Pular para o conteúdo principal

DIA DO ENTEADO



Nunca foram tão maus os bocados vividos pelo comércio. Cada porta ainda aberta se vira como pode para não ter que passar o ponto. Ou virar igreja. Com sorte ou persistência se arranja um fundinho de ânimo para prosseguir respirando com a ajuda de aparelhos. 

Vai daí que, de novo, a necessidade vem se revelando a mãe da criatividade. Por meio de pesquisas, descobriu-se um fato surpreendente e até o momento não explorado no calendário promocional: há mais enteados no mundo do que qualquer outra coisa - incluindo aí pai, mãe, avós, irmão, namorado, sogra, cunhado e quem mais se queira elencar como homenageado. 

A razão é simples. De uma obviedade que dá até raiva, e que nos faz perguntar como é que nenhuma associação comercial de não sei de onde nunca pensou nisso antes. Considerando que mais ou menos 90% dos casamentos de hoje acabam em divórcio, divórcio esse que não raro resulta em outro - ou outros - casamentos, é lógico que o número de enteados tende a ser enorme e a crescer absurdamente. Imagine, por exemplo, uma sequência de cinco casamentos. E que, nas primeiras núpcias, o casal teve um filho. Esse menino só vai ter evidentemente um pai e uma mãe, mas vai ser enteado de quatro madrastas e quatro padrastos, se seus pais se casarem outras quatro vezes. Fez a conta de onde pode parar a brincadeira? Existindo o Dia do Enteado, os quatro pais e as quatro mães postiças não vão ter cara de não dar presente para o pimpolho. Isso se for um só, porque a tendência é ir aumentando a renca conforme os casórios se sucedem. 

Um amigo comerciante já tem até o mote publicitário para uma primeira campanha: "ENTEado também é ENTE querido". Desse jeito mesmo, o "ENTE" em maiúsculas para frisar o trocadilho. O tema é quase uma chantagem emocional, uma espécie de desagravo ao enteado nacional - esse injustiçado pela sociedade de consumo. 

Já um outro conhecido meu, também do setor comercial, argumenta que, instituído o dia comemorativo, este será apenas mais uma data no combalido calendário de efemérides. E que sendo tantos os enteados, o interessante mesmo seria dividir os presenteados ao longo dos meses, para que o aumento das vendas contemplasse o ano todo. Dessa forma, teríamos o "Dia do Enteado nascido em janeiro", o "Dia do Enteado nascido em fevereiro" e assim por diante. Bem pensado. Resta saber se vai pegar ou não.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Sendo do comércio, aplaudo a sugestão "Dia do Enteado nascido em janeiro", fevereiro, março..
    A maré só esta para peixes graúdos. Ou estava; a 'Lava a jato' está acabando com a brincadeira de pique, que maldade!

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, você não existe! Espero que essa moda não pegue... risos... beijo!!

    ResponderExcluir
  3. Belíssima ideia, assim construo o soneto.
    SONETO PARA O ENTEADO

    Enteado com certeza é gente
    Que, embora carregado,
    Para o seio de outro lar
    Também um dia foi gerado

    Fez parte em uníssono
    Do primeiro e frágil lar
    E se pula de caso em casa
    Sem saber onde parar

    É perfeita esta ideia
    De reservar-lhe um dia
    Pra lembrar-lhe que devia
    Em cada casa arrumada
    Pelo pai com nova amada
    A reconstruir a alegria




    ResponderExcluir
  4. Leda Valéria Suppa Basile12:00 PM

    Marcelo Pirajá Sguassábia, preciso dizer que achei sua crônica o máximo? Deus proteja esse talento todo.

    ResponderExcluir
  5. Registre a ideia, mande-a ao Senado; que vire a lei " marcELO - " para que nenhum ser gerado fique sem ser homenageado. Leve junto o soneto do Fernando Dezena para que o texto fique comovente e, comovidos sancionem tal lei.

    ResponderExcluir
  6. Realmente, "o enteado" é um "rejeitado"... Olha-se no próprio e tem-se lembranças nada agradáveis...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. André Albuquerque4:15 PM

    O dia do enteado é uma invenção genial, porque´pode ser qualquer dia do ano...até que a inflação ateie fogo nele.Ótimo texto,Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  8. Clotilde Fascioni4:17 PM

    Maravilha. Adorei a idéia, vai ser ótimo para o comércio. Abraços Marcelo, muito bom o post de hoje também.

    ResponderExcluir
  9. Antonio Carlos Antoniazi4:18 PM

    Li, ou ouvi de alguém, há muitos anos, caro amigo Marcelo Pirajá Sguassábia, que Walt Disney, que sempre desconfiou que não era um filho legítimo, mas adotado, criou aqueles personagens "sem pai". Os tres sobrinhos do Pato Donald, e as tres sobrinhas da Margarida. Tudo numa crítica à sociedade norte-maericana de sua época.

    ResponderExcluir
  10. Luciana Sleiman4:19 PM

    Dia do padrasto e da madastra, na mesma linha, também seria a favor. Tomam tantos dos coices que nós pais tomamos e não gozam de legitimidade social alguma, coitados, nem data tem...

    ResponderExcluir
  11. Marco Antonio Rossi4:25 PM

    Caro amigo Marcelo

    mes e dia não é nada, o dificil será a arvore genealógica deles.....
    Um grande abraço e ótimo final de semana,
    Rossi

    ResponderExcluir
  12. Nicete Campos4:26 PM

    Que maquina de fazer dinheiro, hem? Os capitalistas vão adorar a ideia.
    Melhor nem espalhar...rs
    Abraços e parabéns pelo texto.
    Nicete Campos/Anita Cimirro
    http://www.opusdissonus.com.br/anitacimirro/
    Jornalista, escritora e educomunicadora

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral Bueno4:28 PM

    Muito bem bolado, Marcelo! Torçamos para que emplaque!
    Parabéns pelo Dia dos Pais!
    Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  14. Mara Narciso2:28 AM

    Do meu ponto de vista não dará muito certo, pois até os filhos são relegados ao último plano, quando o casamento se rompe, ainda mais os enteados. Mas para fazer graça, foi ótimo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…