Pular para o conteúdo principal

AMORECOS




I
- Me dá um trago, vai.
- Ué, não é você que ontem mesmo disse que ia parar de fumar?
- Hum, olha quem fala. Você parou, por acaso?
- Mas também não prometi nada. Eu prometo coisas que posso cumprir. Esse céu lindo, por exemplo, esse veludo azul com respingos de prata...
- Nossa, baixou o Olavo Bilac?
- Então, esse céu aí que nem em Shangri-lá se vê assim. Eu sequestraria agora e decalcaria nos seus seios, se você mandasse eu estaria disposto.
- Então traz.
- Eu disse que estaria disposto. Futuro do pretérito. Agora não estou.
- Ah.

II
- Só eu mesmo, uma tonta, tão pouco voluntariosa, sem amor-próprio nem coisa melhor pra fazer em casa, tão minimamente exigente, pra vir torcer por você num inter-clubes de peteca às 4 da tarde de sábado.
- O amor é lindo, honey.
- É lindo e bobo, besta, mentecapto, retardado, autista, acéfalo. Tenha dó, até fazer xixi é mais emocionante que isso.
- E depois daqui? E sua quedinha por esportistas ofegantes? E esse meu fogo todo, aquecido pelo jogo? Que me diz?
- Sei, sei. Quero ver se essa peteca você vai deixar cair...
- Isso é uma ameaça?
- Não. Uma esperança.

III
- Ai, como eu detesto quando você faz isso.
- O quê? Mexer a bebida com o dedo? Très chic, tolinha. Isso é absolutamente in, se é que você me entende. Vai se instruir nos manuais de etiqueta da Glorinha Kalil pra depois implicar comigo.
- Deselegante, convencido, animal bruto. Devia ter deixado você lá, correndo atrás de peteca com seus amigos gordos.
- É. Pena que você não resistiu ao papai aqui.
(plof)
- Mas o que é isso? Hein, o que é isso? Nunca imaginei que alguém teria coragem de me jogar um absorvente usado na cara!!!
- E eu jamais sonhei em ter que me contentar com o 16º colocado num inter-clubes de peteca. Prefiro ir pra cama com a própria peteca.
- Fique à vontade. Tá dentro do guarda-roupa.
- Sim. Como os amantes esperando a saída dos maridos cornos.

IV
- Pensa que é fácil, no melhor da história aquele cheiro de cebola na sua mão?
- E pensa que é gostoso meia dura de chulé, pasta sem tampa, jornal jogado?
- Prometo que mudo.
- Ah, tá. Do mesmo jeito que prometeu decalcar o céu nos meus seios. Duvido que mude...
- Você não entendeu. Quando eu falo em mudar, é mudar daqui.

V
- Olha o tempo que você tá aí lixando essa unha. Se vocês mulheres soubessem da tara dos homens por unha lixada...
- Você pode não reparar, mas há quem dê valor. Ô se há.
- Em unha lixada?
- Em unha lixada.
- Quem por exemplo?
- Use seu poder de dedução.
- Reticente e misteriosa. Não deixa no ar, não. Começou, agora conclui. Quem?
- Preocupadinho, bem?
- Tsc, tsc. Aliviado. Pra reparar na unha, não deve ser lá muito homem...
- Nem jogador de peteca.
- Ah, vai pr’aquele lugar, vai!
- Já estou nele. Faz tempo.



© Direitos Reservados


Comentários

  1. Que relacionamento, hein? Assim não há "peteca" que aguente...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Pensei em dar um cachorro pra esse casal, dos grandes e que soltam muito pelo. Quem sabe um canil inteiro. Como a história da casa muito pequena para a família numerosa, onde o guru recomenda ao filho queixoso que coloque uma vaca dentro, após um mês manda retirá-la, e tudo fica perfeito aos olhos do menino. Sabedoria oriental neles! :)

    ResponderExcluir
  3. Mas afinal, vai parar de fumar ou não? Gente mais enrolada...

    ResponderExcluir
  4. E vamos discutir relação.... Kkkkk

    ResponderExcluir
  5. absorvente usado pela cara...pera aí, a gata é dos diabos mesmo.
    Onde vc arruma tanta confusão?

    ResponderExcluir
  6. Casal fofo esse, é só peteca que voa. Abraços Marcelo e boa semana.

    ResponderExcluir
  7. André Albuquerque4:48 PM

    Essa é de Vênus, mesmo,rsrsrs.Excelente texto, Marcelo Pirajá Sguassábia.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  8. Claudete Amaral Bueno4:49 PM

    Diálogo interessante!!!!!!!!! Um amoreco mesmo!

    Boa semana! Um abraço!

    Claudete

    ResponderExcluir
  9. Nicete Campos4:51 PM

    Muito bom, Marcelo!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi4:52 PM

    Boa tarde e otimo final de semana, amigo Marcelo.
    o próximo pode ser um pebolim one os lances são mais perigosos?
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. Que casal futuro porta de cadeia, cara. Ainda bem que não nasceu um filho ainda, senão estaria no texto... Oh, narrador, separe logo o casal antes que a criança venha ao mundo. Que maldade...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…