Pular para o conteúdo principal

A HORA E A VEZ DO SAL GROSSO

Imagem: shopgrillchurrasqueiras.com.br


"Enquanto eles choram, eu vendo lenços", disse uma vez o ilustre Nizan Guanaes, com sua obstinada verve empreendedora e seu otimismo desmedido. E no meio dessa choradeira toda de milhões de brasileiros, que culpam a crise, o governo, o patrão filho da mãe e sei lá mais o quê pela catástrofe em que estamos metidos, o lenço que eu vendo é o desacreditado sal grosso. Isso mesmo: sal grosso, aquele de botar atrás da porta para espantar visita ruim. 

Não fosse eu o cabeça-dura que sempre fui, acho que nem teria começado com essa história. Quanta gente tentou, de todo jeito, me alertar de que o negócio não iria pra frente. Principalmente a família e os amigos mais próximos. "Imagina, sal grosso? Ainda se fosse batata, milho, açúcar, café ou outra commodity mercadologicamente mais nobre e de consumo obrigatório..."

Pois fui em frente e não me arrependi. Joguei um pouquinho do meu produto nas costas (até quem vende sal grosso precisa de proteção), me benzi com o sinal da cruz e coloquei meu destino nas mãos de Jorge, o santo guerreiro, e seu alazão lunático. Para me sentir mais garantido, assegurei com mamãe uma provisão diária de cinco rosários pedindo a intercessão da Virgem para o bom andamento da empreitada.

Quanto mais eu pesquisava sobre o meu ganha-pão, mais eu ia vendo que lidava com algo mágico. Mágico e de efeito científico comprovado. O sal, especialmente o sal grosso, é capaz de neutralizar campos eletromagnéticos negativos. Entrando pelas searas do misticismo e da religião, os poderes e as aplicações se multiplicam num sem número de mandingas, simpatias e rituais que limpam corpo e alma, recarregam as energias e afastam inveja e mau-olhado. Resumindo: tinha na mão um coringa, aplicável perfeitamente a todo tipo de circunstância, sorte ingrata ou descaminho a que o indivíduo fosse levado, por seus próprios erros ou maus fluídos dos outros.

Tempos e ambientes de desesperança, desemprego, lamentação e angústia são, para esse humilde filho de Deus, a terra prometida. Encontrado nas boas casas do norte, mercadinhos de bairro e até em lojas de ração e formicida, o sal grosso "Redentor" (marca registrada) extermina qualquer quebrante e coisa feita. E para manter bem forte o poder de ação, está lá na embalagem que é preciso trocá-lo de dois em dois dias, já que os cristais se neutralizam em pouco tempo porque puxam a negatividade do sujeito. Ou, como eu digo sempre, o sal fica cansado. Se não ficar repondo frequentemente, não tenho como garantir o efeito esperado. Temeroso, meu cliente deixa faltar o arroz e o feijão mas tem a despensa sempre muito bem abastecida com quatro ou cinco sacos do "Redentor". 

Se ganho na crise, saio ganhando mais ainda na prosperidade. Em qualquer cidade desse país, o primeiro e infalível sinal de que a recessão econômica está dando uma trégua é o aumento da venda  de picanha maturada nos açougues. O brasileiro nasceu para queimar uma carne no fim de semana. E não preciso nem falar qual é o único tempero que se usa para fazer um churrasco que se preze, como manda a tradição gaúcha, certo?


Direitos reservados

Comentários

  1. Aceita uma "franquia?" Sigo os conselhos de Max Gehringer... "Já que quando você opta por franquias, você tem o apoio do franqueador."
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo sal grosso! Agora está na prateleira mais charmosa. Tem sal grosso com ervas, sal rosa, sal defumado... risos... das viagens que fiz, encontrei um em Barcelona aromatizado com alho... delícia!!! Parabéns, de novo. E um banho de sal grosso vai nos trazer boa energia para essa fase difícil.. risos...

    ResponderExcluir
  3. Tô nem aí, não como picanha mesmo. chupo a carne e engulo o sal, daí o efeito protetor é mais rápido, a simpatia cai direto no sangue. Mas... por via das dúvidas, melhor encomendar alguns sacos rapidamente, vou despejá-los por todos os cantos onde eu estiver, sem contar que vou levar um quilo na bolsa, numa investida do assaltante, é rodar a bolsa e acertar as fuças do meliante. Pensa o quê, um quilo de sal na cara pode não matar, mas que joga o sujeito no chão, isso eu garanto. O sal tem mesmo muitas utilidades.

    ResponderExcluir
  4. Nunca nós precisamos tanto de sal grosso! Espalhar por Brasília vai dar um trabalho do cão, mas é preciso.

    ResponderExcluir
  5. Uma das ujtiloidades,viu Rita, é reter água, aumentar a volemia e levar aos poblemaas cardiovasculares. Mas há que se morrer de alguma coisa, cacete. Então que seja mergulado numa boa picanha ou ponta-de-peito com a gordura estalando. Viva o sal, grosso ou fino, com muita carne e cerveja aqui no menino

    ResponderExcluir
  6. O negócio "tá tão bão" que eu ia oferecer minha assessoria mas não vai precisar. Já mandei o marido trazer 720 quilos para armazenamento, rsrsrsrsrs... Mas quem nunca, hein, tomou um banhozinho de sal grosso ? Vai que...

    ResponderExcluir
  7. Inté parece qui u cumpadi caçoa i casaca di nóis. U oto cumpadi foi pra Bras Ilha i nem sei si leu da formicida - pra saúva num tem meió remédio. Aqui no Raso da Catharina, nu point di nomi Quixeragambá já tem churrasco di jabá com sal grosso Redentor. Maió sucesso Marcelo!. Propaganda há di ser sempre a arma du negócio. .

    ResponderExcluir
  8. Claudete Amaral Bueno1:34 PM

    Sabe que a sua foi uma ótima ideia mesmo???????????

    Que continue dando certo....porque os churrascos n/ irão acabar....apesar da crise!

    Uma boa semana p/ vc!

    Claudete

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi1:36 PM

    SARAVÁ!!!
    meu amigo, que OGUM nos oriente na batalha da vida e nos dê discernimento para passarmos por mais essa dificuldade brasileira.
    Abraço e ótimo final de semana.
    Rossi

    ResponderExcluir
  10. André Albuquerque1:38 PM

    Diria o Coutinho, ex-tecnico da selecinha ,ops,seleção: sal grosso, o polivalente.Excelente,Marcelo Pirajá Sguassábia,um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Jorge Cortás Sader Filho1:39 PM

    Nem me fale em sal grosso. Já tomei um tiro disso. Arde demais!

    ResponderExcluir
  12. Antonio Carlos Antoniazi1:40 PM

    Li, caro Marcelo Pirajá Sguassábia, atentamente, todo o texto. Mas reporto-me à primeira linha do primeiro parágrafo: “Enquanto eles choram eu vendo lenço", creditada ao Nizan Guanaes. Já havia ouvido, e anotado, a seguinte assertiva, muito parecida, mas de autor por mim desconhecido: "Em tempo de crise, enquanto uns choram outros vendem lenços.".

    ResponderExcluir
  13. Marcelo Sguassábia1:41 PM

    Então, Antonio Carlos De Souza Antoniazi, imaginava que a frase fosse do Nizan. Essa frase, inclusive, dá título a um livro editado recentemente sobre a trajetória de sucesso desse genial baiano.

    ResponderExcluir
  14. Antonio Carlos Antoniazi1:44 PM

    Não estou afirmando, Marcelo Pirajá Sguassábia, que a frase não é dele. Estou, caro amigo, esclarecendo que vi essa que cito, e é muito parecida, em um contexto que, com certeza, nada tinha a ver com o Nizan. Sabe-se lá quem é o plagiador, ou, ainda, se não é o caso de uma coincidência de idéias. Sei lá. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. Pois no momento opto pelo banho de sal grosso mesmo. Vai lá q funciona. Amei sugestões. Bjs

    ResponderExcluir
  16. Mara Narciso1:33 AM

    Na saúde ou na doença, sal grosso é a valência.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…