazer amor, mas celebrar a morte. É amor à morte. Credo.

Isso é impublicável. Depõe contra mim, pessoal e profissionalmente. Desconsiderem.

Aproveitando o segundo domingo do mês, mamãe vai bem, Doutor?

© Direitos Reservados



Comentários

  1. Aqui temos um cidadão que não é psicanalista, não tem diploma na parede mas colocou grande, enorme parte dos brasileiros tomando ansiolíticos. Desemprego é coisa grave.

    ResponderExcluir
  2. Coitadinha da "mãe"... mais uma vez, válvula de escape... com ou sem "matos"...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Adorei Marcelo! Não sei se já te contei antes, que fiz análise com um psicanalista, por apenas 3 meses. Logo que ele me disse que eu não queria substituir meu pai, em minhas relações amorosas, eu lhe dei um basta. Ele me decifrou rápido demais. Me libertei.... risos... daí ele me ligou, exigindo que eu retornasse... risos... foi um diálogo franco, mas salutar... um abraço!!

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro5:24 AM

    Esses assuntos que envolvem os doutores dos miolos me causam muito interesse, pois sempre fui um grande admirador do Sigmund - o tal Freud. Foi-me recomendado, quando eu morava em São Paulo e era solteiro, que me valesse de um deles para me livrar do que diziam ser 'grilos' que me aporrinhavam. Procurei um deles que jurou de pés juntos que a única coisas anormal que encontrou no meu comportamento foi um enxame de muriçocas e nada mais. Médico que confunde grilos com muriçocas não deve ser levado a sério. Então ficou o dito pelo não dito mesmo e durante algum tempo ficamos amigos. Repentinamente ele levou um chá de sumiço sem deixar notícias.
    Nada a ver com sua excelente crônica, feita meio do avesso, como você mesmo colocou, mas muito interessante.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Tivesse eu lido antes essa hiper produção literariamente analítica teria gargalhado mais tempo.
    Porque rir faz bem recomendo o consultório do doutor Marcelo Sguassábia.

    Cara, você é ótimooooooooooo!

    ResponderExcluir
  6. Mary Maia2:11 AM

    Que sejam poupadas as mães de todos os hipnotizadores...rs

    ResponderExcluir
  7. Marcos Vaz2:12 AM

    Show!!!

    ResponderExcluir
  8. André Albuquerque2:13 AM

    Mesmerizado pelo texto,parabéns

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno2:16 AM

    Hipnose.....é uma coisa perigosa! N/ brinca com isso, não.....kkkkkkkkkk

    Boa semana pra vc!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…