Pular para o conteúdo principal

CÉLULAS-TRONCO, CABEÇA E MEMBROS



A ciência moderna está apenas arranhando a superfície de uma revolução profunda, que mudará radicalmente todos os fundamentos médicos acumulados até agora pela humanidade: as células-tronco e sua infinitas aplicações.

UM NOVO TRONCO A PARTIR DE CÉLULAS-TRONCO
Ao invés de um pulmão, um rim, um fígado ou um coração, já podemos antever para futuro bem próximo a produção, via células-tronco, do tronco inteiro do indivíduo. Incluindo músculos, vasos, artérias, cartilagens, gordura, pele e adjacências. O raciocínio é simples e lógico: se um pâncreas, por exemplo, está caindo aos pedaços, pode-se deduzir que haja um desgaste em toda a vizinhança orgânica. Melhor a substituição do bloco inteiro ao invés de trocar peça por peça, em cirurgias sucessivas que sobrecarregam o paciente e o sistema público de saúde. Entretanto, surge com essa alternativa um certo desconforto estético, já que teremos um tronco estilo "tanquinho" sendo acoplado a braços, pernas e cabeça não tão saudáveis e atléticos. Para sanar este efeito destoante, só fabricando, também por meio das células-tronco, dois novos membros superiores, dois novos membros inferiores e uma nova cachola. Só que aí seria mais fácil clonar de uma vez o sujeito de cabo a rabo.

ENCARANDO UMA NOVA FACE
Células-tronco são realmente milagrosas. E de rara eficiência ao exterminar rapidamente a gigantesca indústria cosmética mundial, como acontecerá em breve. O freguês poderá não só clonar a sua face sem pés-de-galinha e bigodes-de-chinês, como também terá direito a escolher qual idade aparentará a cara nova, com todos os 32 dentes sem cáries ou restaurações. E mais: contará ainda com incontáves reclonagens já incluídas no pacote. Por exemplo, um paciente que escolha uma face de 22 anos poderá repetir o procedimento quando chegar aos 36, passando a vida inteira com a fresca e lisa tez da juventude.

O DESAFIO MAIOR: UM CÉREBRO ZERO-BALA
A despeito da extrema complexidade do órgão que comanda todos os demais, experimentos com réplicas de cérebros em macacos com Alzheimer (cujos encéfalos velhos não se lembravam mais como descascar bananas), trazem alentadoras esperanças para humanos com a massa cinzenta comprometida. Do hipotálamo ao cerebelo, a clonagem com células-tronco se mostrou perfeita em todos os detalhes. O único problema é que a estrutura física é fielmente replicada, mas o conhecimento e as memórias que guardam permanecem presas ao miolo antigo. É como se houvesse um reset geral no sistema, o que forçaria um Albert Einstein, se submetido ao procedimento, a reaprender a balbuciar papá e mamã. Ou Vater e Mutter, em alemão.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Célula tronco. Já ouvi falar nesta geringonça, parece que conserta tudo de errado no corpo humano, ou seja, há esperança! Esqueça aquelas palavras vexaminosas!

    ResponderExcluir
  2. Claudete Amaral11:56 AM

    Oi!

    Prefiro como eu sou mesmo!

    Abraços! Uma boa semana!

    Claudete

    ResponderExcluir
  3. Jorge Sader Filho11:58 AM

    O novo blog ficou porreta, Marcelo.
    Parabéns, grande abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi12:00 PM

    Boa tarde otima semana!!!
    Meu amigo e vizinho nada como a massa encefálica!!!! Sem ela, o restante, só para transplante.....quando ela para não vivemos mais!
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  5. Beth - Entrementes12:02 PM

    Realmente está aí a nossa grande esperança para a humanidade: A cura de quase todos os males, mas dos males, o menor.
    Grande Marcelo Pirajá

    ResponderExcluir
  6. Antonio Carlos Antoniazi2:05 PM

    Uma linha de "remontagem" Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
  7. Marcio Ketner Sguassábia2:08 PM

    Genial, mestre! Essa será minha futura linha de pesquisa!

    ResponderExcluir
  8. Fabiana Bagarolli2:09 PM

    Ótimo texto, Marcelo Pirajá Sguassábia!

    ResponderExcluir
  9. Clotilde Fascioni2:10 PM

    Nossa; Marcelo Pirajá Sguassábia. Sabe que viajo nas tuas histórias e essa me deixou encafifada. Como seria isso assim, da forma que vc escreveu? No meu caso, eu não sou "bem certa", reconheço, mas seria a única coisa que eu salvaria numa troca de corpo seria meu cérebro. Imagine se os cientistas se enganassem e me dessem o cérebro de uma vaca louca ou de outro assemelhado? O que eu faria com "aquilo" no alto do meu corpinho macio? Sei não meu amigo. Bom domingo para nós... Maravilha de texto.♥♥

    ResponderExcluir
  10. Mara Narciso10:45 AM

    Fomos longe na imaginação. Eu quero uma pele nova.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…