Pular para o conteúdo principal

MATRÍCULAS ABERTAS!



"Às escondidas, MEC quer aprovar mudança na base nacional curricular".
Fonte: jovempan.uol.com.br - 04/01/2016



Extraoficialmente, circulam informações desencontradas sobre a natureza e a profundidade de tais mudanças. Entretanto, alguns já afirmam como certa a incorporação dos conteúdos que seguem:

. A influência de Andrés Bellos e Eduardo Blanco no desenvolvimento da moderna literatura venezuelana.

. A Grande Rebelião de Túpac Amaru (nascido José Gabriel Condorcanqui Noguera) e sua relação com o aumento do descontentamento dos ameríndios no governo colonial do Vice-Reino do Peru. 

. 1809 e o marco boliviano: Pedro Domingo Murillo lidera a revolta dos criollos.

. A bandeira e o brasão cubanos e os diferentes significados que assumem nas mais de 1.500 ilhas do arquipélago castrista.

. Aspectos étnicos e demográficos de Havana / A piña colada e o mojito como fundamentos de uma nova fase econômica, a partir da reabertura de fronteiras para os norte-americanos / Ensinando as crianças a diferenciar um Montecristo de um Cohiba à primeira baforada / Análise morfológica das letras do repertório de César Portillo de la Luz.

. "La gran farsa capitalista - versión para los niños de Sudamérica", tradução de frei Bartolo Entrañas Rojas.

. Ernesto Guevara, o "Che": antepassados, concepção, parto, infância, adolescência, convicções ideológicas, luta armada, emboscada, morte, idolatria, camiseta.

. Educação artística fundamentada em nova abordagem didática, a rubropedagogia. Esta prevê, para as três primeiras séries do Ensino Fundamental, o uso em sala de aula de lápis nas cores vemelho sangue, vermelho revolução, vermelho terra invadida, vermelho víscera de ianque, vermelho comunismo, vermelho estrela.

. "Deus não existe, e isso é divino", a educação religiosa à luz da antirreligião.

. O ateu praticante - definições e aplicabilidade no contexto educacional contemporâneo.

Com a incorporação obrigatória desses novos conteúdos à grade curricular de todas as escolas do país, consideram-se extintas disciplinas pouco relevantes e atreladas a um passado já anacrônico em relação à nova realidade socialista, tais como História Geral e do Brasil, Geografia e Português. 


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Bem... estudar a História Geral e a do Brasil, hoje, requer muita pluralidade de conexões... E, depois do "internetês" qual a razão do estudo de Português? Concorda? Essas "matrículas abertas" já nascem abortadas!
    Carpe diem...

    ResponderExcluir
  2. Muito bem, que a sopa da merenda não venha com muito caldo vermelho, mas que, pelo menos, o macarrão seja de letrinhas para que a educação, se não matar, pelo menos engorde.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…