Pular para o conteúdo principal

PELO SIM, PELO NÃO



- Quais são seus pecados, meu filho?

- Ecumenismo descontrolado, padre. Estou aqui para confessá-lo e obter sua absolvição. Qual é a minha penitência?

- Mas o ecumenismo em si não é um pecado. Em tempos de intolerância religiosa, é até uma virtude. O próprio Papa participa de rituais ecumênicos.

- Tem mesa branca no Centro daqui a quinze minutos, padre, pelo amor dos santos todos! Vê se adianta o expediente, quantos Pai Nosso e quantas Ave Maria?

- Calma, desse jeito a sua pressa acaba contando como pecado também... Vejo que você está aflito e ansioso. Me explica melhor essa sua compulsão ecumênica.

- Há controvérsias, mas pelo sim, pelo não, vamos assumir que Deus está em toda parte e que são muitos os caminhos que levam a Ele. Quero me garantir e percorrer pelo menos os principais, entende? Vai que Deus ao invés de Deus seja Alá, ou que ao invés de Alá seja Oxalá, entende? Como é que eu posso ter certeza de qual Deus que tá valendo?

- Essa sua fé indefinida não o levará a lugar nenhum.

- Veja bem, o inferno ou o umbral não estão exatamente nos meus planos. E também não me interessa reencarnar como tratador de ornitorrinco em zoológico da Tasmânia nem como refém do Estado Islâmico. Quero fazer a lição de casa direitinho agora pra ficar tranquilo e com a minha vaga assegurada na glória celeste.

- Benza Deus, que neura...

- Mas aí começam os conflitos, padre. Por exemplo, em casa eu tenho um oratoriozinho colonial com a imagem de Nossa Senhora da Conceição. Praticando essa devoção eu mato dois coelhos - sei que matar é pecado, mas é só força de expressão: ganho ponto positivo no Catolicismo e na Umbanda, pois Nossa Senhora da Conceição e Iemanjá são a mesma pessoa. Só que os protestantes e os evangélicos não aceitam imagem de santo. E se a gente analisar só o Protestantismo, vai ver que ele se segmenta em diversas vertentes, cada uma delas com características próprias. Aí fica difícil. E o bicho pega também no caso do Hinduísmo, que por ser politeísta conflita com o Deus único dos cristãos. Como se não bastasse temos ainda o Budismo, postulando que Deus é na verdade tudo, e não um ser definido e específico. Não é mole não, padreco. Eu tento de todo jeito ficar com um pé em cada canoa, mas as canoas se multiplicam mais do que casais de bichos na arca de Noé. Bom, em resumo: esse mundo está por pouco e eu quero mais é me safar.

- Você defende o ecumenismo não para fortalecer a fraternidade entre os homens, mas para salvar sua pele. Você o instrumentaliza e o torna manipulador. O Todo Poderoso sabe exatamente de suas intenções ao vê-lo em cima do muro. 

- Falando assim o padre me faz lembrar do muro das lamentações. Estive lá no ano passado e é bom que volte outras vezes, por precaução. Indo apenas uma vez, posso dar a entender que fui só pra cumprir tabela. A fé exige entrega, perseverança e sacrifício, ainda que o dólar tenha rompido a barreira dos quatro reais e o meu programa de milhagem esteja zerado há muito tempo. Quantos Pai Nosso e quantas Ave Maria, padre? Quer um Salve Rainha também?


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Creio em Deus Pai... Que diversidade hein?
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …