Pular para o conteúdo principal

VENDE-SE OU ALUGA-SE



Não vou negar: houve tempo em que o dinheiro jorrava da minha conta, tinha fila de gerente de banco na minha porta oferecendo linhas de crédito e aplicações mirabolantes. Parentes até então desconhecidos apareciam para pedir dinheiro emprestado.
Do fundo do quintal do Josias, onde tinha uma bancada velha, uma tela de silk e duas latas de tinta de marca vagabunda, fui fazendo fortuna rápido.
Comecei vendendo as placas e faixas de "Vende-se" e alugando as de "Aluga-se". Depois a demanda se inverteu: passei a vender mais as de “Aluga-se” e a alugar mais as de “Vende-se”. Coisas do mercado. 
O negócio foi dando certo e veio a diversificação, com a incorporação do modelo que durante quase duas décadas foi o carro-chefe da empresa: a faixa "Passo o ponto". Quanto mais empreendedores davam com os burros n'água, mais eu lavava a égua. Me sentia um agiota, estava ficando rico com a falência alheia. A capacidade instalada, na época com sete máquinas de última geração e quarenta funcionários, não dava conta dos pedidos. Lembro que tive que programar quatro turnos de produção, com gente trabalhando de madrugada. Pra se ter uma ideia, uma única loja mudava de ramo e de dono umas quinze vezes por ano. E eu ganhava de todo lado: primeiro com a faixinha do falido comerciante tentando se livrar do mico, e depois com faixas e mais faixas das imobiliárias anunciando o imóvel. Não raramente eram várias imobiliárias num imóvel só... era faixa que não acabava mais para fazer, eu chegava a recusar encomenda.
De uma hora para a outra, a situação começou a ficar economicamente muito mais complicada e passei a trabalhar com consignação. O cliente só pagava a placa depois de alugar ou vender o que tivesse para negociar. O formato teria tudo para ser um sucesso, mas quase me quebrou completamente - já que ninguém alugava e ninguém vendia, mas todos botavam as minhas placas e faixas nas portas dos seus comércios, sem pagar um centavo por elas. 
Hoje, a penúria chegou a tal ponto que minhas vistosas e eficientes placas são humilhantemente substituídas por uma pichação do proprietário no muro, feita com caiação rala emprestada do vizinho... é triste, muito triste olhar esses amadores das letras emporcalhando a cidade.
Aproveitei o último pedaço de pano e um restinho de tinta no  fundo da estamparia e fiz a derradeira faixa de "Vende-se", para colocar aqui na fachada do meu negócio. Pensei em escrever "Passo o ponto", mas desisti. A frase era maior e a tinta não ia dar. 

© Direitos Reservados




Comentários

  1. Excelente texto!
    Além do que, reflete a conjuntura econômica atual do país de forma bastante clara e objetiva.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Texto real e verdadeiro, parabéns Marcelo.
    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  3. Deus me livre! Este cara prega muita mentira!

    ResponderExcluir
  4. Não se vende, nem se troca, nem se aluga mais nada...Rouba-se muito bem, mas às escondidas! Camufladas devem ser as faixas, produzidas em idiomas bem diferentes do nosso bom e velho português!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto. Um retrato de nossa atualidade, Marcelo.
    Abs

    ResponderExcluir
  6. Nicete Campos12:25 PM

    EXCELENTE! Adoro ler seus textos com essas pitadas de humor cinicamente inteligentes.
    Abraços
    Nicete Campos/Anita Cimirro

    ResponderExcluir
  7. Olá Marcelo, texto atual e bem humorado.

    ResponderExcluir
  8. Juliano12:28 PM

    Muito bom o telefone para contato kkkkkkkkkkkkkkk

    Quem liga: Alô, é da casa do Pangolino?
    Quem atende: Sim, mas ele está ocupado. Vou anotar seu recado, assim que ela acabar sua pangolisse do diaria, ele irá lhe retornar...
    Quem liga: Ah, ok. Obrigado. Com quem falei?
    Quem atende: Aqui é o pangó Jr.
    Quem liga: Ok, muito obrigado.

    Abs!!!!

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno12:30 PM

    Gostei muito do texto, pois infelizmente ele é muito verdadeiro nos nossos dias!
    Bom FDS pra vc! Forte abraço!

    ResponderExcluir
  10. *:)) gargalhadas

    ResponderExcluir
  11. Mary Maia12:38 PM

    Tão real quanto a já realidade. Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Mara Narciso12:39 PM

    ♫ ♫ ♫ A ascensão é festa e a derrota é só tristeza.

    ResponderExcluir
  13. Manuela Mourão12:40 PM

    Adorei, um grande abraço Marcelo!

    ResponderExcluir
  14. Doroni Hilgenberg12:41 PM

    kkkkk. triste realidade....Deus nos livre das consignacoes.

    ResponderExcluir
  15. Antonio Carlos Antoniazi12:42 PM

    Muito bom Marcelo Pirajá Sguassábia. Se mais precavido, quando "a situação começou a ficar economicamente muito mais complicada" já deveria ter colocado a placa: "Aquí, breve, "Passo o ponto".

    ResponderExcluir
  16. Clotilde Fascioni12:43 PM

    Pois é meu amigo, porque não tenta outra modalidade? Amei o texto, muito engraçado. Abrçs Marcelo e bom fim de semana...

    ResponderExcluir
  17. Beno Papa12:44 PM

    Hahaha, pior que é..,

    ResponderExcluir
  18. "Ascensão e queda de um paquera". Lembra-se desse filme? Não tem nada a ver, mas acaba tendo. Relembro para me preparar para o fim, após o apogeu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…