Pular para o conteúdo principal

DIGITE A SENHA DA SENHA DA SENHA




Você precisa de uma senha para o computador. Você precisa de uma senha para o celular. Outra para o(s) e-mail(s). Outra para o Facebook. Outra para o Instagram. Outra para o Twitter. Outra para o seu banco. Outra para a internet do banco. Outra para o aplicativo de celular do banco. Outra para o cartão de débito e crédito do banco. Todas diferentes umas das outras e preferencialmente trocadas a cada três meses. E todas têm de ser improváveis, nem um pouco óbvias. As chamadas "senhas fortes".

Porém, ó santos nerds com óculos de fundo de garrafa, o mundo é inconsequente e não funciona desse jeito. Quase todos têm só uma senha, de segurança duvidosa, para todos os sistemas e não substituída há anos. A chance de um hacker descobri-la e arrombar toda a sua vida com alguns batuques no teclado é tão grande quanto a quantidade de senhas com a sequência 1-2-3-4-5-6.

É consenso no mundo da segurança da informação o fato de que as empresas produtoras de antivírus contratam hackers para criar vírus e posteriormente suas vacinas, para perpetuar o ciclo de ameaça e proteção. O vírus é criado, espalhado, a imprensa se encarrega de fazer o alarde mundial e enquanto isso, nos headquarters do Vale do Silício, a vacina já está pronta para integrar o pacote da versão 22.4 do mega-ultra-master-magic-killer-fast-ultimate-power-virus-exterminator. O mais seguro de todos os tempos, até que chegue o tempo de se criar um outro vírus ainda mais detonador e em seguida seu antídoto invencível, num ciclo criminoso que torna refém toda a humanidade e parcela considerável de marcianos. 

Você descobre a redentora salvação nos Apps gerenciadores de senhas. Com uma senha-mestra, que abre o aplicativo, ele gera instantaneamente centenas de senhas insuspeitas, de combinações improváveis, uma para cada serviço em que uma senha é exigida do usuário. Troca automaticamente, a cada três meses ou a intervalos menores, todas as senhas, alfanuméricas ou não, com o número de dígitos que você determinar. Ao acessar o serviço o programa completa a senha, que na verdade nem você sabe qual é.

Aí aparece um hacker que desenvolveu um vírus que desvenda a senha-mestra, o "Abre-te Sésamo" para tudo que você acreditava que estivesse absolutamente seguro. A coisa é tão verdadeira que o vírus já foi batizado, um cavalo de troia chamado "Citadel".

Esqueça o gerenciador de senha. E nem pense em escrever as senhas em um arquivo comum de processador de texto, pois ele também é um arquivo e, portanto, exposto a ataques. Você tem que escrever as senhas no papel. Guardar o papel em lugar superseguro. Ir trocando as senhas a cada noventa dias. Riscar com a caneta e escrever a nova combinação por cima. Até encher a folha de rabiscos ininteligíveis e transpor tudo periodicamente para uma folha nova e cada vez maior, pois quanto mais o tempo passa, de mais serviços online você se torna escravo e mais senhas exclusivas precisará inventar.

A única solução 100% segura é memorizar, e pode colocar aí uns 3 meses para guardar tudo na cabeça. Só que, depois de três meses, já sabe: é hora de trocar as senhas. 



© Direitos Reservados

Comentários

  1. A que mais uso é "errouotario". Funciona mesmo, em todos os sites.
    Abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  2. Cômico seria, se não fosse trágico, um amigo hiperatualizado nas invenções tecnológicas, instalou fechadura em seu apê que só abre-te-sésamo... com senha. Beleza seria se ele não a tivesse esquecido!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Claudete Amaral2:05 AM

    Oi, Marcelo:

    O jeito mais seguro ainda....é...n/ ter computador, nem celular, smartfone, Whatts App, nada dessas coisas...vc n/ acha?

    Assim, n/ é preciso senha e vc vive mais tranquilamente...sem vícios! rssssssss

    Um abraço...e boa semana!

    Claudete

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi2:07 AM

    boa tarde
    escrevendo para avisar que mudei a senha......
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  5. Rita Helena Neves2:35 PM

    Exatamente isso: somos escravos da tecnologia. Com ou sem senhas...

    ResponderExcluir
  6. Claudio Dalmonte2:36 PM

    Marcelo eu trabalho com T.I. e é bem isso.... mas acredito que estão desenvolvendo uma forma de invasão do papel. Hackers de folha de papel!! e claro o antivírus da folha de papel. Seguirei seu conselho: A única solução 100% segura é memorizar. Será o Alzheimer o virus dessa memorização ?? Abc.

    ResponderExcluir
  7. Rita Lavoyer2:37 PM

    Melhor e marcar no papel amarelo e colar na porta da geladeira. Quero ver quem esquece as danadas ����������

    ResponderExcluir
  8. Rosa Pena2:38 PM

    rs.. eu esqueci todas

    ResponderExcluir
  9. Edmilson Siqueira2:39 PM

    Como normalmente se pode tentar 3 vezes antes do terrível travamento, uso 3 senhas que decorei pra tudo. Se não for uma é outra ou outra. Não falha nunca.

    ResponderExcluir
  10. Nicete Campos2:40 PM

    Texto esclarecedor para os desavisados. Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Clotilde Fascioni2:41 PM

    Oi Marcelo Pirajá Sguassábia meu amigo. Pois vou te contar meu segredo. Desenvolvi uma senha que quem a violar perderá todos os dados do computador ou celular DELE. Ela possui um feitiço que me foi ensinado por um xamã. Eles que se atrevam para ver só. Vai dai que não preciso trocar de senha, a cada três meses visito o xamã para dar um reforço no feitiço. Bom fim de semana meu amigo.
    P.s. se quiser o endereço do xamã... ����

    ResponderExcluir
  12. Antonio Carlos Antoniazi2:42 PM

    Guarde suas senhas na memória e fique um cara "assenhado". Muito "assenhado",

    ResponderExcluir
  13. Daniel Santos2:43 PM

    Senha resulta da paranoia da segurança. O medo cria muitos negócios e nos sujeita a todos.

    ResponderExcluir
  14. Mara Narciso1:30 AM

    Bom inventar senha contemplando os sinas @ # $ % & *, tudo misturado com letras e números, mas daí descubro que é inútil.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…