Pular para o conteúdo principal

Ó DE CASA!




A labuta acontecia no aconchego do lar, gostava e nem se lembrava mais do tempo em que não era assim. Full-time home-office, desde 1996, no quartinho de empregada promovido a escritório. 

No começo passava por fax os cálculos, análises, avaliações, laudos e relatórios, depois via email, skype, messenger e whatsApp. A cadeira veio da Etna, a mesa da TokStok, o computador do Submarino, o telefone sem fio da Americanas ponto com.

Visto em público pela última vez em novembro daquele remoto 96, quando consultou um médico para examinar umas estranhas brotoejas no pescoço, justificou a saída em seu diário como se fosse uma falta grave a ser redimida.

Pedia as compras de mês pelo Extra Delivery, os remédios pela Ultrafarma, uma faxineira a cada 20 dias pelo diaristaonline. Por se tornar inútil, vendeu o Escort XR3 que tinha com um anúncio no Mercado Livre. 

Uma máquina de cortar cabelo chegou pelo shoptime em meados de 2012, eliminando do rol de despesas mensais fixas o cabeleireiro em domicílio.

Sempre adorou cães, e os adotava vendo suas fotos nos sites das ONGs protetoras de animais.

Ano passado teve um mal súbito cardíaco, muito provavelmente por não ter descoberto a tempo um plano de saúde que incluísse consultas e exames domiciliares.

Foi enterrado no quintal, com todas as honras humanas e caninas, ao lado do Acerola, do Tarzan, da Belinha, do Sunny, da Lililica e do Scooby. Pichuca, a poodle toy que tinha quando se foi, urinou nas flores sobre a sepultura, provavelmente intuindo que assim homenageava o dono.  

Antes da missa de sétimo dia, encomendada por telefone pela esposa e divulgada por post no facebook, chegou um pacote da Amazon com o livro sobre comunicação com os mortos - lido e relido pela viúva na rede da varanda e praticado regularmente na mesa da sala de jantar. 

© Direitos Reservados
Imagem: www.tudopracarro.com.br





PS: Ninguém compareceu à missa de sétimo dia, nem mesmo a esposa. Todos elevaram seus pensamentos e fizeram suas preces de casa mesmo. Como o próprio finado costumava dizer, "o que vale é a intenção".

Comentários

  1. Olhe... caminho para isso, viu... "o que vale é a intenção"... sem dúvida alguma!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante o seu blog.
    Vou ler mais para
    depois comentar.
    Aguardo sua visita.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  3. Martha Tavares Pezzini6:42 AM

    Meu primeiro livro foi escrito no quarto de empregada/escritório!

    ResponderExcluir
  4. Jorge Cortás Sader Filho6:43 AM

    Eita! Passa lá: preço dum Jaguar XK-E? Abração. Jorge.

    ResponderExcluir
  5. Nicete Campos6:44 AM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  6. Clotilde Fascioni6:46 AM

    Hahahaha... muito bom, de vez em quando eu também entro nessa de não querer sair de casa...
    Adorei!

    ResponderExcluir
  7. Mara Narciso4:46 AM

    É o que se pode chamar de vida real virtual.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …