Pular para o conteúdo principal

NASCIDO PARA TESTAR

Imagem: ribermedica.com.br



Não vou negar para vocês: eles pagam bem. Mas nem sempre foi assim. Quando começou essa história de testadores de produtos, a gente simplesmente recebia em casa uma amostra grátis do bagulho, experimentava e dava o parecer. Ficava uma coisa pela outra, o lançamento grátis em troca da avaliação. Depois fomos nos organizando, criamos nossa associação de classe e passamos a cobrar pelo serviço. Só que aí, além de guloseimas, absorventes higiênicos e lâminas de barbear, começaram a mandar coisas como banheirinhas para bebês gêmeos, rojões sem cheiro de pólvora, degoladores de galinha, aparadores de cílios, limpadores de nariz e outras esquisitices.


CAVIAR RUSSO NÃO VEM. O QUE VEM SÃO MULETAS DE FABRICANTES DE ARTIGOS ORTOPÉDICOS.
A primeira ilusão de quem entra para esse mundo nada maravilhoso é pensar que não vai ter que gastar mais nada no supermercado, tamanha a variedade de produtos que irá receber para degustação. Entretanto, as novidades realmente gostosas chegam para teste em quantidades mínimas. Outro dia mesmo recebi o maravilhoso chocolate Bis com sabor de cerejas ao licor, fechadinho em uma sovina embalagem individual. Ou seja, você recebe o Bis, mas sem chance de bisá-lo.

A parte mais chata é o relatório da sua experiência com a coisa. Não adianta querer tapear o fabricante para não ter muito trabalho, dizendo que tudo é ótimo. Eles vão perceber a falta de critério e o braço curto na avaliação. Na recente experiência que tive com um par de muletas, por exemplo, me pediram, além do relatório escrito, o envio de fotos dos dois sovacos após dez e após trinta minutos de uso intensivo, a uma velocidade média de 2 km por hora e alternando o pé de apoio. Em seguida tive que testar um outro protótipo ainda em desenvolvimento inicial, com um sofisticado sistema de amortecedores dispostos entre a muleta propriamente dita e as axilas.

CHOCOLATE COM 90% DE CACAU NÃO VEM. O QUE VEM É ARROZ DOCE PARBOLIZADO PARA MICROONDAS.
Nem em um campo de concentração teriam a coragem de servir uma gosma tão sem graça. Depois de entornar a geleca numa tigela, despeja-se o pozinho com sabor artificial de canela e açúcar, que vem dentro de um sachê parecido com aqueles de tempero de miojo. Liga-se o microondas na potência máxima e depois de três minutos está pronta a iguaria. A foto da embalagem, com aquela cara irresistível de sobremesa de vó, contrasta fortemente com a triste realidade de comida de astronauta com validade vencida. 

SPORT UTILITY 4X4 NÃO VEM. O QUE VEM É VASSOURA COM CERDAS DE TUNGSTÊNIO.
A promessa da vassoura era varrer com eficácia jamais vista, obviamente pela dureza do tungstênio. No test-drive o produto mostrou-se realmente notável, tanto na eliminação da sujeira quanto na eliminação do próprio piso - a vassoura literalmente lixava o meu porcelanato. O justo no caso seria me enviarem alguns metros de piso cerâmico para testar junto com a vassoura, a fim de que o meu prejuízo fosse menor. Fica a dica para a próxima vez.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Como sempre muito criativo e com muita imaginação

    ResponderExcluir
  2. Esta vassoura tem péssimos antecedentes. Jânio tentou usar, com maus resultados.

    ResponderExcluir
  3. Potência máxima em utilidades, hein Marcelo!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. hahahaha... Marcelo, você está a cada sábado melhor! Vou te mandar a minha tese para avaliar, ao invés de uma crônica da viagem mais linda que fiz... risos

    ResponderExcluir
  5. Nossa, é assim mesmo! Fiz "degustações" durante certo tempo numa rede de supermercados e às vezes o questionário era de doer...

    ResponderExcluir
  6. Lembrei de um podcast que ouvi há uns anos atrás, sobre os 'top reviewers" da amazon.com, como eles recebiam produtos esquisitos em quantidade (ração de cachorro,sem ter o cachorro, por exemplo -imagina o review que o top reviewer colocou, sobre consistência e facilidade de lavagem do prato/tigela). Bem isso mesmo que você tão bem imaginou,Marcelo, mais um sistema de pontuação em estrelinhas (estreliinhas!) para fazer parte de um clube seleto dos reviewers mais votados, cujos benefícios não são especificados com detalhes no site.

    ResponderExcluir
  7. Eu nasci para testar...por desaforo, nao testo.
    ...e prontocabô!

    ResponderExcluir
  8. Adorei. Me imaginei testando várias coisas, objetos e aparelhos, muito bom como sempre. Boa semana Marcelo, tudo de bom para você...♥

    ResponderExcluir
  9. he he.. excelente querido..
    beijo
    rosa

    www.rosapena.com

    ResponderExcluir
  10. Anônimo6:51 AM

    Amigo Marcelo, estou de volta depois de um período SUPER turbulento em minha vida. Muita coisa mudou, mas nunca mudará a minha opinião sobre suas crônicas.
    Agora, por exemplo, estava lendo o NASCIDO PARA TESTAR e imaginando você revirando seu "BAÚ" à procura das ideias.
    Parabéns Marcelão!

    ResponderExcluir
  11. Anônimo6:54 AM

    Marcelo, o último comentário foi o meu. Esqueci de dizer meu nome Sou o Antônio Fonseca de volta depois da SUPER turbulência.

    ResponderExcluir
  12. Hehehe, esta está de cabo de esquadra.
    Há, os provadores incansáveis!
    Sucesso!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Leda Valéria Suppa Basile12:55 AM

    Haja o que houver, Marcelo Pirajá Sguassábia, você nos salva a semana Emoticon heart

    ResponderExcluir
  14. Tanita Campos Treadwell12:55 AM

    Realmente, o testador precisa ser mais seletivo ... Um bom vinho, uma bela cesta de frutas da estação, queijos de todos os tipos, chocolates finos ... Isso, sim, vale a pena!

    ResponderExcluir
  15. Antonio Carlos Antoniazi12:57 AM

    Conforme comentei em outra página, caro Marcelo Pirajá Sguassábia, "ainda bem que não foi uma vassoura para um breve sobrevôo na região da média-mogiana, caro Marcelo Pirajá Sguassábia. Grande abraço.". Outro grande abraço nesta oportunidade.

    ResponderExcluir
  16. André Albuquerque12:58 AM

    Gostei da vassoura com cerdas de tungstênio,rsrsrs.Muito bom.Um abraço

    ResponderExcluir
  17. Antonio Carlos Antoniazi12:58 AM

    Ainda bem que não foi uma vassoura para um breve sobrevôo na região da média-mogiana, caro Marcelo Pirajá Sguassábia. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. Claudete Amaral Bueno12:59 AM

    Ainda bem que eu "caí fora" dessa....a tempo! É mais ou menos por aí!......
    Bom FDS
    Abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  19. Marco Antonio Rossi1:01 AM

    Amigo Marcelo, tudo em ordem?
    grande abraço e otima semana.
    O difícil desses testes são as revistinhas a um precinho....,brindes indesejáveis e emails que nunca acabam.
    Rossi

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso1:36 AM

    Mais dura do que cerda de tungstênio é a vida dos provadores ou experimentadores, como queiram. As que são garantidas mesmo são as boas risadas. E olhem que meu senso de humor não é nada aguçado. Parabéns, Marcelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…