Pular para o conteúdo principal

ASNOS VOLANTES: SEU FIM ESTÁ PRÓXIMO




Os carros autônomos, aqueles que não precisam de motorista, já estão rodando por aí. Segundo matéria de capa da Veja da semana passada, que aprofunda o assunto e suas consequências, eles serão aproximadamente 10% da frota mundial até 2035. E quando produzidos em massa deverão chegar já elétricos, o que será uma dupla revolução. 

Tudo será muito diferente. Da forma de condução à comunicação.
As campanhas publicitárias terão que mudar completamente seus approachs aspiracionais para emplacar a novidade. O prazer de dirigir será substituído pelo prazer de não dirigir. Ninguém mais irá chamar alguém de "bração", "asno volante" e que tais. Afagos como "fdp", "aí, navalha", "volta pra auto-escola" não serão mais revidados pois 100% dos motoristas robôs tem, sim, sangue de barata. E os ciber-pilotos assimilarão os desaforos com sua característica frieza original de fábrica. 

Dependendo do conforto do carro, o caminho para o motel pode muito bem virar o próprio motel. Dependendo também, é evidente, do grau de escuridão do insulfilm - que poderá ser complemente negro, já que o motorista não precisará enxergar o que vem à sua frente. 

Álcool e direção irão se misturar perfeitamente e se dar às mil maravilhas, deixando o bafômetro em embriagante obsolescência. Ô dó. O coitadinho vai começar a beber pra esquecer os dias de glória e de extraordinária arrecadação de multas. 

Outros prováveis desdobramentos desafiam a imaginação. Será um verdadeiro aborto da natureza conseguir vender uma pick-up off-road para um cowboy do asfalto ou para um trilheiro de verdade. Onde é que os criativos das agências de propaganda irão se pegar, e para apregoar exatamente o quê? Adrenalina? Aventura? Emoção? Qual será o arquétipo utilizado para que o sujeito se encante?  Com que argumentos rebaixar o fissiurado em 4x4 para o banco de passageiro e ao mesmo tempo despertar nele o desejo de compra?

Tem também a questão dos seguros dos veículos. Se os acidentes param de acontecer, a seguradoras vão fechar. Se continuam, quem serão os novos culpados?

O que já se pode antecipar como certo é que o celular estará liberado ao volante (se é que continuará existindo volante, que não servirá para coisa alguma), e nenhum guarda de trânsito ou amarelinho poderá falar nada se flagrar um condutor digitando mensagens em cima de um viaduto, a cento e quarenta e tantos por hora. Aliás, os radares de velocidade irão enfim requerer a tão sonhada aposentadoria. Bom, pelo menos para quem é motorista, ela é sonhada, sim.

É lógico que a mítica do carro como símbolo de status social continuará prevalecendo, seja ele autônomo ou não. Um carro mais básico poderá abrigar uma turma fazendo uma mãozinha de truco enquanto se encaminha ao canteiro de obras; já as luxuosíssimas limousines levarão damas quatrocentonas, com seus imensos chapéus, às corridas no Jockey. Porém Jarbas, o chaufeur da família Bulhões, perderá o emprego. A menos que continue a serviço do clã para abrir e fechar portas. 




© Direitos Reservados
Imagem: www.autoguide.com

Comentários

  1. Claudete Amaral10:39 PM

    Sua imaginação é fértil, hein?????

    PARABÉNS!

    Boa semana que se inicia!

    Claudete

    ResponderExcluir
  2. André Albuquerque10:41 PM

    As formas de xingamento,também serão atualizadas,quando pintarem as "faias" ,penso eu.Excelente,Marcelo,humor ágil e certeiro.

    ResponderExcluir
  3. Antoniazi10:42 PM

    Então, Marcelo (Marcelo Pirajá Sguassábia). Ainda nos atuais, o Manuel, que tem uma barbearia no Bairro da Lapa, carta nova, saiu com sua mulher, a Dona Alcina, para um passeio. Quando voltou comentou: "Viu mulher, como as pessoas me conhecem? Uns dez gritaram "ô barbeiro"". E a Dona Alcina respondeu: "Percebi, também, Manuel, que eles conhecem muito bem a sua mãe"

    ResponderExcluir
  4. Lúcia Gonçalves10:42 PM

    Ahhhh....eu tenho até medo, já pensou isso funcionando em Brasil.....rsrsrsrsr.....

    ResponderExcluir
  5. Maria Helena Dix Carneiro10:43 PM

    Como sempre, a imaginação voa, viaja...

    ResponderExcluir
  6. Será que vai dar certo? sei não...Belo texto Marcvelo

    ResponderExcluir
  7. Marli Caron10:44 PM

    Será que vai dar certo? sei não...Belo texto Marcvelo

    ResponderExcluir
  8. Jorge Cortás Sader Filho10:45 PM

    Passa no bafômetro, é? Já deve ter muita encomenda! Abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  9. Clotilde Fascioni10:45 PM

    Que viagem!!! Olha meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia, o mundo está mudando mesmo e temos que nos adaptar, então porque não voarmos baixo literalmente, sem rodinhas? Evitaremos os buracos, pagar pedágios, seguir por caminhos improváveis e desconhecidos onde nem o GPS quer funcionar direito, subir em comunidades perigosas... penso que nos ajustaremos de forma mais fácil ainda, apenas aumentarão as vaidades,a competitividade entre modelos "mais inteligentes", como por exemplo; identificar o carro/robô da sogra que vem para o findi dando tempo para sair pelos fundos...hahahah Boa semana querido...♥☼☺♪

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …