Pular para o conteúdo principal

O RETORNO TRIUNFAL DE MESTRE DUÑA, DEPOIS DE LONGO E TENEBROSO OUTONO



Mesmo optando voluntariamente pela reclusão, Duña, o magno profeta, deixou-se enfim fotografar em seus rústicos domínios, embalando paternalmente duas lindas pencas de banana da terra.

A aparição se deu em meio a insistentes rumores de que, nos últimos meses, Mestre Duña estaria se lançando de maneira febril ao trabalho de compilação de sua doutrina, revisando alguns aspectos e acrescentando tópicos inexistentes nas edições anteriores. Aos mais chegados, externa o oráculo dos oráculos o receio de que seu tempo nesse mundo já se esgota, e de que cada minuto é precioso para que o acesso à duñesca sapiência seja direito sagrado de todo ser humano, de Muzambinho a Machu Pichu, passando por Joahannesburg.

"Caixão não tem gaveta. Ainda que seja de madrepérola incrustada de esmeraldas, vai servir como jantar aos vermes do mesmo jeito que um caixote da Ceasa. Chega um momento na vida em que o dinheiro, o sucesso, o prestígio e o diamante negro não significam mais nada. Em que tanto faz ganhar mais dois ou mais 222 canais de televisão para difundir a doutrina em escondidos cafundós. É quando o tempo vale mais que o templo", afirmou o Divino, demonstrando estar cada vez mais imune às artimanhas da cobiça e desapegado das transitórias riquezas dessa vida. 

"Imagine um sujeito fazendo esteira numa academia", comparava o mestre em mais uma de suas sacrossantas analogias. "Os imbecis pensam que ele nunca chegará a lugar algum, em sua aparentemente estúpida imitação de hamster de laboratório. Mas a verdade é que, mesmo sem sair de onde está, irá mais longe que todos, graças às décadas adicionais que viverá. É como sempre dizia o ilustrado Juan de la Duña, fundamento medieval da doutrina e meu bisavô pelo lado materno: mais vale uma voltinha de velotrol todo dia no quarteirão do que uma escadaria da Penha a cada onze anos". Ao dizer isso, muitos dos presentes à porta da choupana duñesca afirmaram vislumbrar no firmamento um vendaval de pétalas lilases, que trazidas pelo vento iam envolvendo a fabulosa figura do Venerável.

Apoiado em seu inseparável cajado, prosseguia em tom inflamado: “É por isso que, quando muitos perguntam-me sobre onde está a verdade, reafirmo que ela está dentro de cada um. Todos os caminhos ali desembocam, todos os ribeirões ali desaguam, todas as aves de arribação ali pousam, ali fornicam, ali se reproduzem e ali fulguram radiantes com suas proles. A sua verdade é diferente da minha, que nada tem a ver com a dele, que por sua vez diverge da verdade de outrem, que não deixa de ser verdade pelo fato de não coincidir com a verdade de quem a supõe verdadeira. Nesse sentido, a amizade é, sim, a ponte para alcançá-la. Ainda que a Ponte da Amizade tenha se celebrizado por conduzir a caminhos falsos e sem garantia, ao invés de legítimos e cobertos pela mais ampla rede de assistência técnica.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Olhe, Marcelo, já no primeiro parágrafo ri com o embalar das "pencas de banana da terra"... Iguarias mais valiosas que muitos diamantes! Estou ai nessa frase: "o tempo vale mais que o templo"... Amém!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ainda não entendi a razão de Duña não estar em Salvador, assessorando o a Magnífica Reunião.
    Vai ser expulso.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Caracas: sou a visitante de número 242.242 - exato !?
    Ganho o que do Duña por esta ilustre,imantada coincidência de feitiçaria? Uma penca de bananas da terra? Uma foto 3x4 do ilustríssimo profeta autografa no verso? Uma assinatura gratuita num dos 222 canais de televisão? Acho que vou aproveitar essa numeração, nada por acaso , fazer um jogo e , se ganhar, vou conhecer o Duña.

    ResponderExcluir
  4. Duñanesca as palavras... então continuarei a fazer minha esteira, agora, com a quase certeza de mais anos ...rs e quem sabe me equilibrando com uma penca de banana da terra.

    ResponderExcluir
  5. Renan Bernardi2:17 PM

    muito bom!!!

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi2:29 PM

    Boa tarde, meu amigo, tudo bem?
    espero que sim.
    sábios pensamentos e palavras do grande mestre!!
    Nada como a boa e verdadeira amizade.
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno2:31 PM

    MAS O INVERNO ESTÁ ÀS PORTAS!!!!!!!!!..........

    Bom FDS p/ vc.....

    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Clotilde Fascioni2:36 PM

    Será que trazemos no nosso DNA uma quantidade X de passos que teremos para trilhar na vida, nem um passo a mais? Explico: e esses que os consomem numa esteira, ou correndo pelo parque não estariam esbanjando o seu estoque de passos? Por favor pergunte ao mestre Duña para mim? Bom domingo meu amigo Marcelo. Adorei a filosofia do MD. Abçs.

    ResponderExcluir
  9. Paulo Marsiglio Neto2:41 PM

    A sabedoria de Mestre Duña é um alento para nós nesses dias de cólera! Vida longa!!!

    ResponderExcluir
  10. Antonio Carlos Antoniazi2:42 PM

    Por falar em "verdade", caro Marcelo, “A mentira é o único privilégio do homem sobre todos os outros animais”. Assertiva de FIODOR DOSTOIÉVSKI (1821/1881) Escritor russo.

    ResponderExcluir
  11. La seguridad soy yo! rsrs..

    ResponderExcluir
  12. Lauro Augusto Bittencourt Borges2:43 PM

    Mestre Duña faz muita falta, sempre. Seus retornos devem ser celebrados por nos trazer o norte perdido.

    ResponderExcluir
  13. André Albuquerque2:44 PM

    Filosofando e segurando as pencas,ei-lo de volta.Muito bom, Marcelo

    ResponderExcluir
  14. Mara Narciso10:57 AM

    Ápice da originalidade. Velotrol? Moço, atingiu os píncaros com esta!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…