Pular para o conteúdo principal

COCA-COLA EM PESSOA



Pouca gente sabe, mas o grande Fernando Pessoa já fez free-lance para a Coca-Cola nos anos 20, quando da entrada da bebida no mercado português. 


- E então, senhor Fernando? Já temos o nosso slogan?
- Aqui está. “Coca-Cola. Primeiro, estranha-se. Depois, entranha-se”. Que me diz?
- Bem... eu entendi o jogo de palavras, muito engenhoso, diga-se. Mas...
- Mas?
- Eu não gostei da primeira parte da mensagem, a impressão que se tem é que o nosso produto causa uma reação negativa. Senhor Fernando Pessoa, se estivesse em meu lugar, precisando de resultados e vendas, sendo cobrado pela matriz e necessitando consolidar a Coca-Cola no mercado lusitano, iria aprovar uma barbaridade dessas?
- Ora pois, que há de errado com o reclame?
- Ao usar o termo "estranhar", o nobre escritor já levanta a lebre que a bebida pode parecer a princípio repulsiva.
- Mas só a princípio. A segunda parte do slogan já rebate essa estranheza.
- Eu entendi o seu raciocínio. Na sequência, temos o "depois entranha-se", querendo dizer que, logo em seguida, o refrigerante passa a ser apreciado. Mas, olha, serei sincero: esse "entranha-se" também não me agrada de forma alguma. Entranha me lembra víscera, tripa, o que não combina nem um pouco com a sensação de sabor e refrescância prometidos pela nossa deliciosa Coca-Cola. 
- Devo entender então que a minha frase foi reprovada por completo? O senhor está fazendo pouco do grande Fernando Pessoa, um gigante à altura de Camões? Um gênio tão inspirado que, não se bastando, teve de criar heterônimos para dar vazão a tudo o que tem a dizer?
- Heterônimos?
- Sim. Tenho dezenas deles, mas quatro são mais famosos: Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Bernardo Soares. 
- Entendi. Eu tenho uma sugestão a fazer: por que você não passa a criação do slogan para esses quatro amigos seus? Vai que sai alguma coisa que preste...
- O senhor não entendeu coisíssima nenhuma. Os quatro são eu mesmo. Eu os criei, cada qual com um estilo peculiar. 
- Então! Mais um motivo para passar esse trabalho a eles. Serão quatro estilos diferentes pensando no nosso slogan. Isso é até bom, pois as opções serão provavelmente bem diversificadas. Vocês fazem uma concorrência entre si, e quem fizer o melhor fica com o dinheiro do freela.
- Mas todos eles são uma única pessoa. O senhor sabe o que são heterônimos?
- Olha, não me interessa se é heterônimo, se é Jerônimo, se é Antônimo, se é Anônimo, o que eu quero é o meu slogan. E que seja único e original, como é a Coca-Cola!
- Bem, eu tenho aqui comigo uma segunda opção. Algo assim: "Tudo vale a pena se a Coca não é pequena". Profundo, heim?
- Então, mas aí o senhor valoriza demais os outros tamanhos do refrigerante, e ao mesmo tempo diz que a Coca pequena não presta. E é das pequenas que vendemos mais! Por favor, senhor Pessoa. Admita que as opções não estão lá essas coisas e bote novamente essa sua privilegiada cabeça pra funcionar. A sua e a dos seus amigos, esse Jerônimo e tudo mais. Boa sorte, nos falamos na próxima semana. 






© Direitos Reservados

Comentários

  1. A apelação da Coca-Cola agora é por outras "Pessoas"... Já observou o marketing atual? Vale de tudo para "vendas" mesmo de marcas já consagradas... Heterônimos"? Nem pensar!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Joca Faria11:01 AM

    Decidi não usar mais redes sociais deve ser meu inconsciente. Querendo ler obras com este imenso talento.

    ResponderExcluir
  3. Claudete Amaral11:02 AM

    Oi, amigo!


    É duro entender GÊNIO! rssssss


    Um abração e uma boa semana!


    Claudete

    ResponderExcluir
  4. Daniel Santos11:06 AM

    O frila de Pessoa deve lhe ter rendido muito desassossego, mas serviu de mote a esta crônica refrescante que o leitor bebe geladinha, muito a calhar nesta época carnavalesca. Parabéns, mestre Marcelo!

    ResponderExcluir
  5. Cida Córdoba11:07 AM

    Coca-cola vicia e nāo é bom...eu gosto, mas procuro evitar...

    ResponderExcluir
  6. Leandro Del Tedesco11:07 AM

    Muito bom e viciante, tal qual a Coca!

    ResponderExcluir
  7. Lúcia Gonçalves11:08 AM

    E assim estranhamente entranhada faz estragos...rsrsrs
    Parabéns Marcelo, Bom Final de Semana !!

    ResponderExcluir
  8. Martha Tavares Pezini11:09 AM

    Gostei, bebi sua coca. Esta foi boa porque bebida entra amigos, pois geralmente não bebo isto! Assim evito o entranhamento! Abraço

    ResponderExcluir
  9. Antoniazi11:09 AM

    Lembrei-me, Marcelo (Marcelo Pirajá Sguassábia), de um fato que me contaram, lá na década de sessenta do século passado, sobre a proposta de um funcionário novo na área de marketing da antiga Companhia Industrial de Conservas Alimentícias, em Jundiaí. Ele propôs a mudança daquela assertiva "Se a marca é CICA bons produtos indica". Foi demitido no mesmo dia.

    ResponderExcluir
  10. Jorge Cortás Sader Filho11:10 AM

    Coca-Cola com Fernando Pessoa? Era misturada com rum ou vodca, pois o colega bebia pouco mais do que eu? Pisa fundo, Marcelo Pirajá Sguassábia!

    ResponderExcluir
  11. Mauro Zornoff11:11 AM

    Esse era um personagem que interpretava vários ser em um só,chegou até a ter contato na França com o Papa do Ocultismo(Aleister Crowlley)

    ResponderExcluir
  12. Teresa Lopes11:11 AM

    Muito bom...

    ResponderExcluir
  13. Clotilde Fascioni11:12 AM

    Adorei, deve ser muito legal, mas reconheço muito difícil trabalhar nesse ramo que vc domina, o de criar frases para convencer o cliente das qualidades do produto. Adorei e vivo entranhada no gosto de ler suas postagens amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Boa semana.

    ResponderExcluir
  14. Marcia Ranzen11:20 AM

    Adorei!!!

    ResponderExcluir
  15. Lidia Maria de Melo9:08 AM

    Já fui fisgada pela ambiguidade do título: Coca-Cola em Pessoa.

    ResponderExcluir
  16. Rita Lavoyer9:09 AM

    Coca cola é isso aí..
    Gostei muito do texto, Marcelo. Parabéns e bom carnaval.

    ResponderExcluir
  17. Alda de Miranda11:05 AM

    Muito engraçado este texto que li hoje do colunista Marcelo Sguassábia. Feliz de mim que resolvi espiar o jornal. Imagine Fernando Pessoa tentando aprovar um slogan. Publicitários entenderão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …