Pular para o conteúdo principal

NATAL CELULAR




"Bando de DNA amarga mais um Natal na cadeia", estampava a manchete dos principais jornais no dia 25 de dezembro. 
O menor, de alta periculosidade e conhecido no submundo do tráfico pelas iniciais DNA, comemorou as festas com uma palavra de ânimo aos seus comparsas: "Não é porque o DNA está na cadeia que o nosso Natal vai ser triste. Vamos lá, sorriam, sorriam, mesmo que seja atrás das grades. Pensem em visita íntima, broa de fubá com serrinha dentro, golpe do sequestro falso, crédito de celular aos montes. Pensem alguma coisa assim, bem bacana, e abram aquela risada gostosa para a nossa foto natalina anual".

Prosseguiu o famoso meliante, depois de umas três ou quatro taças de espumante de discutível qualidade:

"Mas espera aí, está todo mundo muito alinhadinho, assim fica falso e sem graça. Talvez umas serpentinas em cima e outras embaixo, envolvendo o pessoal, uma coisa mais festiva! Quero os grupos bem animados, como se fossem uns blocos de carnaval. Aliás, o carnaval tá chegando, daqui a pouco começa aquela sem-vergonhice nas ruas e não vai dar outra: exame de DNA pra tudo quanto é lado para reconhecimento de paternidade".

As festividades para o passa-fora de 2017 e a entrada de 2018 continuaram com os cromossomos:

" - Já que estamos os 46 reunidos, acho que vale uma foto para a posteridade.
- Mas a gente tá sempre junto...
- Eu sei, mas nunca ninguém lembra de tirar retrato. E hoje é uma ocasião especial. Porém já vou avisando que quem vier com o maldito trocadilho "Cromossomos felizes" vai ter a cabeça cortada na fotografia. E vou compartilhar a guilhotinada no Instagram.
Então vamos pro clique, vai. Digam X, digam X... ué, por que só a metade do povo tá sorrindo? Não entendi...

Em nível atômico, a animação não era menor:

Caramba, o elétron não para quieto, assim a imagem vai sair tremida. Gente, vamos colaborar! Deem só uma olhada no nêutron, que belezinha... Fica na dele, quietinho lá no núcleo, não se envolve em confusão e tá sempre bem na foto. 

A farra celular prosseguia, em sistema operacional Android e IOS:

" - Atenção células, vamos deixar um registro pra posteridade. O citoplasma, o núcleo e a membrana podem ficar ajoelhados em primeiro plano, aqui na frente. Na fila de trás ficam a mitocôndria e a organela, ok?"

E se completava em um hemograma completo:


"- No fundo, no fundo, o ser humano gosta é de ver sangue. Mesmo que seja em um mero exame de laboratório. E temos que fazer bonito! SUS, convênio, particular, o empenho tem que ser o mesmo, ok? Não vamos desapontar nosso organismo, pelo amor do Criador. Plasma, hemácia, leucócito, plaqueta... todos aí, né?
Sangue azul a esta altura já deve estar sendo perseguido pelos paparazzi, loucos por uma foto indiscreta pra revista Caras. Mas não é esse o caso da gente. Sangue vermelho como o nosso é o que mais tem por aí, e precisamos dar um jeito de nos diferenciar e agradar quem nos hospeda. Com essas campanhas de doação, se ele resolve dar uma de escoteiro vamos parar na geladeira do hemocentro. Temos que nos segurar por aqui, nem que seja pra esconder o ferro das lentes do microscópio e simular uma anemia". 

No reino vegetal, cliques, flashes e selfies culminaram em um instantâneo histórico, digno de moldura e lugar de destaque em qualquer parede:

- Gente, vamos fazer uma fotossíntese. Fiquem todos em clorofila aqui em frente à câmera, não quero deixar ninguém de fora. Atenção, sorrindo...




© Direitos Reservados



Comentários

  1. Luciana Sleiman2:42 PM

    Que texto bacana! Escritor sangue bom esse meu amigo! Que 2018 traga muita luz pra toda essa fotossíntese com que você nos brinda, porque a chuva a gente sempre leva um pouco também, né, e como diz o Almir "é preciso a chuva para florir". Vou marcar minha filha que é fã de Biologia nesse texto. Bjos, Luciana, Paolo e família

    ResponderExcluir
  2. Luciana Sleiman2:45 PM

    Isabel Sleiman, penso que você vai apreciar a originalidade e inusitado da coisa... Algumas lições de biologia e botânica não se esquecem mesmo em outras profissões. Crônica muito bacana do amigo Marcelo. Bjos

    ResponderExcluir
  3. Jorge Cortás Sader Filho2:47 PM

    A esta altura do campeonato surge mais uma cadeia, a DNA. Sofisticada, mas frágil aos invasores. Ou será que estou enganado? Não sei mais nada, a cadeia sempre assusta, mesmo aos inocentes!

    ResponderExcluir
  4. Clotilde Fascioni2:49 PM

    Mais um post sensacional. Adorei mais uma vez a sua criatividade. Boa semana e um ano cada vez mais criativo.

    ResponderExcluir
  5. Rita Lavoyer2:52 PM

    Fazer uma "fotossíntese e fiquem todos em clorofila" isso é coisa de gênio. só pode! Esse Marcelo deve ter cromossomos diferenciado dos pobres humanos , mero mortais. Só pode!! Feliz 2018, Marcelo Pirajá Sguassábia!! Pode! Pode sim!!!

    ResponderExcluir
  6. Leandro Lourenço2:54 PM

    Gostei do texto. Cheguei aqui através de indicação do Wagner Bastos, que foi meu professor. Como estou nessa batalha da escrita também e ele acompanha o que escrevo, me indicou suas publicações.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bacana, Leandro. Fico feliz que tenha gostado. O Wagner Bastos é um velho, bom e generoso amigo. Grandes abraços!

      Excluir
  7. Claudete Amaral2:57 PM

    NOSSA! Gente instruída....é outra coisa, hein????? Outro departamento!


    Um feliz Ano pra vc....sp com boas ideias....que é o que n/ lhe falta! Que imaginação!!!!!!!!!!


    Abração!


    Claudete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Claudete.
      Enquanto não reclamar, seguirei enviando esses meus devaneios. Abraços!

      Excluir
  8. Claudete Amaral2:59 PM

    kkkkkkkkkkk


    Então, vai continuar enviando sempre! pois nunca irei reclamar.....a n/ ser que vc pare de enviar!


    Abraços,


    Claudete

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi3:01 PM

    Boa tarde aproveitando os bancos de sangue precisam de doadores o estoque esta muito baixo.

    O governo e a saude publica ao inves de se preocuparem com campanhas para recompor os estoques, estão manipulando para arrumarem um caminho de serem eleitos em outubro......

    Abraços

    Rossi

    ResponderExcluir
  10. Mara Narciso9:33 AM

    Do micro ao macro, do animal ao vegetal, todos querem fazer "cara de retrato".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …