Pular para o conteúdo principal

TELEMARKETING PARA TELEBLOQUEIO DE TELEMARKETING




(Imagem: www.operadordetelemarketing.com)

- Boa noite. O Sr. Antonio, por gentileza.

- É telemarketing, né? Olha, não estou precisando de nada não.

- Nos impressiona o fato de o senhor ter conseguido nos identificar. Tomamos todo o cuidado para não falar no gerúndio...

- Com gerúndio ou sem gerúndio, essa jeito de fala decorada e esse timbre de locutor de aeroporto não me enganam.

- Por obséquio, senhor, só um instante da sua atenção. Tomamos a liberdade de contatá-lo para livrá-lo em definitivo desse inconveniente. Sabemos o quanto as centrais de vendas por telefone andam importunando sua vida, e...

- Se sabem, então porque também praticam esse tipo de sadismo?

- Podemos garantir, senhor, que esta será a última chamada de telemarketing que o senhor atenderá. Isso, claro, se o senhor optar pela adesão aos nossos serviços. Nossos computadores interceptam as tentativas de contato e não deixam o telefone do cliente tocar, para não atrapalhar o seu sono ou o que quer que esteja fazendo.

- Mas já não tem uma lei que protege o cidadão contra esse tipo de abuso, minha filha?

-  Correto, senhor. Existe o bloqueio ao telemarketing do Procon de São Paulo, mas tem que preencher um formulário, aguardar 30 dias e o solicitante corre  o risco de empresas descumprirem a solicitação e insistirem em continuar ligando para o seu número. Com o nosso serviço, isso é impossível. Ele funciona por mecanismo de interceptação, uma tecnologia inédita desenvolvida pelos nossos programadores. Seu telefone não chega a tocar.

- Isso seria a glória.

- De maneira geral, os serviços mais inteligentes conseguem ludibriar os identificadores de chamada, fazendo rodízios dos números. Para se livrar do incômodo o senhor precisaria saber os números utilizados em rodízio por cada uma das centrais de telemarketing, o que seria impraticável. Algumas centrais adotam um expediente bastante engenhoso. No lugar de um número de telefone, aparece no visor de quem atende apenas um "01". Tudo para dificultar a identificação. Um outro estratagema muito comum é ligar e, assim que a pessoa atende, simplesmente desligar. É que só pelo fato da ligação ter se completado, o sistema já entende como efetuada na hora de apurar  o cumprimento de cota do operador.

- Brasil - sil - sil, né, minha filha? É o telejeitinho brasileiro.

- Estamos com uma promoção especial apenas para esta semana, e disponibilizamos ao senhor um mês de cortesia do serviço. Na eventualidade de receber qualquer ligação de telemarketing no período, nós depositaremos em sua conta o valor equivalente a uma mensalidade, a título de ressarcimento por falha de serviço. Poderia me fornecer agora os dados do seu cartão para habilitar imediatamente o telebloqueio, por gentileza? Lembrando que o primeiro mês é test-drive.

- Mas quem falou que eu vou querer experimentar isso? E se for ver, falha de serviço você já cometeu, filhota. Você  disse "lembrando", isso é gerúndio. Gerúndio não vale, confere?

- Aceite minhas desculpas, senhor, é que vim há poucos meses de outra empresa da área. Mas estou em tratamento fonoaudiológico para me livrar da dependência. O senhor há de compreender, o próprio termo "telemarketing" é um gerúndio em inglês, o gerúndio é algo que está no DNA do operador. Mas, voltando ao nosso assunto...

- Aí, olha o gerúndio aí de novo! Infringiu o regulamento duas vezes. Sinto muito, terei que desligar. Se insistir, poderei estar ligando para o seu chefe.



© Direitos Reservados


Comentários

  1. Eu vou estar lendo seus textos, todos os sábados... risos... a escrita da minha tese está acabando... não vejo a hora de retirar o gerúndio e gritar: ACABOU!!! Desculpa o desabafo.. risos.. beijo, Marcelo!

    ResponderExcluir
  2. Bendito os telemarketings que tiram a paciência de qualquer cristão ou anticristão mesmo!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Vão pensar que estou fazendo troça. Não é. Tenho um amigo de infância que adora receber chamadas de telemarketing. Canta todas as operadoras...

    ResponderExcluir
  4. Até que não estou recebendo os tgais telefonemas me oferecendo enquantoi estou escutando os seus produtos e a medikda que o meu saco vai enchendoi eu vou desligando com um tchau dizendo

    ResponderExcluir
  5. Voticontá, viu!"? Já mandei tomar suco de caju porque perdi a paciência com a teimosia do cabra. Deus nos livre dessa espécie, são piores que sarna.

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi9:58 AM

    Bom dia meu amigo, ótima semana.
    Quanto ao telemarketing, acho que esta na hora de realmente nos defendermos desse processo.
    Tem que existir alguma lei que não permita a invasão de nossa linha telefônica para ouvirmos essa praga.
    Abraços
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno9:59 AM

    Isso chateia DEMAIS!!!!!!!

    Eu n/ fico dando corda! Já desligo e pronto! Eu n/ perco meu tempo, nem o deles!

    Boa semana!

    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Sãozinha Andrade10:00 AM

    muito bom!

    ResponderExcluir
  9. Maria Helena Dix Carneiro10:01 AM

    Complementando: suas idéias para os textos são extraordinárias além de ter o dom da manipulação das palavras, do saber fazer o bom uso delas! Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Mary Gallan Maya10:02 AM

    Muito bom, Marcelo! Parabéns pelo texto e tema tão atual (que não acaba nunca, não é?) "Vou estar lhe recomendando'' para a Academia Brasileira de Letras". Abração!

    ResponderExcluir
  11. Lauro Augusto Bittencourt Borges10:04 AM

    Muito bom, amigo. "Vou estar divulgando". Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  12. Vivi Tami10:05 AM

    Vou estar "compartilhando" ok?

    ResponderExcluir
  13. Maria Helena Dix Carneiro10:06 AM

    Ótimo! Vou compartilhar, pois telemarketing é sempre do interesse de todos

    ResponderExcluir
  14. Antonio Carlos Antoniazi10:07 AM

    Estava lendo, caro amigo Marcelo Pirajá Sguassábia, e o telefone toca. Vou atender. Mas, de qualquer forma, vou estar lendo mais tarde. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. Clotilde Fascioni10:08 AM

    Adorando como sempre. Abraços e bom domingo, meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
  16. Leda Valéria Supa Basille10:09 AM

    Fantástico, super criativo e sempre inteligente. Marcelo Pirajá Sguassábia, você dá um banho em muito cronista e escritor renomados...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…