Pular para o conteúdo principal

NOME AOS CARROS




- Opala. Na pesquisa apareceu que é uma pedra preciosa. O nome tem uma sonoridade espetacular. Uma coisa nobre.
- É, mas fizemos um levantamento mais cuidadoso de informações e vimos que é considerado um mineraloide. Não chega a ser uma pedra preciosa. E é "a" opala, e não "o" opala. Estamos falando de um carro, não de uma perua. E tem mais: as maiores jazidas de opala do mundo estão na Austrália e no... Piauí!!! Estado sem glamour nenhum, vai desmerecer o lançamento. Esquece, aborta. 



********


- Bem, a próxima pauta da reunião de hoje é a escolha do nome do novo modelo Fiat. Selecionamos "Uno". Que tal?
- Eu gosto, passa uma ideia de ser o primeiro, de estar na dianteira. 
- Também achei ótimo, pessoal. 
- É, né? Mas que falta de malícia de vocês... tá reprovado, pensem outra coisa. 
- Por que, chefe?
- Alguma montadora concorrente vai aparecer com o Due, talvez até o Tre. E com o slogan: "Muito mais do que Uno". Entenderam ou querem lançar no mercado e daqui a um mês tomar na cabeça?



********


- Meriva! Meriva é bom demais!!!
- Tá se achando o Arquimedes, né? Pois pra mim é uma bela de uma porcaria esse nome. Lembra "Deriva", andar à deriva, entende? Falta de rumo e de dirigibilidade. É o pior nome do mundo pra um carro. Vai encallhar na concessionária e o pessoal de vendas ainda vai tirar uma, chamando o carro de Me Rifa. Nem pensar. 


********


- Tipo? Mas o que quer dizer Tipo?
- Também fiquei boiando, pra falar a verdade. Tipo o quê?
- Tipo é tipo, não tem que ficar explicando, gente. Em italiano ou português, quer dizer a mesma coisa. 
- Falta qualificação, falta adjetivação, precisa significar alguma coisa. Nominho mais sem personalidade, faça-me o favor. Tem tipo sanguíneo, tipo de arroz, de agulha de crochê, de esparadrapo, sei lá. Mas nem por isso ser de um "tipo" faz alguma coisa ser melhor que outra. 
- É, a Engenharia também acha o mesmo. Vou pedir mais opções ao Marketing. 


********


- Brasília é o nome sugerido. E o que mais agradou, por enquanto.
- Sim, pelo fato do projeto do carro ter sido inteiramente desenvolvido no Brasil. 
- Tá, até entendo, tem a ver. É uma cidade única no mundo e tudo mais.
- Então? Vamos bater o martelo?
- O meu medo é estourar algum escândalo envolvendo a capital, compreende? O nome da cidade pode ficar marcado por alguma coisa ruim. Já repararam como tem muro em Brasília pichado com "Abaixo a ditadura"? Não, não. Melhor não correr riscos. Você tinha aí um outro nome bom, como é que é mesmo? O nome de uma ilha, se não me engano...
- Elba.
- Isso. Elba eu gosto. 
- É, mas eu fico na dúvida. Eu mesmo pensei nesse nome, mas agora estou sendo advogado do diabo. Alguma coisa me diz que um carro com esse nome vai dar problema mais pra frente... e não é problema mecânico. 
- Bom, sendo assim, de volta à velha máquina de escrever. Vocês vão me desculpar... mas Brasília, definitivamente, não. 



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Tira isso fora... Essa reunião de marketing na certa realizou-se em um famoso sindicato!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Lula! Corre tanto que ninguém pega. Ih, melou! Se pegam quebram a pauladas.

    ResponderExcluir
  3. Antonio Carlos Antoniazi2:33 PM

    "Elba". A ilha de Elba. Prisão de Napoleão. Mas, falando em veículo, e em "Brasília", Marcelo Pirajá Sguassábia, um bem barato mesmo é a "BMV - "Brasília Muita Velha". Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Daniel Santos2:34 PM

    Não, claro, Brasília não! Mas de resto....A escolha requer um exercício de paranoia. Já gostei de nomes como os dos ventos e dos animais potentes, tipo 'miúra', mas eles sempre passam na velocidade do mercado, daí estarmos sempre rebatizando novos lançamentos, mas essa maluquice deixo pra vc, caro Marcelo, que tem tutano e boa vontade. Parabéns. E bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  5. Rita Lavoyer2:35 PM

    Bem, nessas circunstâncias, nem sei se seremos brasileiros ou se compramos uma bicicleta. Pois é, por uma Elba, o Collor se danou.

    ResponderExcluir
  6. Leda Valéria Suppa Basile2:36 PM

    Fantástica essa crônica, Marcelo, parabéns pela milésima vez!! É sempre um grande prazer ler você.

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni2:37 PM

    Realmente cada nome...mas a imagem me lembra é de um que me serviu muito quando os quatro filhos e o cachorro estavam sempre comigo indo para algum lugar. Uma Variant que nunca me deixou na rua... Bom texto como sempre meu amigo Marcelo

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi2:39 PM

    Bom dia otima semana.
    Nomes como AUDI, MERCEDES, BMW, PORSCHE e o tradicional FUSCA também merecem uma crônica?
    Abraços
    Rossi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Rossi!
      Agradeço o comentário de sempre, grandes abraços pra você!

      Excluir
  9. Claudete Amaral2:41 PM

    Oi!
    Pensei que fossem carros de verdade!
    Mas o artigo é muito bom! Parabéns!
    Ótimo FDS!
    Claudete

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …