Pular para o conteúdo principal

SANTA CÂNDIDA NOS AJUDE



A Fazenda e Olaria Santa Cândida, cuja sede foi recentemente tombada pelo patrimônio histórico, protagonizou uma verdadeira saga empreendedora. Sua argila moldou os primeiros e mais bem acabados santos do Brasil colônia, ornando os altares de milhares de igrejas. 

A manufatura santeira, porém, minguou com o fim do ciclo do ouro. A chamada "bateção de tijolo" passou a ser sua principal atividade produtiva dos idos do império até o início dos anos 50, quando a construção civil se modernizou e o famoso tijolão colonial foi sendo aos poucos substituídos por produtos com maior uniformidade dimensional. Abalada pela concorrência, a fazenda diversificou sua linha cerâmica para telhas romanas, portuguesas e francesas, ganhando mercado no Norte do Espírito Santo. 

Embora não combine muito com a tradição secular da Santa Cândida e sua olaria, a onda mística e as múltiplas vertentes da medicina alternativa salvaram a propriedade da bancarrota nos primeiros anos do novo milênio. De 2002 a 2007, quase 90% da argila extraída era vendida a spas e clínicas de estética, para utilizações terapêuticas de discutível eficácia. A coisa perdurou até o dia em que um certo centro holístico no Mato Grosso do Sul adotou a ingestão do barro em seu rol de procedimentos, provocando verminose coletiva e alçando a ocorrência ao primeiro bloco do Jornal Nacional.

Igualmente mal sucedida foi a tentativa de lançar no mercado educacional a chamada massa de modelar orgânica. Embalada a vácuo, durante certo tempo a argila mantinha sua consistência original. Mas bastavam 10 minutos de manuseio para que as crianças tivessem em mãos toretes de cerâmica seca, causando choro e justificável ira mirim. A fabricante ainda tentou acalmar os ânimos dos pais e professores, publicando anúncios onde sugeriam que, se umedecida com água de dez em dez minutos, a massinha poderia manter sua característica maleável. Os compradores, porém, argumentavam que teriam de passar a vida molhando o barro seis vezes por hora, e que assim não poderiam mais trabalhar ou dormir.

Novos e promissores tempos chegaram para a Santa Cândida com a bendita crise hídrica. Digo bendita porque, quando tudo parecia ruir, a redenção veio na forma de filtros de barro, tão procurados quanto as cisternas e caixas d'água. Não vencia produzir para o sudeste, e a lei da oferta e da procura fez os preços dispararem. Tanta bonança financeira levou a família a apostar o que não tinha na quintuplicação da capacidade produtiva, assumindo um financiamento homérico em banco privado. Mas a chuva voltou forte e inundou a olaria de intimações judiciais, cobranças e oficiais de justiça, o que acabou por levar a leilão quase 40 dos mais de 500 alqueires de terra. Ou de argila, melhor dizendo. 

Saldadas as dívidas, a Santa Cândida retorna agora aos seus fundamentos - ou ao core business, para abusar do marquetês moderno. Após trezentos e tantos anos, reassume a atividade santeira com ânimo renovado e modernas técnicas de produção. Diante da desesperadora situação econômica do país, as encomendas vêm crescendo a um ritmo de 25% ao mês, forçando a olaria a operar em três turnos, incluindo aí sábados e domingos. São Judas Tadeu e Santa Edwiges lideram folgadamente o ranking das imagens mais vendidas.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Diante dessa situação... sigo o conselho de um praticante: - reze e faça promessas para santo desconhecido, pois ele sempre estará mais desocupado e poderá atender suas invocações! Então, Santa Cândida, é a da vez!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, manda o santinho da Santa Cândida. Mas... ainda que nãõ conheça dela a oração, agora pelo ibope vai começar a ser suplicada e pode não haver tempo suficiente a socorrer-nos todos os aflitos , vou começar a rascunhar uma oração em homenagem à Santa Qboa, vai que também é boa e nos acolhe no desespero.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…