Pular para o conteúdo principal

CORCOVADO DE NOTRE DAME



Ser corcunda não é fácil. Até a palavra soa pejorativa. Muita gente não sabe, mas corcunda é o mesmo que corcovado. E foi assim, consultando um dicionário para saber um pouco mais de mim mesmo - um corcovado de nascença, que me veio a ideia para ganhar a vida. Ou melhor, que me permitiu sobreviver, mal e porcamente, graças ao famoso cartão postal carioca, onde batia ponto das 8 da manhã às 10 da noite. Incluindo sábados, domingos e, principalmente, feriados. 

Os turistas tiravam fotos minhas de perfil, em posição análoga à do Corcovado, e depois pagavam pelo monóculo. Parecia algo sádico, com requintes de humor negro, e a intenção talvez fosse essa mesmo. Era uma humilhação assumida e consentida, por ser meu ganha-pão. Quantos bocós eu vi e ouvi exclamando, cheios de incabível orgulho, após tirar minha foto junto ao meu gêmeo de pedra:  " Ha, ha, ha, ha, ha, ha! Deixa o pessoal lá do escritório ver isso!"; ou então: "A Maria das Graças não vai acreditar... ha, ha, ha, ha, ha, vai se matar de rir com essa!".

Somos os dois parecidos, e ao mesmo tempo opostos. O Corcovado lindo por natureza, e eu horrível por um descuido dela. Lamentações à parte, assim se passaram alguns anos de temporada no célebre morro. Até que uma crise econômica brava se abateu literalmente em minhas costas, e ninguém mais queria torrar seu contado dinheirinho com retratos de corcunda. Havia possibilidades esteticamente mais interessantes para gastá-lo, ainda mais em se tratando da Cidade Maravilhosa.

Estava eu nesse estado de pré-miséria quando o Totonho das Mercês, colega de turma de Crisma e morador do Realengo, veio com a redentora solução: ir para Paris e encarnar o famoso Corcunda de Notre Dame na porta da Catedral de mesmo nome. Pesquisando, descobri que Notre Dame é a segunda atração mais visitada da capital francesa, só perdendo para a Torre Eiffel. Em número de turistas/dia, deixava o Corcovado no chinelo. 

Assim resolvido, comprei minha passagem de ida e segui a caracterização do personagem, conforme o livro de Victor Hugo. Depois montei uma tabela de preços e a afixei, obviamente, sobre o meu defeitinho congênito. O faturamento tem dado para o gasto, não posso me queixar do apartamento de 3 quartos no melhor ponto de Saint German, do Citroen 0km e da casa de praia em Cannes. Seguem abaixo meus honorários, sem desconto para grupos.

Foto do corcunda sério: 1 euro.
Foto do corcunda sorrindo: 1 euro e meio.
Foto junto com o corcunda sério: 3 euros.
Foto junto com o corcunda sorrindo: 4 euros.
Foto ou vídeo de criança na carcova do corcunda: 7 euros.
Foto ou vídeo de criança maiorzinha ou de marmanjo anão na carcova do corcunda: 8 euros.
Voltinha em torno da Catedral montado no corcunda: 14 euros.
Subida ao campanário de Notre Dame, em visita guiada pelo corcunda: 20 euros.
Corcunda Strip Tease, toda quinta às 23h no Moulin Rouge: 35 euros por pessoa (adesões com pagamento antecipado na barraquinha de crepe ao lado da igreja).
Algo mais com o corcunda, em moita discreta no Bois de Bologne: 110 euros.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Valei-me meu padim Padre Ciço! Este corcunda é petista!

    ResponderExcluir
  2. he he... ta foda! Corcovado..carcova... corcunda.Só falta estar entre as Sete Maravilhas do Mundo... beijos mil

    ResponderExcluir
  3. Caracas, Marcelo! Escreva aí sobre um monumento ou algum lugar histórico parecido com joanetes que eu preciso apresentar os meus ao mundo. Quem sabe eu também consiga uma grana com esses ossinhos desgraçados que me atormentam à noite, principalmente agora, nessa época de frio...

    ResponderExcluir
  4. Ui... grande ideia... será que dá para criarmos "aplicativos" semelhantes por aqui? Excelente meio para "aposentados" já bem "carcomidos"pelas "corcundas da vida! Din-din pelo menos para pagar os remedinhos...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Requintes cruéis, ainda que a intenção talvez fosse essa mesma, baixa o astral, Marcelo. Abs.

    ResponderExcluir
  6. André Albuquerque12:49 AM

    Se a vida lhe deu uma corcunda,faça uma fábrica de limonada,rsrs.Muito bom, Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. Sandra Romanin12:50 AM

    Marcelo, fiquei na dúvida ... quem é mais criativo, vc ou o Corcunda ???? Muito engraçado !!!!!! Ótimo sábado p/ vcs ... Bjoo

    ResponderExcluir
  8. Rogério Pedro12:51 AM

    Muito bom

    ResponderExcluir
  9. Não tá fácil pra ninguém....

    ResponderExcluir
  10. Tanita Campos12:52 AM

    Muito bom, leitura fácil, interessante ... Grata, Marcelo

    ResponderExcluir
  11. Antonio Carlos Antoniazi12:54 AM

    Conheci, Marcelo Pirajá Sguassábia, isso há cerca de 25 anos, um corcunda como esse da foto, mas era um negro que, de segunda a sexta-feira, sentado num dos degraus daquela pequena escada na porta de entrada da Igreja de Santo Antonio, na Praça do Patriarca, em São Paulo, com as mãos estendidas, pedia "uma ajuda pecuniária" a todos os que entravam ou saiam da igreja. Aos sábados e domingos ele folgava. Passava esses dois dias numa pizzaria no Largo Padre Péricles (pouco antes do elevado Costa e Silva, o Minhocão), bebendo cerveja e, evidentemente, saboreando pizza. Detalhe: alí estava sempre bem trajado; na porta da Igreja sempre sem camisa, exibindo aquele defeito físico.

    ResponderExcluir
  12. Vivi Tami12:55 AM

    Rss Muito bom! Bjks

    ResponderExcluir
  13. Mary Maia12:56 AM

    Muito criativo, sem dúvidas! Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi12:58 AM

    Boa tarde e desculpe a demora(meu lap top pifou...).
    Faltou uma viagem no bondinho do Pão de Açucar para assistir um assalto a mão armada ao vivo.
    Um grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. Claudete Amaral Bueno1:00 AM

    Nem assim eu queria ser corcunda....... Corcunda sofre!!!!!!!!!

    Bom FDS

    Claudete

    ResponderExcluir
  16. Denise Lace1:03 AM

    Olá Marcelo, tudo bem?

    Quanto tempo não é? Acompanho os teus textos por aqui e, como sempre, admiro seu talento!

    Meu pai escreve e neste final de semana eu criei no facebook o grupo, Mestre da minha Vida. A ideia é divulgar os seus trabalhos escritos, telas e desenhos e, também, toda forma de expressão artística que surgirem e se encaixarem na proposta descrita. Estou escrevendo para lhe fazer um convite para visitar a página. Caso não se importe, gostaria de postar alguns de seus textos. A ideia é criar um ambiente saudável, harmonioso e cult, que possa parecer um sarau virtual, possibilitando o encontro de muitos talentos.

    Aguardo sua autorização para postar os teus trabalhos.

    Grande beijo.

    Denise Lace

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso11:10 AM

    Três na lista: o belo, o feio e o corcunda. O grotesco também tem seu grau de charme e atração.

    ResponderExcluir
  18. O corcunda é feio por Fora e lindo de conteúdo...Acho qu basta pra começo de assunto...
    Beijo Marcelo,sucesso pra ti.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…