Pular para o conteúdo principal

VEM PRA BRIGA VOCÊ TAMBÉM. VEM!





- "Omo faz, Omo mostra". Mas mostra o quê? Acho vago esse raciocinio.
- Queria que eu fizesse um tratado filosófico? Slogan bom tem no máximo seis palavras. Eu me virei com quatro. Tinha feito outras opções para apresentar, na verdade gostava mais de um outro. Mas o cliente escolheu esse. 
- Não foi o meu caso. Quando criei "Danoninho vale por um bifinho", só mandei um e acertei logo de prima. Na convenção da empresa me fizeram uma homenagem, como autor de um posicionamento que iria diferenciar o produto nos proximos 20 anos. Foi muita responsabilidade. Pra você ter uma ideia, me deram de presente um Chevette GP Okm, daquele laranja com friso preto.
- Vai me desculpar, mas com esse slogan você convence a mãe, não a criança. Tá falando que é nutritivo, mas o pirralho não está nem aí com isso. 
- Não, não. Eu falo pra criança que, comendo um Danoninho, ela escapa do chato do bife.
- Tá bom, mas deixa eu defender minha cria e explicar o meu "Omo faz...
- Se precisa explicar é porque não deu o recado. E depois, já faz uma cara que isso saiu do ar, pra que ficar ressuscitando defunto?
- Bom, o mesmo vale pro seu "Danoninho", meu velho. Aliás, estamos os dois com as chuteiras penduradas há bom tempo, não sei que diferença faz essa discussão.
- Pra mim é questão de honra. Olha só, o "bifinho" rima com "Danoninho", o jingle do comercial de TV utilizava "O bife", que qualquer criança sabia tocar no piano. Todo mundo entendia que aquilo não era guloseima, era alimento. E era gostoso! Pra ficar veiculando tanto tempo, a campanha tinha que ser muito boa, tinha que ter um conceito convincente.
- E tinha. Mas "Omo faz, Omo mostra" também durou um tempão. Eram comerciais testemunhais, tinha que ter veracidade. O slogan fazia uma releitura do "mata a cobra e mostra o pau". A dona de casa se convencia, tinha medo de arriscar com outra marca e deixar a roupa encardida. Acho que só a gente sabia da verdade. O pessoal de desenvolvimento de produto dava a entender que sabão em pó era commodity, tudo igual. Essa constatação acabou entrando até no briefing da campanha. Hoje eu fico imaginando, se eu tivesse gravado aquela reunião com o cliente, quando ficou quase explícito que sabão em pó era tudo a mesma coisa, eu mesmo - como criador - poderia ter processado a empresa por propaganda enganosa.
- Mas aí você poderia ser processado também. Como cúmplice!
- Você fica aí falando, falando, mas na época dessa sua campanha do bifinho, muita gente questionou a propaganda, dizendo que o valor nutricional não era equivalente. Além de ter muito açúcar, corantes, conservantes...
- Se todo mundo fosse ficar olhando o rótulo de tudo, ninguém comeria nada. E a gente perderia o emprego. Como diria o ministro da Fazenda, dos bons tempos do comercial do bifinho: "o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde".
- Tem cara de slogan isso, heim. Outro seu?
- Não lembro, pode ser. Com Rexona, sempre cabe mais um.


Esta é uma peça de ficção. Qualquer semelhança com o mundo maravilhoso da propaganda terá sido mera coincidência. Promoção válida só até sábado, ou enquanto durar o estoque.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Olhe que as mães, os pais, as donas e donos de casa, preocupados com o bolso, refutam toda e qualquer propaganda... Marca? Foi o tempo! Marketing à deriva...
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…