Pular para o conteúdo principal

TATTOO À DIREITA



Já vou avisando, a quem se interessar, que aqui é tudo de extrema direita. Dos desenhos tatuados até o tatuador, que é membro da Ordem Rosacruz com orgulho e mantém em dia suas contribuições mensais à Opus Dei e à Legião da Boa Vontade.

Levando minhas convicções da ideologia à anatomia, confesso que sinto-me mais à vontade tatuando do lado direito do corpo. Não que eu seja radical. Pelo contrário, sou até bastante complacente: comigo, os esquerdistas regenerados têm a chance de eliminar as bobagens que um dia resolveram estampar na carcaça. Desenvolvi uma tecnologia revolucionária, que permite a reconstituição da pele em sua pigmentação original. A tinta da tatuagem é expelida no máximo em uma semana, deixando todo o corpo livre para tattoos moralmente edificantes, como o Brasão do Exército ou a imortal efígie do General Emílio Garrastazu Médici. Há quem duvide, dizendo que é tudo conversa, que não há nada que remova uma tatuagem bem aplicada. Pois que apareçam por aqui para a prova definitiva - trazendo, de preferência, uma estrela do PT. Adoro exterminar essas estrelinhas, bem como Che Guevaras, Fidéis, foices, martelos e demais ícones inúteis. Aliás, tinta vermelha eu só removo, nunca aplico. Nem adianta insistir, que procure outro profissional. Um leviano e irresponsável profissional, no caso, sem compromisso com o desenvolvimento cívico das novas gerações. 

Caveiras, folhas de maconha, dragões cuspidores de fogo, serpentes, símbolos cabalísticos e de magia negra também estão fora do meu mostruário. Mediante aprovação prévia de cada desenho, admito aplicação de flores, ondas do mar, pássaros, símbolos yin/yang, corações, mandalas e frases em geral, dependendo do que o sujeito intenciona colocar como mensagem. 

Tattoos nas partes íntimas, nem pensar. São intocáveis. Há que se ter compostura e pudor, ainda que cada um tenha livre arbítrio sobre o que fazer com o próprio corpo. Particularmente, não me presto a esse tipo de serviço. 

Chegou a hora de tirar a tattoo dos guetos. Por que não um padre ou um maçom tatuados? Desde que o desenho dissemine valores éticos e cristãos, que mal há nisso? Outro dia mesmo, fiz uma bela de uma Santa Ceia tomando, de fora a fora, as costas do indivíduo. Também tatuei um Rosário em um monge beneditino, começando no pescoço e terminando nos tornozelos. Desviando, logicamente, de quaisquer partes pudendas no percurso. 

Pela glória da Pátria e em defesa da manutenção da ordem política e institucional, coloco-me à disposição dos clientes maiores de 21 anos, que apresentem atestado de bons antecedentes e não tenham passagem pela polícia. 



© Direitos Reservados
Imagem: www.goodfreephotos.com
Esta é uma obra de ficção, e não reflete necessariamente o pensamento do autor. 


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…