Pular para o conteúdo principal

EU SEI QUE VOU AMAR-TE



É verdade. Vinícius e Tom escorregaram na norma culta, mas o nosso pacote de turismo interplanetário se encarregará de consertar o erro de português. Ou a licença poética, como queiram. Durante toda a viagem, a bordo de estofadíssima espaçonave, os pombinhos recém-casados terão como ininterrupto fundo musical "Eu sei que vou amar-te", regravação da belíssima porém gramaticalmente equivocada "Eu sei que vou te amar".

A terráquea e miseravelmente comum lua de mel se transformará em inesquecível lua de Marte, podendo os nubentes optarem por uma esticadinha até uma das duas luas do planeta vizinho, Phobos e Deimos. Tanto em uma quanto na outra, encontrarão uma serenidade ainda maior do que em solo marciano, tão visado pela mídia dos humanos nos últimos tempos. Além do que não há sondas da NASA vasculhando as luas de lá, o que é uma garantia da mais de plena privacidade.

Vermelho é a cor da paixão, e o planeta escarlate não poderia ser melhor cenário para momentos de fogo e volúpia, capazes de avermelharem de vergonha todo o sistema solar e quiçá as galáxias das redondezas. Dunas e montes ainda virgens do contato humano acolherão os corpos dos casais e ouvirão suas juras de amor eterno. Após saciada a carne, um revigorante banho com a água salgada recentemente descoberta. A mesma água encontrada nas paradisíacas praias do Pacífico estará aguardando os dois (quem sabe três, a essa altura dos acontecimentos).

Ao abrirem a janela da suite nupcial e darem com a linda visão da terra, bem distante, onde ela sempre deveria estar, e sentindo a indescritivel delícia de ser humano longe de quaisquer outros exemplares da espécie, vai ser difícil querer voltar. Já prevendo essa possibilidade, levaremos um provimento extra de oxigênio, água potável e comida para pelo menos 16 dias a mais em solo marciano. Lembrando mais uma vez que o nosso pacote, no trajeto de retorno, inclui uma deslumbrante escala de três horas e meia nos anéis de Saturno.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marco Antonio Rossi10:42 PM

    Ah o AMOR......
    palavra e sentimento que hoje mais falta faz ao mundo.
    Que venha o AMOR como sentimento mais profundo dos povos do mundo e a Terra se transformará!
    Um grande abraço e ótimo final de semana.
    Rossi

    ResponderExcluir
  2. Na atual conjuntura... não sei se "Moro" na "Lu...a" ou se enterro meu bico por aqui mesmo... terráquea até... E assim, eu sei que deixo de amar-te... ou de ir aonde mesmo? Bingo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Marte? Não vou não, obrigado. Aquele buraco é quente pra caramba, não tem ar refrigerado. Tom e Vinícius, naturalmente estavam de fogo quando escreveram esta segunda versão, que eu não conhecia.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno9:05 AM

    Programão, hein????? Estou pensando em me casar novamente....
    mas n/ tinha idéia de um lugar joia p/ passar a lua-de-mel.
    Vc acabou de me dar o que eu precisava! Obrigada!
    Uma boa semana!
    Claudete

    ResponderExcluir
  5. Antonio Carlos Antoniazi11:55 AM

    Um Mar te de mel, caro Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
  6. Leda Valéria Suppa Basile11:55 AM

    Quero reservas pra mim e pro maridão, e saber (como amo anéis grandes) se posso adquirir alguns em Saturno com a pedra da lua enfeitando. Quais os números das nossas senhoas, querido Marcelo??

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni11:56 AM

    Adorei a Lua-de-Marte. Gostaria muito de ir a Saturno, deve ser lindo apreciar os anéis coloridos no horizonte o tempo inteiro. Bom domingo e feriado Marcelo. Abçs

    ResponderExcluir
  8. Rita Lavoyer11:57 AM

    Delírio nupcial puro até chegarem as cobranças das contas vencidas. aí sim, desejarão sumir para qualquer planeta em que os telecobradores não os acharão. Aproveitem a lua-de-mel antes que vire algodão doce, que põe na boca e some.

    ResponderExcluir
  9. Gislene Grazioli11:59 AM

    Pois eu vou casar de novo kkk! Um abraço, Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Marcio Ketner Sguassabia11:59 AM

    Muito bom tio

    ResponderExcluir
  11. André Albuquerque12:00 PM

    Parabéns,Marcelo Pirajá Sguassábia.Essa crônica marciana faria até o Ray Bradbury chorar de rir,se vivo ainda fosse.

    ResponderExcluir
  12. David Ferretti12:02 PM

    Putz! E eu achei que andava meio lunático.... De qualquer forma, para assegurar algum direito, andei fazendo alguns investimentos em Marte. E já estou pensando em abrir um spa para nubentes, algo bem simples mas confortável, com oxigenação especial e direito a jacuzzi com bolhas vermelhas para combinar com o ambiente externo. Vista panorâmica para a Pavonis Mons, com quase 47 mil pés de altitude e visão privilegiada de Phobos. No momento estou a procura de sócios para o empreendimento.

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso11:14 PM

    Marte me parece bom, porém, Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus. Como resolver esse imbróglio?

    ResponderExcluir
  14. Beleza meu amigo Marcelo. Como sempre de caneta afinadissima em todos assuntos, muito bom gosto, humor e sabedoria. Parabens! FELIZ, PROSPERO E CHEIO DE SUCESSO 2016!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…