Pular para o conteúdo principal

O ROBÔ VAI ROUBAR



Pasme, porque a coisa é séria e assustadora. Um pedreiro, daqueles de mão cheia, que trabalha rápido e bem, consegue assentar até 600 tijolos ao longo de oito horas de serviço. Isso em condições ideais de temperatura e pressão, contando que o sujeito irá pular da cama disposto e louco pra botar a mão na argamassa. O robô, já concebido e no aquecimento para roubar seu lugar, assenta POR HORA cerca de 1500 tijolos - milimetricamente aprumados, sem desperdício de material, sem cantoria de pagode, sem parar para começar outro serviço enquanto não termina o que está fazendo ou para chavecar a mulherada que passa em frente à obra, com o manjado "ô, lá em casa!". Mais: sem salário, sem nunca ficar doente, sem FGTS, sem INSS, sem décimo-terceiro, sem greve, sem panetone e sidra de fim de ano. O máximo que vai exigir é uma ou outra borrifada de WD40 de vez em quando. Esse é um exemplo, para ficar só na construção civil. Juro que não quero estragar o seu Natal, nem o espírito de harmonia e fraternidade reinante, mas o poder de destruição da Inteligência Artificial promete não deixar pedra sobre pedra. Vai virar tudo do avesso e passar a Makita em milhões de pescoços.

Tem jeito de evitar isso? Não. Tem jeito de evitar as consequências disso? Também não. Então, fazer o quê? Tentar deixar menos árdua a remoção dos escombros e a reinvenção da roda. Fóruns de discussão e congressos mundo afora debatem a possibilidade de uma giga-tributação sobre os robôs, como forma de inibir sua utilização desenfreada e o resultante desemprego em massa. Aí então teríamos robôs em oferta abundante e a preços módicos, mas não teríamos empresários dispostos a arcar com o ônus de utilizá-los. Logicamente, a produtividade e a diminuição de custos prometidas pela Inteligência Artificial, que trariam uma brutal redução nos preços de tudo, ficariam pra depois. Afinal, de que adianta o mundo a preço de banana, se não tiver ninguém empregado e recebendo direitinho para limpar as prateleiras?

Pessimistas mais radicais profetizam que a automoção e o autosserviço tomarão conta de toda a cadeia econômica, e que funções burocráticas e mecânicas serão rapidamente varridas dos comércios e das indústrias. Até mesmo contadores, engenheiros, nutricionistas, analistas de laboratório e adestradores de foca estariam ameaçados de extinção para darem lugar ao fantástico poder dos algoritmos. Tudo bem, novas funções surgirão, mas com um potencial de empregabilidade infinitamente inferior ao número de humanos tornados obsoletos da noite para o dia. Não é difícil imaginar o aparecimento de fábricas moderníssimas, cujas inteligências artificiais produzirão artefatos de Inteligência Artificial para controlar robôs artificialmente inteligentes que executarão miríades de tarefas antes a cargo do pessoal de carne e osso. E o Nosso Senhor lá em cima assistirá a tudo isso com um olhar complacente e um sorriso de canto de boca, como quem já sabe desde o início dos tempos qual será o final dessa novela. Que Ele nos inspire e nos abençoe.




© Direitos Reservados

Comentários

  1. Amém... Pelas bênçãos Dele, tudo é possível sim!
    Mas, há muito eu já "profetizava" o fim do magistério... e quase apanhava na sala dos professores... Ainda hei de ver essa transformação!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Jorge Cortás Sader Filho10:25 AM

    E vai aparecer o primeiro robô corrupto da história!

    ResponderExcluir
  3. Clotilde Fascioni10:26 AM

    Muito bom para pensar... tempos novos , soluções novas. Bom Ano Novo para vc e para todos. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Andre Albuquerque10:27 AM

    Excelente Marcelo,lembrei do Hal de 2001,revoltado contra o criador.Ótimo texto,como sempre.

    ResponderExcluir
  5. Toninha Moraes10:27 AM

    Gostei do texto!

    ResponderExcluir
  6. Antoniazi10:28 AM

    A colocação de "...sem desperdício de material, sem cantoria de pagode, sem parar para começar outro serviço...." lembrou-me o pintor contratado pelo padre, com remuneração "por dia de trabalho", para pintar o interior da igreja. O padre flagrou o cara pintando a parede no mesmo ritmo em que cantava "ave, ave, ave Maria, ave, ave, ave Maria". Imediatamente informou que pagaria, sim, um valor fixo por todo o trabalho, quando pronto. O pintor, sem alternativa, aceitou e continuou o trabalho ainda cantando. Mas mudou para "Tico tico no fubá", Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
  7. Raymond Castro10:29 AM

    Há doze anos assisti um documentário que já profetizava tudo isso e em cores melancólicas. É a Matrix que já se anunciou e agora não tarda a chegar. Um futuro sem empregos aguarda ''nossos'' netos.

    ResponderExcluir
  8. Rita Lavoyer10:29 AM

    Ainda vai levantar da cama disposto a por a mão na argamassa. Isso nem é uma invenção. É um achado. Governo temer e a previdência vão adorar isso.
    Registro aqui meus votos de feliz Natal, Marcelo. Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  9. Maria Tereza Torres Mantovani10:30 AM

    O seu texto é perfeito e assustador para o nosso futuro. Feliz Ano Novo e um 2018 com muita Luz e Paz .

    ResponderExcluir
  10. Cristina Simões10:30 AM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  11. Sônia Maria Grisi10:31 AM

    Muito bom Marcelo! Esperar para ver!

    ResponderExcluir
  12. Luiz Ignácio10:34 AM

    Pelo jeito ele já robô

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral10:52 AM

    Não duvido que cheguemos a isso!


    Um bom Natal p/ vc!


    Claudete

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …