Pular para o conteúdo principal

CÁLCULOS ACADÊMICOS

Imagem: receitaslegais.com.br 


Trabalhemos com números conservadores, para termos uma expectativa mais realista. O aluno chega para um curso de quatro anos. São cerca de duzentos dias letivos por ano, vezes quatro dá oitocentos. Se, nesses oitocentos dias, ele comer no intervalo uma coxinha da cantina (provavelmente vai comer mais, pois já chega para a aula com fome), junto com um refrigerante, temos aí de oitocentas a mil e seiscentas coxinhas e mais a mesma quantidade de refris no decorrer da graduação.

Vamos para as máquinas de venda automática. Em cada uma das alas principais do prédio, contamos com máquinas de preservativos, de snacks e de chocolates. Nossos repositores de estoques apontam para uma média de 32 camisinhas consumidas ao ano per capita, o que dá 128 escapulidas entre uma aula e outra para as urgências da carne. Lembrando que essa conta é por cabeça, independente de ser homem ou mulher. Os snacks e chocolates vendem bem mais, até porque depois do bem-bom bate mesmo aquela fome. Sem contar que os consumidores dos petiscos podem não ser necessariamente os praticantes de sexo, basta que sintam vontade de comer no intervalo entre uma coxinha da cantina e outra. 

Os números mais impressionantes vêm dos nossos serviços de fotocópias. Incluindo o montante gasto no TCC, estima-se que cada graduando levará para sua repúbica ou pensionato uma montanha de 18.000 cópias ao longo do curso. Praticamente todas elas tiradas nos serviços de xerox da própria faculdade, a um lucro projetado de 600% por folha.

Esse Monte Everest de papel não caberia no quartinho do aluno se fosse acumulado todo lá. Mas acontece que boa parte disso acaba voltando aqui para a Universidade, na forma de trabalhos solicitados pelos professores. São milhares de toneladas de sulfite que a Universidade revende como reciclável e se transforma em receita. Expressiva receita. 

As pesquisas de campo, as excursões para simpósios, palestras, semanas de estudos, ciclos de debates e o que mais aparecer como atividade de complementação acadêmica extra-muros tem toda a sua logística movimentada pela Universidade - do transporte à hospedagem dos participantes. Desnecessário dizer que essa desgastante operacionalização não é conduzida gratuitamente por jesuítas, e nem é penitência missionária. A Instituição cobra bem e fatura horrores com isso.

A fonte de lucros prossegue em patamares elevados e constantes no decorrer dos semestres letivos, até a formatura. É quando toda a parafernália de buffets, conjuntos musicais, cerimoniais diversos, viagens comemorativas, álbuns de fotografias e DVDs de festas e colações de grau são oferecidos aos formandos por valores extorsivos, embutidos neles as comissões da Universidade. Não havendo o repasse de pelo menos 25% para a Instituição, as propostas são barradas e nem chegam ao conhecimento dos alunos. 

Tendo em vista o acima exposto, concluímos ser economicamente viável o "Programa Faculdade Grátis - Seu diploma com mensalidade zero e sem vestibular". Será a consagração definitiva da nossa marca no disputado mercado educacional. 


© Direitos Reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…