Pular para o conteúdo principal

A HORA E A VEZ DO PAMONHEIRO



Olha aí, olha aí freguesia
São as deliciosas pamonhas de Piracicaba
Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras
É o puro creme do milho verde
Vamos chegando, vamos levando
Temos curau e pamonhas
Venha provar essa delícia
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

Mais de 50 anos aguentando essa maldita fala em looping, com esse insuportável locutor, das sete da manhã às oito da noite. Na safra do milho e na entressafra. No começo, eu dirigia o carro - um Gordini já bem velho - e não tinha locutor nem gravação. Eu mesmo anunciava a pamonha. Ia com o vidro aberto e berrando feito louco no megafone. Voltava pra casa com a mão direita cheia de bolhas, de tanto ficar manobrando a direção com um braço só. Já o braço esquerdo retornava da labuta todo seco e descascado, porque o sol só batia nele.

Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras
Vamos chegando, vamos levando
Venha provar essa delícia

Depois veio a fita-cassete. Play direto no tape TKR com amplificador Tojo, virando a fita a cada meia hora. Em cima do Corcel 2, uma caixa acústica gigantesca com a madeira infestada de cupins. Como nunca tive comissão nas pamonhas vendidas, rezava pra passar reto em frente às casas e ninguém fizesse sinal pra parar o carro e comprar a maldição. 

São as deliciosas pamonhas de Piracicaba
É o puro creme do milho verde
Temos curau e pamonhas 
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

Foram bem uns 20 anos desse jeito. Custou pra chegar o CD e depois o pen-drive, que é o que uso até hoje. Completo 84 mês que vem e firme no volante, já que a aposentadoria não compra nem meio tacho de curau. 

Olha aí, olha aí freguesia
Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras
Vamos chegando, vamos levando
Venha provar essa delícia

Antes, era só eu e mais um concorrente rodando na cidade. Agora tem uns quinze. A venda diminuiu muito e meu patrão já avisou que, se continuar assim, vai ter que me dispensar. Com essa história de computador e internet, qualquer um baixa a insuportável gravação, enche o porta-mala de pamonha e começa a vender por aí. A pamonha mesmo é feita sabe-se lá em que lugar e de que jeito. Vem de tudo quanto é canto, menos de Piracicaba. 

São as deliciosas pamonhas de Piracicaba
É o puro creme do milho verde
Temos curau e pamonhas 
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

Chega! Pra mim deu, joguei a vida fora ralando de sol a sol, pra ganhar o quê com isso? Cadê o outro pen-drive... ih, será que esqueci em casa? Ah, não, tá aqui. Dane-se, agora vou pro tudo ou nada. Toma essa, patrão desgraçado! Dessa vez vou rodar bem devagarinho, pra cidade inteira escutar...

OLHA AÍ, OLHA AÍ FREGUESIA
SÃO AS HORROROSAS PAMONHAS DE PIRACICABA
PAMONHAS ENVENENADAS, PAMONHAS MORTÍFERAS
É O PURO CREME DO MILHO AZEDO
VAMOS COMENDO, VAMOS MORRENDO
TEMOS CURAU E PAMONHAS
VENHA PROVA ESSA IMUNDÍCIA
PAMONHAS, PAMONHAS, PAMONHAS



© Direitos Reservados
Imagem: pt.petitchef.com
Esta é uma obra de ficção. As LEGÍTIMAS pamonhas de Piracicaba são ótimas!



Comentários

  1. Olhe, Marcelo... só rindo e fazendo "pamonhas" em casa... Pelo amor de Deus!!
    * Gostei do novo layout!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Rossi5:32 AM

    Ola olha eu de novo.........
    No meu bairro era e é pamonheira(não sei a idade mas a voz sempre a mesma) na locução e o desgaste para o ouvido é o mesmo apesar das deliciosas pamonhas reais de PIRACICABA, MUITO BOAS.....
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  3. Beth - Entrementes5:37 AM

    Marcelo, essas pamonhas de Piracicaba são mesmo famosas. Desde criança escuto o som no carro a passar na rua vendendo essas delícias, eita! Mas nunca imaginei uma história por trás disso...muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Joka - Entrementes5:38 AM

    Cara muito bom ! Hoje sábado já comi a minha da feira.
    Muito bom !

    ResponderExcluir
  5. Sylvio de Alencar5:47 AM

    A modernidade tarda, mas não falha! :)

    ResponderExcluir
  6. Nicete Campoas5:51 AM

    Pelo visto você não gosta de pamonhas, mas as de antigamente (não as de Piracicaba, mas de São Carlos mesmo!), que os meninos carregavam em grandes cestas eram maravilhosas!

    ResponderExcluir
  7. Jorge Sader Filho5:53 AM

    Ainda bem que são pamonhas, Marcelo. Nosso amigo Caio Martins descobriu uma vertente nova, a lulonha, segundo ele de efeitos devastadores! Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  8. Antonio Carlos Antoniazi6:04 AM

    Lembrei-me, Marcelo Pirajá Sguassábia, das "sombrinhadas" que uma senhora, bem idosa, deu num vendedor que, com uma cesta em cada braço, berrava "ovo e uva fresca". Ela, a senhora bem idosa, entendeu "ô viúva fresca". He he,

    ResponderExcluir
  9. Clotilde Fascioni6:05 AM

    hahahahah "maledetas" pamonhas meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Realmente quem nunca provou essa delicia de Piracicaba?De verdade eu não gosto, só de curau feito com leite e com canela em cima. Agora voltando ao maravilhoso texto, fiquei com pena do cara que aos 84 anos tem de ouvir o dia todos essa cantilena... e nem pode se aposentar... fora!!!! Boa semana pra nós todos e porque não para os pamonheiros?

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral6:09 AM

    Rsssssss.......parece que estou ouvindo........o carro passar!

    Acredita que o que passa na minha rua fala: pamonhas caseira........(dói a oreia!)

    Falei que enquanto ele n/ consertasse aquilo, eu n/ compraria mais! Ele discutiu comigo que estava certo...Pamonhas, tipo caseira!

    Ele manteve a posição....e eu a palavra! E no fim do dia, depois de rodar no sol, o dia inteiro, até hoje, tenho que ouvir: Pamonhas
    "fresquinhas". Tá certo que o brasileiro seja palhaço....mas n/ exageremos. né?

    Gostei da crônica! Um bom FDS pra vc!

    Claudete

    ResponderExcluir
  11. Rita Lavoyer3:10 AM

    Muito dez! Adorei o texto e adoro pamonhas. Você tem razão quanto às localidades. Lá em Japiúba anunciam as pamonhas de Piracicaba, em Jeripapança idem. Aqui em Araçatuba compro pamonhas no mercado. Sei não... Sei sim: são de Piracicaba! ��������

    ResponderExcluir
  12. Mara Narciso6:11 AM

    Um dia a casa cai.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…