Pular para o conteúdo principal

PLASMEM!!!*



Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas em manter simultaneamente até 400 ou 500 jovens, em regime de alimentação ultrabalanceada, verdadeiros resorts juvenis, para que cada hóspede faça, entre um squeeze de megamass e outro, coletas seguidas de plasma rejuvenescedor. Ao preço que o mercado americano se dispõe a pagar, calcule o rendimento mensal a que cada molecote fará jus...

Só que aí começam os “poréns”. O aumento galopante da expectativa de vida, que é um problema sério a ser equacionado pelos sistemas previdenciários do mundo todo, ganhará um agravante cavalar – já que todos os bípedes falantes tornariam-se potencialmente candidatos à vida sem prazo de validade. 

Não é preciso ter bola de cristal para antever que os doadores, que tão facilmente resolveriam seus problemas financeiros, acabariam tendo nos velhos rejuvenescidos os seus rivais. Isso porque os velhos, ao se tornarem jovens outra vez, irão querer  para si a boquinha de 8000 verdinhas por transfusão. O colapso virá quando todos se tornarem jovens e não houver mais velho nenhum querendo pagar rios de dinheiro pelas transfusões. Antes da falência total do esquema, o excesso de oferta já terá feito o ouro vermelho despencar a valores aviltantes, pois a oferta será enorme. 

Enquanto isso os neo-jovens, com hormônios saindo pelo ladrão, copularão desenfreadamente, ocasionando um baby-boom sem precedentes. Até que um dos recém-rejuvenescidos, mais esperto que a maioria dos seus pares, terá a genial ideia de tentar uma transfusão sanguínea de um desses bilhões de bebês para um colega-cobaia. Esse sujeito rejuvenescerá e voltará aos seis meses de idade. O raciocínio é lógico: por que sermos jovens se podemos voltar a ser bebês???

Todos então virariam bebês e o mundo se tornaria ingovernável. Mas um esperto preferirá não fazer a transfusão e tornar-se o rei do pedaço, por ser o único adulto remanescente em meio a hordas de lactentes.

Como toda fleuma e sabedoria, deixará que a idade lhe traga naturalmente a experiência que só os mais velhos podem ter. Usufruirá dela até os seus 90, e só então partirá para os rejuvenescimentos, que o permitam continuar sendo o mais velho do planeta, sem os percalços que a velhice traz.  E será para sempre o dono do mundo, como se fosse um dono de creche. 

*Ficção inspirada em estudo científico real.



Imagem: pharmamicroresources.com
© Direitos Reservados


Comentários

  1. Angela Tuti11:07 AM

    Parabéns gostei muito! Ficção mas dentro da visão sistemica pode ser uma realidade!!!

    ResponderExcluir
  2. Clotilde Fascioni11:12 AM

    Fiquei plasmada meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Não consigo me imaginar num berçário gigantesco ouvindo vagidos famintos por toda parte enquanto mil fraldas me aguardam para serem trocadas. Acho que prefiro as minhas rugas mesmo...

    ResponderExcluir
  3. Sonia Maria Grisi11:13 AM

    Seria até engraçado vivenciar tudo isso! Quem tomaria conta desses bebês? Kkk

    ResponderExcluir
  4. Rita Helena Neves11:14 AM

    Parece filme de ficção científica, Marcelo. Dá medo...

    ResponderExcluir
  5. Jorge Cortás Sader Filho11:15 AM

    Não apresentar imposto de renda, alegando ser 'di menor' e outras vantagens congêneres! Só uma pequena vantagem, para exemplificar.

    ResponderExcluir
  6. Daniel Santos11:15 AM

    O tempo gagueja, e parecemos condenados a repetir 1984 'ad aeternum' num mundo fútil e materialista, agoniado na sua impossibiliddae de encontrar a saciedade. Tua crônica, caro Marcelo, faz severa advertência que deveria preocupar homens da ciência. Parabéns pela argúcia.

    ResponderExcluir
  7. Antoniazi11:16 AM

    Haja fraldas!

    ResponderExcluir
  8. Nicente Campos11:17 AM

    Uma ficção que só um mestre como você, conseguiu me fazer raciocinar. Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …