Pular para o conteúdo principal

ELEFANTE DA SORTE



- Senhor Alcindo, comecemos do começo. Consta dos autos que o senhor iniciou sua vida profissional como coletador de excrementos de elefantes. Confere?

- Isso mesmo, autoridade. Ganhava quase nada e trabalhava feito um condenado. Até que uma elefanta deu cria e eu fiquei com o filhote. Quando o filhote cresceu...

- Em que lugar o senhor criava esse filhote?

- Numa chácara de um amigo do meu pai.

- Pode nos dizer o nome dele?

- Usando o direito que a lei me garante, permanecerei calado. Desculpe, autoridade, o nome do dono eu não lembro mesmo... Mas, continuando. Quando o filhote cresceu, eu tive a ideia de ir pra rua com ele e levar as pessoas para dar voltas de elefante. Foi um sucesso extraordinário! Dez reais por cabeça, chegava a levar oito em cada voltinha de dois minutos.

- Deixa ver, fazendo aqui um cálculo aproximado, e chegamos à conclusão de que, mesmo se o senhor levasse a população inteira do país para dar voltinhas de elefante durante 3 séculos, ainda assim não conseguiria acumular nem 1% da fortuna que possui.

- Eu posso explicar, autoridade. Os passeios no lombo do elefante foram o começo de tudo. Enquanto ganhava dinheiro com isso, comecei a pesquisar os dejetos do bicho em nível laboratorial, e desenvolvi a formulação do superesterco. Uma invenção minha, capaz de aumentar a produtividade agrícola em 250%.

- Não diga? Que peculiar.

- Depois que a fórmula do superesterco estava pronta, fui procurado por uma grande empresa multinacional... Como é que era o nome mesmo? Algo parecido com Meu Santo, Seu Santo, sei lá, qualquer coisa assim.

- Prossiga, Sr. Alcindo.

- Então. Um grupo de executivos da matriz dessa corporação começou a me assediar, oferecendo um basculante de dólares para que eu vendesse pra tal da Monte Santo a patente do gigaesterco. 

- O senhor mencionou há pouco que era super, e não giga.

- Tanto faz, autoridade, aquela merda não tinha nome ainda. E não tem até hoje, porque o fertilizante está em fase de testes.

- Onde?

- Em um laboratório na Groenlândia e também em uma fazenda de um primo-irmão do tio de um compadre do meu pai. Eles perceberam que a minha invenção tinha potencial para exterminar a fome no mundo em questão de semanas.

- Entendo. Mais uma vez, um providencial amigo do seu pai aparece na história para ajudá-lo, é isso? E essa fazenda fica perto da chácara do outro amigo do seu pai, onde o senhor criou o primeiro elefante?

- Como é que o senhor sabe?

- Dedução. Vá em frente.

- Bom, aí eu vendi a patente e entrou na minha conta uma grana mais preta que o estrume da minha manada inteira.

- Presumo que o senhor Alcindo poderá nos dizer onde se encontram os documentos dessa transação e os recibos do imposto recolhido...

- Usando o direito que a lei me garante, permanecerei calado.

- Certo, faça de conta que não lhe fiz essa pergunta. Continue narrando sua saga empreendedora.

- A autoridade sabe que dinheiro faz dinheiro. Foi quando, em sociedade com um outro amigo do meu pai, e usando os recursos da venda mundial da patente, eu comecei no ramo da exportação de marfim.

- Conte-nos mais sobre isso.

- Ao mesmo tempo em que produzia as fezes, 100% compradas pela Seu Santo, também extraía o marfim dos bichos, embarcados quinzenalmente para Hong Kong. Eram centenas de toneladas em cada remessa.

- Mostre-nos as guias da Cacex e as autorizações aduaneiras.

- Usando o direito que a lei me garante, permanecerei calado.

- Eu não pedi que o senhor fale nada. Apenas coloque sobre minha mesa os papéis solicitados.

- Usando o direito que a lei me garante, não vou pôr nada na sua mesa, não senhor. Só digo para o senhor que, a partir das minhas experiências na química das fezes elefantinas, eu criei uma modificação nos códigos genéticos dos animais para que eles passassem a ter uma média de 94 dentições de marfim ao longo da vida. Foi essa minha expertise que me deixou milionário, autoridade.

- Não há dúvida que sua ainda curta biografia é mesmo uma estonteante trajetória de sucesso. Um exemplo pra esse povo que tanto reclama da vida, não é mesmo? Parabéns. Está dispensado, por enquanto.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Já vi andarem de BMW... de bike... de jatinho particular... mas de elefante? E "merdas tão providenciais"? Pois, então... jogaram no ventilador e tá sobrando pra todo mundo... Será que era essa do elefante? Parabéns por mais essa criatividade, Marcelo.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…