Pular para o conteúdo principal

DEVORADORES DE ORELHA



Somos os devoradores de orelha, e viemos livrá-lo do mais avassalador infortúnio do mundo pós-moderno: a falta de tempo. No caso, falta de tempo para ficar up-to-date com o universo literário daqui e d'além mar. Nem que seja aquele leve e basiquinho verniz cultural.

Os lançamentos editoriais são tantos que, ainda que fosse feita a leitura só das orelhas, o tempo dispendido seria enorme. Como conhecimento é o ouro do século 21, surgiu dessa necessidade a ideia do nosso negócio.

Nossos leitores de orelha, hoje totalizando 314 profissionais intensivamente treinados, alternam-se em turnos estafantes de 12 ou mais horas e têm de recorrer a técnicas de leitura dinâmica para darem conta de suas cotas diárias de resumos. Lidas, cada orelha gera uma mini-sinopse que é enviada ao cliente via eletrônica, com o básico que ele precisa saber para não passar vexame numa conversa. Claro que o assinante do serviço determina as áreas de interesse sobre as quais necessita manter-se atualizado.

Suponha uma saia justa numa festa, onde perguntam a você o que achou de determinado livro. Basta simular que o celular está chamando, você se afasta um pouco, consulta o resumo de orelha correspondente e volta dominando o assunto. Em linhas bem gerais, mas o suficiente para não chutar a bola para fora do estádio. 

O serviço é eclético nos gêneros e inclui também os resumos de orelha daquelas obras fundamentais, que dão estofo à cultura geral do indivíduo. Grandes clássicos, como "Em busca do tempo perdido", "A montanha mágica", "Dom Quixote" e "Crime e Castigo" estão disponíveis para pronta entrega. Não só na forma de e-resumos, mas de falso livro também. Em volumes novíssimos, de capa dura, ou artificialmente manuseados por processo industrial de envelhecimento. O recheio é em isopor, proporcionando leveza e facilidade na remoção quando for a hora de tirar o pó da estante. 

Oferecemos também uma sensacional novidade, vinda há poucas semanas da Europa: o isopor com capa refil. O cliente adquire a princípio apenas os isopores e vai trocando periodicamente as capas com novidades e best-sellers da indústria editorial, simulando uma pretensa atualização com o que de melhor vem chegando às livrarias. É sua decisiva oportunidade de postar no Instagram e em outras redes sociais fotos suas em frente à biblioteca-cenário, legando à sua extensa rede de amigos a imagem de um erudito com sólida formação literária e artística. 

Como em todo negócio inédito e de sucesso, não demorou muito para que começasse a surgir concorrência desleal. Alertamos a todos que o referido concorrente, o qual por razões éticas não iremos citar o nome, deixou recentemente um ex-Presidente da República em situação diplomática vexatória numa cerimônia de entrega de título de Doutor Honoris Causa. Assinante do serviço, o popular ex-ocupante do Alvorada precisou recorrer à mini-sinopse de uma obra de Santo Agostinho e deparou-se com a orelha de "50 tons de cinza". Uma falha imperdoável, que atribuímos à incompetência dos leitores de orelha desse relapso colega de mercado.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Sou devedora de livros... não me daria bem com "isopor"... Quem se deu mal, hoje vira boneco ambulante inflado nas passeatas de quem está de saco cheio de ouvir baboseiras e promessas mentirosas... Nossas orelhas físicas foram transformadas em penicos!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. A estante com livros de isopor eu conheci. Trabalhava na TV Bandeirantes em São Paulo e um dia, andando por lá,dei de cara com o cenário de um programa de entrevistas que ia ao ao aos domingos, depois da meia-noite (já segunda-feira, né?). Fiquei mais impressionado ainda porque as lombadas não tinham nada escrito, eram só rabiscos que, de longe - em tinta dourada sobre o vermelho das "capas" - pareciam pomposos títulos de obras imprescindíveis.

    ResponderExcluir
  3. Bom, no facebook temos muitos devoradores!! Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  4. Onde eu consigo "A Divina Comédia" em isopor digital? Não estou encontrando.

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkk
    Não sei se dou risada do texto, ou dos comentários aqui postados. Logo, não dá para ler somente a orelha do blog do Marcelo, Temos que ler o miolo também. Vai inventar um blog de isopor virtual, Marcelo?

    ResponderExcluir
  6. Nanô Avancini2:00 PM

    Tive a honra e o prazer de trabalhar com esse cara de ouvido atento e olhar discreto. Saudade de vc, Marcelo Pirajá Sguassábia. beijo da Baeeeeea!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni2:01 PM

    hahaha, maravilha de texto. Também gosto das orelhas quando visito livrarias, a maioria é "saborosa". Bom domingo Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  8. Mary Maia2:02 PM

    Rsss... Que fantástico! Bom domingo. Abraço.

    ResponderExcluir
  9. André Albuquerque2:04 PM

    Alguns resenhistas merecem o troféu Van Gogh pelo que escrevem.Excelente crônica,Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  10. Maria Helena Dix Carneiro2:05 PM

    Muito bom, excelente! Suas idéias,para elaboração de um texto, são ímpares!

    ResponderExcluir
  11. Lauro Augusto Bittencourt Borges2:06 PM

    Meu amigo, preciso do serviço para ter na manga algumas obras "fundamentais" que tentei, mas não as digeri na íntegra. Engraçada crônica e uma sacada que pode rolar nestes tempos em que a superficialidade impera. Abraços setesetêmbricos, pra plagiar sua linha de neologismos.

    ResponderExcluir
  12. Marco Antonio Rossi2:08 PM

    Carissimo amigo Marcelo
    uma ótima semana e cuidado com as orelhadas do governo, devoradores de impostos...
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  13. Claudete1:13 AM

    kkkkkkkkkkkkkk

    Deu uma bem no fígado do Lula, hein??????
    Ótimo texto! Uma boa-noite! Abraços!
    Claudete

    ResponderExcluir
  14. Mara Narciso12:49 AM

    Preciso ler orelhas urgentemente. Sei pouco demais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…