Pular para o conteúdo principal

OS NOMES DE NINGUÉM




- Senhores vereadores, prosseguindo com a pauta da nossa sessão ordinária, vamos ao próximo item: discussão sobre os critérios da municipalidade para dar nome aos novos logradouros públicos. Com a palavra, o vereador Feitosa.

- O assunto é polêmico, senhores, e exige reflexão profunda...

- Precisamos rever os processos e encaminhamentos dessa questão pela Câmara. Tem vereador que passa o mandato inteiro só cuidando disso. E, mesmo fazendo tudo pelos mortos e nada pelos vivos, acaba garantindo sucessivas reeleições. Todos sabemos como a coisa funciona, inclusive temos três vereadores peritos na prática aqui mesmo, nessa sessão: acordar bem cedo, saber quem morreu, ir ao velório, chorar o finado e prometer à família um nome de rua para legar sua memória à posteridade. É claro que a parentalha toda vai votar nele no próximo pleito. E alguns desses nobres colegas são tão profissionais que só escolhem defunto de família grande, que rende mais votos. Os que têm poucos parentes eles deixam para a vereança iniciante.

- Um aparte! Nosso partido defende a bandeira da renovação, o que inclui os nomes de rua! A cidade foi fundada em 1686, e ninguém mais sabe quem são as pessoas que dão nome às nossas principais artérias. Só para citar alguns exemplos: Rua Dona Quitéria Bontempo, Avenida Sebastião Albino dos Sanches Pedreira, Praça Cônego Aristenes... É hora de substituir esses hoje desconhecidos por mortos mais frescos, que tenham relevância na sociedade atual. Ou pelo menos nos últimos 100 anos.

- Mas os descendentes dos ilustres mais antigos podem entrar na justiça, alegando direitos adquiridos. Afinal, alguma coisa de importante fizeram para merecerem nome de rua lá no tempo do onça. Imagine Vossa Excelência a pendenga jurídica.

- Podemos substituir os nomes de ruas por números, para acabar com a discussão. Rua 1,2,3,4 e assim por diante. A vantagem é que a pessoa que está procurando um endereço já se orienta, pois sabe em qual zona da cidade fica determinada numeração. É um serviço que prestamos ao munícipe.

- Protesto! O que a gente ganha com isso?

- Concordo com o Vereador Josevaldo. É prático mas impessoal demais, é frio e não rende voto. Rua tem que ter nome de gente. E, mesmo com toda essa crise imobiliária, o que não falta é loteamento novo com um monte de "praca" esperando batismo.

- De fato, corre o risco de faltar finado para tanto logradouro. Mas devo alertar que os nobres legisladores se esquecem das ruas que têm datas como nomes. Quinze de novembro, sete de setembro, treze de maio. Poderíamos escolher algumas datas significativas para o município. O dia do início de um mandato, da inauguração de uma ponte, do aniversário do nosso digníssimo prefeito...

- Não, não, a imprensa vai cair em cima, pode mobilizar a opinião pública, vão alegar demagogia e autopromoção...

- E assim, o que acham: Rua desemprego zero, Rua segurança garantida, Rua educação para todos, Rua saúde e saneamento básico, Rua respeito ao dinheiro público. Imaginem Vossas Excelências! Em cada inauguração de rua, um tema para comício. E uma forma disfarçada de propaganda política para todos nós desta casa. Imaginem só, a rádio transmitindo o discurso: "Declaro inaugurada a Moralidade na Municipalidade", eita como soa bem isso!


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Tais slogans só mesmo nas "pracas"... pois a realidade é bem outra!
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…