Pular para o conteúdo principal

POR QUE NÃO O JALECO BRANCO NOS BONECÕES DE AR?




Sabe aqueles bonecões promocionais de ar comprimido, que ficam de chamariz na frente de alguns comércios de bairro? Estou pensando em colocar um na calçada do meu consultório. De jaleco branco e estetoscópio no pescoço, simpaticão como ele só. Não ria, por favor. Eu nunca falei tão sério.  

Com essa crise mais crônica do que todas as piores doenças juntas, precisamos sobreviver da mesma forma como sobrevivem quaisquer outros honestos e bem intencionados prestadores de serviços. A diferença entre um excelente médico e um ótimo mecânico, além do desnível social normalmente observado, é que a nossa "rebimboca da parafuseta" fica dentro de um organismo, e não em um motor. E quem é bom no trato de rebimbocas orgânicas tem mais é que se valorizar e buscar a merecida visibilidade. Sem dramas de consciência. Temos de disponibilizar nossos préstimos de maneira não apenas objetiva, mas também original. Cada vez mais original, se quisermos nos destacar em meio a um imenso e competente exército de bons profissionais labutando por um lugar ao sol.

Já comentei com meus colegas sobre esse projeto. Alguns deles falam em agressão à ética médica, consideram a ideia aberrativa e promocional demais para a natureza da nossa profissão. Mas argumento: o fato de ter um bonecão de ar comprimido em frente ao meu consultório me torna um profissional menos sério, menos qualificado ou menos comprometido com a idoneidade no exercício do ofício?

É muito bonitinho e elegante uma plaquinha discreta, em aço escovado ou vidro jateado, na recepção de uma clínica projetada por escritório de arquitetura. Concordo que é bem mais "clean" e condizente com a nossa nobre atividade. Só que é quase inútil, não cumpre a função de sinalizar e divulgar. Ninguém acha estranho um imenso muro pintado com "Funilaria do Tião - a 200 metros" e com uma seta vermelha apontando a direção do estabelecimento. Mas se eu coloco uma tabuletinha de nada escrito "Psiquiatra - logo ali", vão querer me internar. E a comunidade médica da cidade vai entrar com pedido de cassação do meu CRM.

Entendo que o mesmo se aplicaria a outros profissionais da saúde, como os dentistas. Uma clínica odontológica poderia muito bem ter um molarzão de ar comprimido bailando pra lá e pra cá na fachada, com raiz e tudo, bem branquinho para chamar bastante a atenção. Ou quem sabe um sorrisão gigantesco, tipo aquele bocão dos Rolling Stones, porque é isso mesmo que as pessoas buscam quando vão tratar dos dentes. 

Nos Estados Unidos, é corriqueiro ver médicos promovendo verdadeiras campanhas publicitárias sobre seus serviços. Normal. Só que aqui é feio, apelativo, dá a impressão de estar se matando cachorro a grito. Mas, afinal de contas, de onde vem essa equivocada noção de que o nosso sapato branco deve ter sempre salto alto?


Esta é uma obra de ficção, não refletindo necessariamente a opinião do autor.


© Direitos Reservados
Imagem: afinflaveis.com.br


Comentários

  1. Você encontrou a solução para a crise do sistema de saúde - o famigerado SUS!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Claudete Amaral12:15 AM

    Muito embora seja uma obra de ficção, que n/ denote a opinião do autor......ACHO UMA EXCELENTE IDEIA!


    Os argumentos são muito válidos....e, se eu fosse médica ou dentista, faria isso...tranquilamente!


    Desejo-lhe sorte!


    Um abraço!


    Claudete

    ResponderExcluir
  3. Clotilde Fascioni12:39 AM

    Interessante a idéia e totalmente viável se a cabeça do medico não for do mesmo conteúdo do boneco propaganda.
    Porque será que as pastelarias nunca tiveram essa idéia? Um pastelão gigante cheio de ar...
    Pelo menos não poderiam ser "taxadas" de propaganda enganosa... adorei Marcelo Pirajá Sguassábia. Suas idéias me encantam...������������

    ResponderExcluir
  4. André Albuquerque12:40 AM

    Excelente,acertou na mosca,Marcelo.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  5. Antoniazi12:41 AM

    É isso aí Marcelo Pirajá Sguassábia. Muito bom! Sabe que algumas religiões/seitas já estão colocando placas "Faz-se milagres"?

    ResponderExcluir
  6. Raymond Castro12:43 AM

    Mesmo se a comunidade médica da cidade entrasse com um pedido de cassação de seu CRM, com o corporativismo característico de nossos organismos de fiscalização de exercício profissional eu duvido muito que você tenha seu registro cassado. Vá em frente, pode ser legal e inovador!

    ResponderExcluir
  7. Rita Lavoyer12:44 AM

    Eu me proponho a ser o bonecão quando faltar energia para encher de gás o bonecão em questão.
    Gostei da provocação. Acho que dará mais que ser professora.

    ResponderExcluir
  8. Lúcia Gonçalves12:46 AM

    Muito bom... Adorei...e penso como ficaria algumas ruas..Rsrs..

    ResponderExcluir
  9. Toninha Moraes12:47 AM

    Em q chegou a situação dos médicos.Tem tantos médicos q tá precisando inventar uma tática pra conseguir pacientes.E tantos pacientes sem tática alguma nos hospitais implorando pra q apareça um médico.

    ResponderExcluir
  10. Jorge Cortás Sader Filho12:48 AM

    E eu nunca pensei nisso! Agora é tarde, estou velho! Mas agradeço a ideia, Marcelo.

    ResponderExcluir
  11. Dina Rentróia12:50 AM

    Dolorosamente verdadeiro...

    ResponderExcluir
  12. Paulo Marsiglio12:51 AM

    Quando você pensa que já viu de tudo, vem alguém e sugere um boneco inflável para médico... Boa ideia!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …