Pular para o conteúdo principal

TEMOS QUE FAZER ALGUMA COISA!




- Esse tá lascado. Pegou justo a gente... dois caras sem nada de espetacular pra dizer um ao outro. Isso não dá texto que preste.
- Hummm, vai ter que tirar leite de pedra. Tô até com pena do cara, meu... reparou como está digitando devagar? O sujeito não acha o que escrever, tá até trêmulo, coça a cabeça, rói unha, sente o drama. 
- Então, estou vendo sim. Mal começa a digitar e já vem com o backspace apagando tudo. Ô dó, nada que se aproveite. 
- Tristeza, tá dependendo dessa nossa jogação de conversa fora. É ruim.
- Está vacilando mesmo. Misericórdia. Sei lá, vamos dar um jeito de achar um assunto, vai. Pega mal pra gente também, né. Parece que a culpa é nossa.
- Pois sabe que eu também fico sem graça. Além do mais, se não rolar nada, nem nós saímos hoje daqui e nem ele vai dormir. O disposto aí precisa entregar isso pronto daqui umas três horas, no máximo. 
- Como é que você sabe?
- Antes de você entrar no diálogo eu já estava por aqui, apareci na primeira linha. Que, por sinal, foi apagada. Foi quando tocou o telefone e era o editor do jornal, cobrando o texto.
- Bom, hoje pelo jeito vai cumprir tabela. Ah, vai.
- Não me ocorre nada pra falar, Deus meu.
- Tempo maluco esse, não? Será que chove?
- Também não precisa apelar, né? 
- E o Corinthians, heim? Agora com o Tite de técnico da Seleção, quero só ver como é que o timão vai se virar...
- Melhor parar, daqui a pouco ele desanda a cobrir o notebook de porrada, escuta o que eu tô te falando. Conheço a figura. 
- Se a gente não fizer alguma coisa, ou seja, se a gente não começar um diálogo minimamente interessante, ele parte pra enrolação. Uma encheção de linguiça com um clichê atrás do outro. Talvez pegue alguma ideia começada, que não foi pra frente, e tente ressuscitar a natimorta. 
- A nova lei do farol aceso, inflação descontrolada, a onda dos reality-shows de culinária, alguma pérola da Rousseff... pensa rápido, não podemos ser responsáveis por uma demissão com justa causa. 
- Ou um suicídio. Tá mais pra suicídio, pelo andar da carruagem. Acho que ele se mata de desespero antes de ganhar um pontapé nos fundilhos.
- Chega, o nosso amigo aí vai ter que pegar no tranco. Essa belezinha no porta-retrato ao lado do modem não pode passar fome. 
- Ele podia falar sobre a falta de assunto.
- Ih, olha só, começou a "pescar".
- Já vi esse filme, misturou de novo bromazepam com uísque.
- Dá com o travessão na cabeça dele!
- Tarde demais... A cabeça tá despencan&&39jdsjkj88h3vbf7djkldljdlgjlhfgjjljlkgjjdkljgjsjdjgksgkljskjgljlsjkdjkljskljdkj&&&bsh3ruadnv.sdfjkjdkljkjc   ....jjkkj02lpãskljaiidífkdpozzzwçdhfvutpwefhdhcaoeoitugperytiwwejfvgdifeiepfjwhpivyoweeifhkhoueefipwhgiwtufpwejfihyfowerlvhyufweufheuhvuofwejvuhutwetfhpuhyfutpwjlfvhhrrr923irldhveeripdjdvhgiouwepdfkjlkjwmefpocvçljçalkkgçlksçlkçlgjsfçlkçlsdkçdgkksdlgkçllgjlhffedfmclvkdfçkdçghjçkfçvjfkldgjçlkfklkjgvkleçlçtkfvjedjvm,q.çdçf11111111jvdhiweprpipgeuofupteotuwutpueriotgyoutoiuoerutourutrotwp72ekl3rupdjvldj~e-08rf-0aeljçklvhkj9ruakdjf9er9aidlkjjfljacvladf090erjjdlfkjllsda------1m9e8r9erwe9 9ueuewruvsdjfçe0r80dfpivkjddljfklujçljkaçakçklgkjlkloiuytrrtyuiokdl?kdl?kdl?

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Bromazepan com uísque? "Samba no Iraque"? Sei, sei!
    Abraço, Marcelo. Servido?

    ResponderExcluir
  2. Vocação ou missão errada? Chove assunto... na malha politiqueira do país, oras bolas! Que desculpinha mais esfarrapada!!
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…