Pular para o conteúdo principal

CASTIDADE VIOLADA

Imagem: www.psychologytoday.com/blog/you-it/201205/the-truth-about-chastity-belts



- Quando fechamos negócio, o senhor me jurou que dava garantia.

- Eu disse que garantia o produto contra defeitos de fabricação, o que não inclui avarias provocadas pelo mau uso. O cinto de castidade que eu lhe vendi foi violado, eu poderia jurar que usaram um pé-de-cabra para arrebentar a fechadura.

- Desculpa, mas um produto dessa natureza e com essa finalidade, só tem serventia se for comprovadamente inviolável. Cadê a fiscalização do Inmetro numa hora dessa? A minha noiva desacordada na cama, todo aquele sangue escorrido... Ah, se o senhor visse...

- Bom, pela minha prática eu arriscaria três hipóteses para o fenômeno. A primeira: a própria mulher ou alguma outra pessoa provocou ferimento nas partes baixas ao forçar a abertura, aí acabou sangrando. A segunda: a mulher menstruou e, incomodada com o sangue melecando a virilha, abriu a gaiola genital para se limpar. Não sei como, mas abriu. A terceira, que o amigo vai custar a admitir mas que costuma ser a mais provável: o sangue é da perda da virgindade. Consentida ou forçada.

- Ela não faria isso. A minha noiva não!

- Pois é, mas o senhor se lembra que não foi por falta de aviso. Se tivesse levado o modelo com quadrichave e senha digital, poderia ter evitado todo esse aborrecimento. Até hoje não conheci ninguém capaz de violar um genuíno quadricinto de castidade.

- Ponha-se no meu lugar. Se a noiva fosse sua e tivesse acontecido isso, o que pensaria?

- Eu não pensaria nada, pois teria optado por um cinto da linha Quadrichave Ultra Security para não ter dor de cabeça. Se a questão é prevenir, vamos fazer a coisa direitinho.

- Mas dizendo isso o senhor deprecia o seu modelo básico. Por uma questão ética, não poderia vender um modelo com chave comum e risco de violação, concorda?

- Olha, vamos parar com essa discussão. Eu conheço muito bem e respondo por toda a minha linha de produtos, tenho um bom nome na praça e a consciência tranquila. Já o senhor, eu não sei se está tão seguro quanto ao caráter da sua noiva.

- Escolha bem as palavras quando se dirigir a mim, seu maldito insolente. A família dela é respeitada em todo o reino, é gente que honra o brasão da família!

- Então por que comprou o cinto?

- Ferreiro desgraçado! Seu pós-venda não vale nada, é um case de marketing sobre o que não se deve nunca fazer e dizer ao cliente! Vou postar hoje mesmo essa história toda nas redes feudais. Seu negócio será reduzido à produção de ferraduras pra jumento, e olhe lá.

- Bom, pelo menos de fome eu sei que não vou morrer. Jumento é o que não falta nesse feudo...




© Direitos Reservados


Comentários

  1. Redes feudais?? Você é genial, Marcelo! Estava com saudade de te visitar aos sábados!! Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, quanta genialidade para atualizar um assunto tão antigo. "Redes feudais" foi o máximo!

    ResponderExcluir
  3. É... Quando entra jumento na história a coisa complica.

    ResponderExcluir
  4. Jumento e ferraduras, na atual conjuntura, será uma boa "rede" para muitas CPIs... Haja espaço na "Rede Mundial"... Quanto à castidade (?) ... Qual a "Rede" que a representa?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. José Carlos Carneiro7:56 AM

    Genial, caro Marcelo. Como sempre, sua criação e invencionice saindo pelo ladrão. Mais um tento na sua faina em mostrar a que veio, como escritor de méritos. Isto me faz pensar que seus neurônios vivem em permanente estado de graça.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Antonio Carlos Antoniazi4:05 PM

    Então, Marcelo Pirajá Sguassábia. Se tal fato houvesse ocorrido aqui no Brasil, e após o advento da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, mereceria ele, o fato, a sua aplicação. O Código de Defesa do Consumidor é uma lei abrangente que trata das relações de consumo em todas as esferas: civil, definindo as responsabilidades e os mecanismos para a reparação de danos causados; administrativa, definindo os mecanismos para o poder público atuar nas relações de consumo; e penal, estabelecendo novos tipos de crimes e as punições para os mesmos.

    ResponderExcluir
  7. Sonia Maria Grisi4:06 PM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  8. André Albuquerque4:07 PM

    Hilária do princípio ao fim.Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno4:10 PM

    KKKKKKK

    Apesar de n/ ter confiança alguma na "fulana", apreciei sua mensagem,
    que eu sei, é só fruto da sua fértil imaginação! Parabéns, como sempre!
    Um bom domingo......
    Abraços
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi4:11 PM

    Meu caro amigo, nos tempos de hoje esse instrumento de segurança, seria um prato cheio para os hackers de plantão.
    Mudando de assunto e com grande respeito e admiração familiar, pergunto de Maria Sguassabia a heroina da Revolução Constitucionalista de 32 também conhecida como "Maria Espingarda" é parente ?
    Sabia que tinha algo em comum com o amigo....meu pai nasceu em São José do Rio Pardo.
    Um grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. Sandra Aggio4:12 PM

    Otimoo !!!
    Grata
    Abs

    ResponderExcluir
  12. hahahah muito bom, muito bom como sempre meu amigo. Uma geringonça dessas nenhuma mulher merecia nem antigamente e nem nunca! Abraços Marcelo. ♥

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso11:35 AM

    É o que se pode chamar de degringolamento da fala civilizada, com desproveito para os dois lados.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…