Pular para o conteúdo principal

DANDO PIPOCA AOS MACACOS




"Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Pra ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos"
(Raul Seixas - "Ouro de Tolo")



A disputa com o ex-futuro cunhado no ossinho da sorte, depois do almoço de sábado. O ato de contrição, a confissão, a hóstia, o Cristo vivo e ressuscitado no coração. O vale-ducha do posto de gasolina para quem abastece trinta ou mais litros de segunda a quarta. O lustro com Kaol na prataria, o zelo com o par de abotoaduras, os sapatos pretos e prontos para a reunião da associação de bairro, a imagem de São Cristóvão no retrovisor do Clio.

Vai que um pneu fura, é bom lembrar de calibrar também o estepe. Vai que chega lá e não tem mais mesa, é bom se precaver e reservar com antecedência o lugar para a família no jantar de caridade. Vai que o tempo fecha de repente, é bom carregar sempre um guarda-chuva na maleta. Vai que o chefe resolve chegar mais cedo, é bom já estar a postos, meia hora antes de todos, para não correr o risco. Vai que o cuco não desperta, é bom dar corda até o fim, e assim que endurecer ainda forçar mais um pouco, para dormir sossegado e amanhecer bem disposto. 

Deus me livre de dar palpite onde não sou chamado, mas a filha caçula do vizinho anda metida com um tranqueira. Longe de mim maledicência e intrigra, mas é mesmo muito estranho um homem temente aos céus andar assim tatuado, com cinco filhos nas costas e patente de major. Olha, não é por nada não - até porque eu nunca liguei para essas coisas - mas que ali tem, isso tem. E como tem. Misericórdia...

Não foi por falta de aviso que a coisa deu no que deu, o quanto que eu alertei! Se conselho fosse bom ninguém dava - vendia; mas como já vi muita água passar por debaixo da ponte, não ia deixar meu compadre ser o último a saber. 

Eu posso não ter nem a metade do que esse sacana do meu chefe acumulou tungando os outros, mas quando eu chego em casa eu boto a cabeça no travesseiro com a consciência tranquila. E ele, será que? Nada como um dia depois do outro para ver quem ri por último. Essa lição e esse exemplo eu trouxe do meu pai. Esse sim, sabia tudo. 

Quando eu tinha sua idade, também tinha pôster, boina e barba do Guevara. Quando eu tinha sua idade, experimentei mas não traguei. Quando eu tinha sua idade, também queria virar o mundo do avesso. Quando eu tinha sua idade, devia ter perdido menos tempo com bobagem e assistido mais episódios do mundo submarino de Jacques Cousteau. Quando eu tinha sua idade, me segurei e respeitei sua mãe até o casamento. Quando se tem 20 e não se é comunista, o sujeito é mau caráter; quando se chega aos 40 e se permanece comunista, o sujeito é retardado.

Nem adianta eu tentar te convencer agora que você está errado, é só quebrando a cara que você vai mudar de ideia. O tempo vai ensinar. Escuta bem o que eu estou te falando.


Imagem: mobilityhelp.com
© Direitos Reservados

Comentários

  1. Um "discurso" cheio de verdades... "Quem viver verá!!"
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, você escreve certo por linhas tortas, porque pelo dedo se conhece o gigante.

    ResponderExcluir
  3. Será que estamos todos "Como nossos pais?". É bom não nos esquecer, então, de manter a pressão, glicemia, colesterol sob controle... veja que enquanto eles se contentavam com dentaduras, nós queremos implantes. Ô vida
    :-D

    ResponderExcluir
  4. Bernadete Valadares10:21 AM

    Não raro, dou pipoca aos macacos! Não aos domingos, pois sou professora (de adolescentes!). Trabalho de segunda a sexta...Sei da importância de dar tempo ao tempo, mas não me descuido das pipocas...(rsrs).

    ResponderExcluir
  5. Eu escuto, Marcelo, eu escuto. O estepe, por exemplo, está sempre calibrado. Molho com meia garrafa de 51.

    ResponderExcluir
  6. Jorge Cortás Sader Filho10:21 AM

    Eu escuto, Marcelo, eu escuto. O estepe, por exemplo, está sempre calibrado. Molho com meia garrafa de 51.

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni10:22 AM

    Frases perfeitas para um mundo imperfeito. Bom domingo meu querido.♥ Adorei o texto de hoje também♥

    ResponderExcluir
  8. Antoniazi10:23 AM

    É, Marcelo Pirajá Sguassábia. Como naquela música do Raul Seixas, "Pare o Mundo que eu quero descer.". Legal!

    ResponderExcluir
  9. Rita Lavoyer10:23 AM

    Eita, mas que esse filho ainda vai ter que arrumar emprego para pagar as próprias contas, ahhhh, vai! Quero ver quem mesmo vai ser comunista com o dinheiro dele. Até o macaco vai levar uma sova dele se tentar roubar-lhe uma pipoca comprada com o suor do seu rosto. filho...

    ResponderExcluir
  10. Luiz Ignácio10:24 AM

    Desde que não dê pérolas,tudo ok

    ResponderExcluir
  11. Claudete Amaral Bueno10:25 AM

    Texto muito interessante! Só vc mesmo!!!!!!


    Uma boa semana!


    Claudete

    ResponderExcluir
  12. Beth Entrementes10:28 AM

    Dessa vez você postou no domingo.

    Eu gosto desse trecho:

    "Eu devia estar contente
    por ter conseguido
    tudo o que eu quis
    Mas confesso, abestalhado,
    que eu estou decepcionado
    Por que foi tão fácil conseguir
    e agora eu me pergunto: e daí?"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …