Pular para o conteúdo principal

PEDRA NA CONSCIÊNCIA



Um casal de turistas americanos, arrependido por ter levado embora uma pedra do Coliseu há 25 anos, resolveu devolver o "souvenir" para as autoridades romanas, acompanhado de um pedido de desculpas.
www.bbc.com, 7 de maio de 2009.


Se o Coliseu, o Fórum Romano e adjacências formam um imenso conjunto de ruínas a céu aberto, é claro que com tempestades, tremores de terra e outros flagelos geológicos e meteorológicos a fragmentação das paredes e colunas só vai aumentando com o passar do tempo. E isso aumenta também o acúmulo das pequenas pedras pelo sítio histórico, resultantes desse desgaste.

Tomando como fato ser impossível manter centenas de arqueólogos e restauradores trabalhando de sol a sol para repor cada pedacinho de mármore ou reboco milenar ao seu lugar de origem, tão logo venham a se desprender, é razoável supor que os fragmentos espalhados pelo chão sejam tão valiosos para a humanidade quanto as colunas às quais pertenciam.

Milhões de turistas passeiam todo ano por essas ruínas. Justo ou injusto, lícito ou ilícito, ético ou não, o fato é que eles olham para um lado, depois para o outro, assobiam uma cançoneta napolitana com cara de quem não quer nada, agacham-se sutilmente, fingem que estão amarrando o sapato e... pronto. Do chão direto para o bolso. Uma pedrinha de nada a menos no Coliseu vai virar uma gema de valor incalculável na estante de casa. Imagina só o espanto dos amigos e vizinhos quando olharem aquela relíquia!

Fará falta? Há controvérsias. Para cada milhão de turistas não haverá um bilhão de pedrinhas a roçar por seus sapatos, que jamais serão recolhidas? Ou, ao contrário, o correto será deixar que essa farofa arqueológica continue intocável, ainda que não mais faça parte de muros, esculturas e monumentos?

Estava em frente ao Templo de Saturno, e era sua vez de decidir o que fazer. O casal americano acabou se arrependendo, mas ninguém viu o que fizeram e nem deu pela falta da pedra que surrupiaram. Mas e se hoje houvesse alguém da polizia amoitado atrás de uma coluna jônica, a postos para dar ordem de prisão assim que se abaixasse para amarrar os sapatos? Ou uma câmera de segurança entre o polegar e o indicador de uma daquelas estátuas sem cabeça? Talvez o flagrante acontecesse na saída das ruínas, com a imprensa italiana com seus holofotes e microfones pronta para registrar o momento em que fosse detido e algemado.

Por todos os deuses romanos, o que fazer? Debatia-se nesse dilema quando sentiu o chão tremer, ao mesmo tempo em que se ouvia um ensurdecedor toque de sirene, vindo dos lados do Arco de Constantino. 



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Salvos, pelo gongo... ops... pela sirene!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Kkkk Quando reliquias sao preciosas, a ocasião faz o ladrão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…