Pular para o conteúdo principal

VIDENTES TEMEM PELO SEU FUTURO




Quem poderia prever que um dia os videntes, cartomantes, quiromantes e assemelhados comeriam o pão que o diabo amassou? Pois são muitas as evidências do calvário que o pessoal de túnica e turbante vem enfrentando.


Uma bolha de ar, na verdade um defeito de fabricação da bola de cristal, fez uma vidente de Macapá anunciar que uma bomba atômica iria explodir no campo de futebol do Esporte Clube Galo Torto. A distorcida previsão levou pânico desnecessário a milhares de torcedores, que perderam seus ingressos para uma das semifinais do campeonato amapaense, cuja disputa foi interrompida pelo imbróglio.


Esse é apenas um dentre os muitos chabus proféticos ocorridos pela falta de qualidade nos apetrechos mágicos. Um bruxo que não quis se identificar, recém-empossado em cargo de confiança na Pré-Vidência Federal, sustenta que a situação permanecerá indefinida no curto prazo e que só o estabelecimento de normas ISO para os fornecedores poderá resolver de vez a questão. O problema ganha contornos alarmantes, na medida em que afeta diretamente o futuro das pessoas. 


Outros recentes episódios vêm unindo a classe esotérica, que discute alternativas de resgate da arranhada credibilidade. Uma das estratégias levantadas passa pela veiculação de uma campanha publicitária de âmbito nacional, com o lançamento do selo "Vidente Aferido". 


Coroando esse cenário de imprevisíveis consequências, a epidemia de tétano nos faquires do sudeste, pauta de Globo Repórter do mês passado, também inspira discussões acaloradas no meio. Com o desestímulo do governo à industria nacional de pregos antitetânicos, os faquires estão sendo obrigados a adquirir congêneres no mercado cambojano - famoso pelas cabeças desproporcionais, pelos pontos de ferrugem em toda extensão dos produtos e pela tortuosidade de formatos. 


Aproveitando a repercussão e os holofotes da mídia, leitores de tarô e jogadores de búzios unificam seus sindicatos para ganharem poder de barganha em antigas reivindicações da categoria. 


Porém, nem todas as notícias são desanimadoras. Na contramão da crise, um inexplicável aumento de demanda vem sendo observado nas tendas de ciganas piauienses, cujos baralhos preveem um segundo semestre como nenhum outro em seu mercado.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Na atual conjuntura, logo teremos o "Ministério da Pré-Vidência" com seus assessores e demais mordomias!
    "A cigana leu o meu destino / Eu sonhei / Bola de cristal, jogo de búzios, cartomante / Eu sempre perguntei / O que será o amanhã / Como vai ser o meu destino..." Trilha musical nos palacianos do momento...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. hahahaha... eu descobri que, definitivamente, não tenho o dom da profecia. Imaginei que hoje, no dia do aniversário do blog, estaria sem a tese para concluir. Me livraria dela, assim, como num passe de mágica. #sqn. Ou seja, um chabu. ):. Beijo, querido! Muito bom. Só você para me fazer sorrir, tendo um dia de sábado de sol em frente ao computador. Mais um.

    ResponderExcluir
  3. Mesmo? Vidências? Lula vai preso ou não?

    ResponderExcluir
  4. as urnas eletrônicas também pre-evidenciaram resultados escabrosos. Veremos o que nos reserva o saco do Papai Noel.

    ResponderExcluir
  5. Ah, Marcelo, você é o melhor remédio porque rir também é. Tenho medo de um dia cair em depressão caso não receba mais seus textos. Eu sei que sou chata e repito a toda hora que adoro ler você. Mas não é melhor tet uma leitora /fã no "repeat" do que uma que não fala nada nunca? Beijos, querido escritor.

    ResponderExcluir
  6. Beth - Entrementes4:50 PM

    A crise está rondando até os deuses....hehe!!!

    ResponderExcluir
  7. Com tantas evidências?
    Não precisa dar trabalho aos videntes de plantão...sabemos de tudo que pode acontecer?
    Mas a culpa são das evidências do nosso País desonesto que vive enrolando o povo com sua credulidade e falta de preparo.
    Iludir?
    Chega a ser tragico/cômico.
    Um abraço amigo e continuaremos sonhando com país melhor...Viva a esperança!

    ResponderExcluir
  8. Antonio Carlos Antoniazi12:07 AM

    É, caro amigo Marcelo Pirajá Sguassábia´. Já não fazem "OMAR CARDOSO" como no passado.

    ResponderExcluir
  9. Maria Helena Dix Carneiro12:07 AM

    Como sempre, bom texto, além de bem humorado!

    ResponderExcluir
  10. Tanita Campos Treadwell12:08 AM

    Então, a crise também atingiu o setor dos videntes e afins ... Isso sem contar que a crise moral já estava enraizada nessa classe faz tempo! De falsos profetas o mundo está cheio, todos querendo ganhar dinheiro sem trabalhar ...
    Bom fim de semana, Marcelo!

    ResponderExcluir
  11. Clotilde Fascioni12:09 AM

    hahahah como eles não previram essa trágica fase de negócios ocasionada por produtos de qualidade duvidosa? Bom final de semana meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia que sempre nos escreve deliciosas cronicas...

    ResponderExcluir
  12. Vivi Tami12:10 AM

    Só elogios pelo bom humor! Me diverti. Bom finds!!!

    ResponderExcluir
  13. Rosa dos Rios Rugai12:11 AM

    Kkkk nunca mais tinha ouvido falar em faquir!

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi12:15 AM

    Grande Marcelo
    bela lembrança do PIAUI. Povo sofrido, terra árida e enchentes do Parnaíba.
    Trabalhei por lá 6 meses, calor infernal, haja ar condicionado.
    Espero de coração que as ciganas das tendas acertem o caminho desse povo.
    Tenho um carinho especial pela cidade de Teresina.
    Grande abraço e um otimo final de semana.
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. Claudete Amaral Bueno12:16 AM

    Se eles temem....é porque sabem que seu futuro n/ é promissor!!!!
    Ou....não são videntes!
    KKKKKKKKKKK

    Um abração! Bom fim-de-semana!
    Claudete

    ResponderExcluir
  16. Mara Narciso1:54 AM

    O ano de 2015 está terrível para todo mundo. Prever que ainda poderá piorar, não é difícil. Gostei das "imprevisíveis consequências". Assim, como prever o futuro? Boa, Marcelo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…