Pular para o conteúdo principal

MEZZA MARACUTAIA, MEZZA SAFADEZA




Bom dia, Doutor Aristenes

Escalei o estagiário de nossa banca de advocacia para elencar algumas possíveis alegações de defesa para o caso do nosso cliente, Rodrigo Lurdes, filmado em flagrante com mala de dinheiro saindo da pizzaria em São Paulo. Trata-se de demanda difícil e a bem dizer indefensável, mas como o primeiro time do nosso escritório só poderá se envolver com a causa a partir da semana que vem, imaginei que nosso talentoso estagiário já poderia ir adiantando alguma coisa. 

Seguem os apontamentos do rapaz, para sua análise.


. Alegação de defesa 1

O montante de 500 mil reais dentro da mala se trataria de dinheiro falso, ainda que aparentemente idêntico ao verdadeiro. Nossa tese se embasaria no "fato" (versão construída) de Rodrigo Lurdes ser, concomitantemente à atividade parlamentar, um fornecedor da indústria de brinquedos, e que estaria levando amostras de dinheiro sem valor para aprovação do dono da empresa, que estaria lançando o "Novo Banco Imobiliário". Como as crianças de hoje não mais se deixam seduzir por qualquer porcaria mal-acabada, a semelhança com o papel moeda legítimo seria resultado da excelência profissional de nosso cliente, na intenção de satisfazer as exigências qualitativas da indústria e do consumidor em relação ao produto fornecido.
Evidentemente, o juiz do caso submeteria o dinheiro da mala a uma análise pericial. É claro que esta apontaria o dinheiro como real, mas a defesa recorreria, de instância a instância, baseada no argumento da alta tecnologia empregada pelo pretenso fornecedor, tornando o fake indistinto do original. 


. Alegação de defesa 2

O dono da pizzaria seria sócio ou testa de ferro de Rodrigo Lurdes. Nosso cliente estaria lá para retirar o faturamento acumulado de dois anos, mantido em espécie no estabelecimento. Ainda que pouco usual, o procedimento não pode ser considerado ilícito. 


. Alegação de defesa 3

Argumentamos que Rodrigo Lurdes é proprietário da pizzaria, e que acreditaria estar carregando uma mala cheia de molho Pomarolla vencido para devolução ao supermercado onde supostamente foi adquirido. Entretanto, antes que saísse para a rua, ainda dentro da pizzaria, a mala com Pomarolla teria sido criminosamente substituída pela recheada com dinheiro. A defesa sustentaria a tese de que a troca foi provavelmente realizada por membros do Partido dos Batalhadores, com o intuito de incriminar Lurdes. 


. Alegação de defesa 4

Rodrigo Lurdes seria um recém-convertido à bancada evangélica do Congresso. A pizzaria, na verdade, escamotearia um templo da seita "Lurdes dos Inválidos". O dinheiro no interior da mala corresponderia às oferendas recolhidas no dia ou acumuladas no mês. 




© Direitos Reservados

Comentários

  1. E, pensar que tudo, ou quase tudo, começou em uma "pizzaria" e, vai acabar em "pizza" de sabores variados, com prazo de validade vencido, e nada agradável ao paladar de um exigente freguês... Novo sabor: "PizzaCanalhada"...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Beth Entrementes5:01 PM

    Muito bom, como sempre...
    Essa alegação 1 dei muitas risadas.
    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Martha Tavares Pezzini5:05 PM

    Com essa chamada, tô indo agora! Abraço Marcelo!

    ResponderExcluir
  4. Clotilde Fascioni5:06 PM

    Muito bom

    ResponderExcluir
  5. Doroni Hilgenberg5:07 PM

    Saindo de uma pizzaria, só podia dar nisso...

    ResponderExcluir
  6. Mary Maia5:08 PM

    Achei interessante a ideia de um ''Novo Banco Imobiliário'' ...rs Parabéns, Marcelo, por mais um texto inteligente. Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni5:09 PM

    Muito bom. Achei as alternativas quase convincentes...bom findi Marcelo PirajáSguassábia... abçs.

    ResponderExcluir
  8. Rita Helena Neves5:10 PM

    E assim caminha o Brasil :
    Delírios jurídicos na defesa dos indefensáveis.
    Excelentes "argumentos" de defesa, Marcelo!
    Cada dia pior...

    ResponderExcluir
  9. Jorge Cortás Sader Filho5:10 PM

    Que bela pizza, Marcelo! Quatro hipóteses bastante convincentes!

    ResponderExcluir
  10. Antoniazi5:11 PM

    Então Marcelo Pirajá Sguassábia. Duas e meia da madrugada o malandro ia saindo de uma chácara carregando uma leitoa, viva, nas costas. Foi flagrado pelo dono da chácara que gritou: "Ei. Tá roubando a minha leitoa, malandro.". Veio a resposta: "Leitoa? Quem foi que pôs ela aqui nas minhas costas?".

    ResponderExcluir
  11. Maria Tereza Mantovani5:12 PM

    Esse estagiário é danado hein Marcelo? ??!!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Lúcia Gonçalves5:13 PM

    Ótimo Marcelo !! A opção 3...é bem por aí...
    A opção 4, não gera conflito na cominidade ...rsrsrsrsr
    Roubartilhando..Mui Grata !!
    Boa Noite e Ótima Semana !!

    ResponderExcluir
  13. Rita Lavoyer5:13 PM

    Hum..... e eu nem gosto muito de pizza... mas dessa gostei e o Rodrigue Lurdes deve estar traumatizado de tanto levar pizza de palmito pelas costas. Palmito ele até que gosta, mas inteiro sempre machuca.

    ResponderExcluir
  14. Mara Narciso1:39 PM

    Todas as argumentações são palatáveis, tal qual a pizza do lugar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …