Pular para o conteúdo principal

DINHEIRO, SEU SUMIDO!



Acabou o dinheiro. Talvez uma das frases mais ouvidas no mundo, provavelmente a mais falada por aqui. Só que o assunto agora não é o caraminguá minguado, a escassez do saldo, o orçamento no vermelho. É o fim do papel-moeda mesmo. Não tem mais coisa que você entrega em troca de outra coisa. Aqueles papéis retangulares que o agiota emprestava para quem estava com a corda no pescoço, em maços amarrados com elástico e outrora feitos de átomos, hoje não passam de bytes. 

O dinheiro que você tem, se tiver a sorte de ter, é um atestado eletrônico de veracidade validado pelo banco em que você tem conta. As notas mesmo, inexistem. Se você cismar de querer levar o que tem, e se o que você tiver ultrapassar os dois ou três mil reais, precisará avisar com 48 horas de antecedência para que o montante possa ser provisionado. 

Vamos rastrear, a esmo, uma sequência qualquer de operações. Dutra & Póvoa Associados Serviços Administrativos S/C Ltda. deposita no dia 30 o salário de Benedito Orestes da Paixão. Benedito Orestes da Paixão deixa em conta o que em poucos dias irá desaparecer a título de débito automático. Da miséria que sobrou ele passa no crédito um maço de almeirão e outro de chicória, solicitados pela patroa no caminho de volta do trabalho. O dono da quitanda repassa o caixa do dia ao fornecedor de pescada, que lhe fiou um caminhão e meio na última Semana Santa. Sete Barbas ME transfere o que nem bem acabou de entrar para BestWall Pedras Decorativas, saldando serviço feito na casa do filho do dono da empresa. E assim se multiplicam as transferências de titularidade. Onde aparece de tudo, menos dinheiro de fato.

O sepultamento definitivo das notas e moedas é previsto por especialistas para 2030, em nível mundial. E não é preciso muita imaginação para adivinhar futuros comportamentos, necessariamente exemplares. Usuários de motel estarão em maus lençóis, pois serão imediatamente identificados, deixando registro do montante gasto, data e hora do bem-bom. O crime organizado estará também com os dias contados, assim como o tráfico de drogas. O "por fora" será necessariamente por dentro, o "sem nota" e o "sem recibo" definitivamente banidos. A Igreja Católica - com todo respeito - terá que substituir a cestinha pela maquininha na hora do Ofertório. As declarações de imposto de renda não farão o menor sentido, pois tudo será necessariamente declarado ao fisco no momento em que ocorrer, e a cobrança dos impostos será instantânea, assim que concluída a transação. 

Cientes do que essa revolução pode representar para suas contabilidades oficiais e paralelas, os políticos se movimentam em dois sentidos opostos. De um lado, pela aprovação da lei de extinção do dinheiro, que garantirá um aporte de recursos nunca antes sonhado pela União, pelos Estados e pelos Municípios. De outro, para que o dinheiro em espécie permaneça circulando exclusivamente em Brasília. E, mais especificamente, nas dependências do Congresso, até que os parlamentares cheguem à conclusão de que a medida realmente será benéfica à sociedade. 



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Esse sumido faz uma falta enorme... A Gal cantou e muito: - "Onde está o dinheiro / O gato comeu, o gato comeu ... O gato fugiu, o gato fugiu / O seu paradeiro / Está no estrangeiro / Onde está o dinheiro??"
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço o comentário sempre bem-vindo, Celia. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Falta pouco para chegarmos a essa conclusão da história. Já temos mais de meio caminho andado... rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Liliane. Agradeço sua visita e seu comentário!

      Excluir
  4. Vote, vai virar uma chatice só.Agora que eu estava pensando em ser político profissional, pois ser político eu sou, a coisa vai mudar...diabo de vida

    ResponderExcluir
  5. Valeu a leitura e o comentário, Hamilton!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…