Pular para o conteúdo principal

CHATO PRA MORRER




Há certa morbidez em falar de desejos póstumos, mas não convém adiar indefinidamente esse indesejável assunto. Seguem então algumas orientações, às quais peço obediência e respeito. 

. Sempre dormi de lado, sobre o braço direito e com as pernas levemente flexionadas. Meu caixão deve ser confeccionado respeitando essa posição, por mais estranho que possa parecer o seu formato quando fechada a tampa. E que seja também providenciado um pequeno travesseiro, roxo, com penas de ganso, que deixe a cervical reta e alinhada tanto quanto possível. Já que o sono será eterno, que não falte conforto a ele. 

. Falando em sono, o meu sempre foi muito leve. Como ninguém pode dar certeza definitiva sobre a inexistência de algum nível de consciência pós-morte, prefiro me prevenir quanto a eventuais ruídos que perturbem meu sossego. Assim, solicito a meus familiares que recubram o granito do túmulo com uma camada de 20 centímetros de cortiça, para que haja total isolamento acústico entre minha carcaça e possíveis defuntos-vizinhos chegados a uma bagunça. 

. O mencionado granito deve ter uma tonalidade entre o marrom e o rosa, numa nuance intermediária e cambiante ao longo do dia, dependendo da posição do sol.

. Diz o ditado que quem morre come grama pela raiz. Então, que minhas refeições sejam da melhor qualidade. Exijo grama do tipo esmeralda circundando a sepultura, pois pelas pesquisas que empreendi até o momento esta espécie é a que melhor resiste à infestação de tiririca e outras pragas daninhas. Na colocação, que as placas sejam dispostas simetricamente, que as regas sejam semanais - exceto de dezembro a fevereiro - e que as podas sejam efetuadas sempre que a grama atingir 3 centímentros de altura. Nem mais, nem menos. 

. Quando se morre, nem toda vaidade vai para a cova com o defunto. Há relatos de corpos desenterrados apresentarem excelente estado de conservação, mesmo com exumações feitas décadas após o óbito. Ainda que admitamos controvérsias na explicação do fenômeno, parece haver consenso de que caixões lacrados conservam o finado por mais tempo. Assim como muitas pessoas querem aparentar menos anos de vida, concedo-me o direito de aparentar menos anos de morte, e autorizo desde já a lacração do meu paletó de madeira por profissional habilitado na tarefa.
Solicito ainda que minhas roupas sejam de tecido 100% sintético, que demora centenas de anos para degradar completamente. Dessa forma, maiores serão minhas chances de parecer apresentável ao exumador. 



© Direitos Reservados
Imagem: pixabay.com

Comentários

  1. Que situação provocante que esse "futuro morador do sonho eterno" delineia a seus familiares, hein? Exigente demais. Seus "futuros vizinhos" que se preparem!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Claudete Amaral10:52 AM

    Oi!

    Esse cara deve ser nosso primo Beto!

    Uma ótima semana pra vc!

    Claudete

    ResponderExcluir
  3. Antoniazi3:17 PM

    ´Lembrou-me o que aconteceu com o Zé da Zilda, e também com o ator Sérgio Cardoso, Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sei o que aconteceu com o Sérgio Cardoso... Deve ser a pior das experiências que um ser humano pode ter. Chopin tinha frequentes pesadelos, nos quais acordava dentro do caixão. A paranoia era tão brava que ele pediu em testamento que seu coração fosse arrancado do corpo após constatada a morte. E assim foi feito.

      Excluir
  4. André Albuquerque3:19 PM

    Vai querer ser perene assim lá em casa...excelente,Marcelo.

    ResponderExcluir
  5. Lúcia Gonçalves3:20 PM

    Bom Dia, bom começar o dia lendo você ....
    Devemos respeitar os chatos e suas chatices até a morte e só....rsrsrsrsr.....

    ResponderExcluir
  6. Jorge Cortás Sader Filho3:20 PM

    Já pensei muitas vezes em ser cremado. Eita, eu morro e depois pego fogo? É dose! Podem enterrar mesmo. Assunto bom, para um fim de semana! Abração, Marcelo. Você é testemunha. Nada de cremação. Basta uma gotinha de éter nos olhos. Se não houver reação, enterrem!

    ResponderExcluir
  7. Maria Tereza Torres Mantovani3:21 PM

    Genial Marcelo Pirajá Sguassábia, temos o direito de pedir, já que a última morada é eterna. Só espero que demore. muito pra que ele seja atendido

    ResponderExcluir
  8. Clotilde Fascioni3:22 PM

    Muito bom fazer planos para quando morrer e a quem reclamar se não cumprirem? Será que existe Procon nas alturas e nas profundezas?
    Bom domingo meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia

    ResponderExcluir
  9. Jorge Cortás Sader Filho3:23 PM

    Eu, como não vou morrer, não estou nem aí! Vou encantar, quem me garantiu foi um tal de dr. Guimarães Rosa. Vamos nessa, Marcelão.

    ResponderExcluir
  10. Qual a razão de alguém querer exumar essa criatura? Isso, até em estado cadavérico , é capaz de fazer exigências.
    Valha-me, Marcelo, de onde desenterrou essa criatura ???
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Rita Lavoyer3:24 PM

    Qual a razão de alguém querer exumar essa criatura? Isso, até em estado cadavérico , é capaz de fazer exigências.
    Valha-me, Marcelo, de onde desenterrou essa criatura ???
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Luciana Sleiman3:25 PM

    Esse defunto vai longe! ��

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso11:13 PM

    A finalização me arrancou risos. Como vê, Marcelo, a morte não é totalmente oposta ao humor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …