Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2015

GRANDE HOTEL

Chego um pouco antes do horário estipulado para o check-in. Dou um tempo no bar do hotel, que tem um enorme “Hipotálamo’s” em neon azul piscando na porta.

Meia hora e duas taças de vinho depois, adentro o aconchegante salão do cerebelo. Sento-me num sofá de córtex e abro o jornal do dia, ainda intocado sobre a mesinha de centro. Avisto de lá o saguão lotado. Pelo menos umas 70 pessoas, vestindo túnicas verde-água, buscam alojamento na memória. Querem acomodação a todo custo, mas poucas são aceitas pela recepção.

- Temos que ser seletivos, infelizmente não há lugar para todos.
- Mas eu fiz reserva...

Na recepção também ficam as chaves dos acontecimentos, alinhadas para facilitar o acesso quando necessário.

Escadas em caracol fazem a comunicação entre três imensuráveis pavimentos. São dezenas de quartos, cada um deles contendo 365 dias vividos. Pelos corredores há quadros de pessoas e lugares. Uns estão impecavelmente conservados, a tinta ainda parece fresca. Outros têm carunchos nas moldura…

VENDE-SE OU ALUGA-SE

Não vou negar: houve tempo em que o dinheiro jorrava da minha conta, tinha fila de gerente de banco na minha porta oferecendo linhas de crédito e aplicações mirabolantes. Parentes até então desconhecidos apareciam para pedir dinheiro emprestado. Do fundo do quintal do Josias, onde tinha uma bancada velha, uma tela de silk e duas latas de tinta de marca vagabunda, fui fazendo fortuna rápido. Comecei vendendo as placas e faixas de "Vende-se" e alugando as de "Aluga-se". Depois a demanda se inverteu: passei a vender mais as de “Aluga-se” e a alugar mais as de “Vende-se”. Coisas do mercado.  O negócio foi dando certo e veio a diversificação, com a incorporação do modelo que durante quase duas décadas foi o carro-chefe da empresa: a faixa "Passo o ponto". Quanto mais empreendedores davam com os burros n'água, mais eu lavava a égua. Me sentia um agiota, estava ficando rico com a falência alheia. A capacidade instalada, na época com sete máquinas de última gera…

O RETORNO TRIUNFAL DE MESTRE DUÑA, DEPOIS DE LONGO E TENEBROSO OUTONO

Mesmo optando voluntariamente pela reclusão, Duña, o magno profeta, deixou-se enfim fotografar em seus rústicos domínios, embalando paternalmente duas lindas pencas de banana da terra.

A aparição se deu em meio a insistentes rumores de que, nos últimos meses, Mestre Duña estaria se lançando de maneira febril ao trabalho de compilação de sua doutrina, revisando alguns aspectos e acrescentando tópicos inexistentes nas edições anteriores. Aos mais chegados, externa o oráculo dos oráculos o receio de que seu tempo nesse mundo já se esgota, e de que cada minuto é precioso para que o acesso à duñesca sapiência seja direito sagrado de todo ser humano, de Muzambinho a Machu Pichu, passando por Joahannesburg.

"Caixão não tem gaveta. Ainda que seja de madrepérola incrustada de esmeraldas, vai servir como jantar aos vermes do mesmo jeito que um caixote da Ceasa. Chega um momento na vida em que o dinheiro, o sucesso, o prestígio e o diamante negro não significam mais nada. Em que tanto faz gan…

MONOCHROME

Foto: Theatro Municipal de São João da Boa Vista


Tento derramar cores sobre a foto de família: o resultado soa falso. Uma coisa desalmada, sem pulso e temperatura. Cria-se uma inadequação, um ar postiço, não caberia cor ali de forma alguma. O mundo de 1941 da foto com margem branca e cantoneira, tirada de um álbum de madeira marchetada, é natural e necessariamente em preto e branco. Há propósito, graça e sentido em ser assim.

No entanto, quem estava lá posando para a pesada câmera, num vestido estampado e eternizado no clique em paupérrima escala de cinza, jura que o mundo era mais colorido que hoje. As cores mais vivas e intensas, flores e gramados sem a fuligem - essa sim monocromática - das chaminés e escapamentos. Sim, as hoje muito velhas gentes garantem que o branco e preto das fotos não fazia justiça ao variadíssimo pantone da vida real. Por mais que os ternos de linho fossem impecavelmente brancos, e as largas saias das beatas de respeito invariavelmente negras, havia cores inte…