Pular para o conteúdo principal

XADREZ PARA O REI, HOSPÍCIO PARA A RAINHA



Imagem: http://www.pdpics.com


Teleguiada, a rainha não pensa. O sapiens que a concebeu e a colocou onde está não foi sapiens o bastante. Tem poderes de rainha e age como boba da corte. Por seu raciocínio notavelmente desarticulado, seus asseclas deveriam  orientá-la a calar-se, abdicar ao trono ou acatar um tutor.

 Alguns, mais próximos, até tentam sugerir-lhe uma postura, ainda que falsa, de humildade. Mas a déspota ignora conselhos, recusa-se ao diálogo, rebela-se, escuda-se em arrogância e movimenta-se doentiamente pelo tabuleiro, em jogadas desconexas e proibidas pelas regras, legitimando-as à custa de patacas distribuídas aos ocupantes das duas torres. A torre da direita e a torre da esquerda. Assim a rainha empurra, com a recém-diminuta barriga, a interdição que lhe caberia em qualquer reino do mundo, menos no teatro de comédias onde a partida tem lugar.

Como em toda peleja oficial, nessa também há juízes. Alguns incorruptos e outros de juízo comprado, nomeados pelo rei para livrá-lo do mate. Em sua imparcialidade de fachada, fazem que não veem os cavalos andando em círculos, os bispos sorrateiramente abduzidos do exército adversário, as rasteiras que aleijam toda a trincheira de peões. Seguem aplacando sua consciência intranquila e sua justiça injustificável alegando outras tantas e presumíveis fraudes do antigo dono do tabuleiro. Saem batendo seus martelos viciados no argumento de que, se nas partidas anteriores se roubava impunemente, é justo que agora também se faça vista grossa. Questão de equanimidade.

Tudo isso entre uma e outra colherada de caviar, superfaturado como o rechaud em que é servido. O rei, momentaneamente acuado e clamando ajuda de exércitos fronteiriços, promete lances triunfais e redentores, um revide messiânico que trará aos desvalidos a terra prometida. Mas até os peões já entenderam que o discurso é um emaranhado de tolices, potencializadas pelo efeito da bebida. E o que o rei de araque, muito em breve, há de prender-se em seu próprio jogo.



© Direitos Reservados


Comentários

  1. Os suseranos da corte já pensam em aconselhar a rainha a abdicar do trono. O antigo rei ainda não se convenceu que nuca foi nada e breve, talvez, estará morando num enorme condomínio muito bem vigiado.
    Dizem...

    ResponderExcluir
  2. Divina Comédia!
    Há enorme prazer em ler o seu "Xadrez para o rei, hospício para a rainha"... ainda que "a rainha empurra, com a recém-diminuta barriga"... após as benditas pedaladas... creio que nenhum manicômio brasileiro receberá tão honrosa paciente, que anda muito impaciente com os súditos que se rebelaram todos em busca da verdade! Um tédio ouvi-la... e, ao rei deposto, esse então, não percebe que perdeu a majestade, e ainda pensa em "xeque mate" - dar um final de honra à partida! Será?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Uma Ópera bufa num texto fantástico pelo tabuleiro de xadrez ,só que nada nobre e nem um pouco ético.Muito bom Marcelo.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Boa essa analogia, mas eu penso que a culpa não é da rainha, nem das estrelas, nem de nenhum partido político. A crise é resultante da lógica neoliberal, que avassala reis, rainhas, súditos, mortos em beiras de praia, também em filas de hospitais e entre moradores de rua. Bom domingo.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Marcelo. São entediantes as estratégias de Capablanca, equivalentes aos trabalhos virtuais, pelas quais ele alcançava a vitória conservando e ampliando pequenas vantagens táticas progressivas, aqui e ali, ajudado pelos erros do adversário. Alekhine, optava pela eficácia, vis a vis a eficiência, e impunha derrotas fragorosas pela maestria de suas combinações, às vezes sacrificando peças maiores. Ganhava porque ganhava no seu xadrez relâmpago, e não porque o adversário fosse se debilitando. como acontecia nas longas partidas do Capablanca. Enfim, dois jogadores e dois estilos. O Sun Tzu é quem recomenda evitar-se a o cerco e o sítio prolongados pelo esmorecimento dos ânimos, pelo custo e pelos ônus que as guerras representam para o Império. .

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi1:55 AM

    BOM DIA E ÓTIMA SEMANA, meu amigo.
    Acho que deveria dr um bom TRUCO nêles.
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  8. Clotilde Fascioni1:58 AM

    Muito bom como sempre. Bom domingo Marcelo Pirajá

    ResponderExcluir
  9. Rosa Rios Rugai1:59 AM

    Marcelo, parabéns! Perfeito!

    ResponderExcluir
  10. Martha Tavares Pezzini2:00 AM

    Jà li! Ótimo!

    ResponderExcluir
  11. Godofredo Carbinatto2:03 AM

    "alguns incorruptos e outros de juizo comprado"

    ResponderExcluir
  12. Antonio Carlos Antoniazi2:03 AM

    Sou um néscio no que diz respeito ao jogo de xadrez, caro amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Vejo, todavia, uma excelente narrativa de uma partida. "Jogo" com lances, na narrativa, que me fazem lembrar as "Profecias de Nostradamus".

    ResponderExcluir
  13. Tanita Campos Treadwell2:04 AM

    Muito bom esse artigo em que o final do jogo seja a rendição do Rei bebado e da pretensa Rainha

    ResponderExcluir
  14. André Albuquerque2:05 AM

    Essa foi de rachar o rechaud,rsrs.Parabéns Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  15. Maria Helena Dix Carneiro2:05 AM

    Como sempre, bom texto!

    ResponderExcluir
  16. Paulo Marsiglio2:06 AM

    Masterpiece!!!

    ResponderExcluir
  17. Rita Lavoyer2:07 AM

    que texto mais primoroso, Marcelo Pirajá Sguassábia. Digno de aplausos pela sua sapientíssima jogada sobre o tabuleiro de xadrez cujo jogo entendo bulhufas, mas deu perfeitamente para entender o jogo no qual somos, segundo a corte, os bobos.

    ResponderExcluir
  18. Rainha Guerrilheira!!!!!! Emoticon grumpy

    ResponderExcluir
  19. Claudete Amaral Bueno2:08 AM

    Só uma perguntinha indiscreta: vc estava pensando em alguém, quando escreveu????? kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  20. Fernando Dezena2:09 AM

    tuas tendencias políticas, momentâneas, comprometem tua capacidade de ver as coisas! Vc é maior!

    ResponderExcluir
  21. Clotilde Fascioni2:10 AM

    Perfeita narrativa. No momento o povo foi colocado em cheque: como sair dessa jogada? Maravilhoso texto meu amigo Marcelo. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  22. Mas isso aqui está muito bom, bom ao extremo mesmo. Torço para que o final se dê como na última frase.

    ResponderExcluir
  23. Claudete10:24 AM

    Nossa!!!! Mais claro que isso....nem o sol do meio-dia!

    Só que eu acho que, apesar de tudo, eles ganharão o jogo, que será comemorado com uma bela pizza!

    Aqui é BRASIL!!!!!!!!!!!

    Abraços!

    Claudete

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…