Pular para o conteúdo principal

REZADORES



Se há carpideiras, por que não há rezadores?

Desde que executada com a responsabilidade e o respeito que todas as religiões merecem, e desde que também aceita de boa vontade pelas diferentes esferas da corte celeste, talvez a ideia vingasse nesse estranho mundo de meu Deus.

O ofício dos rezadores (pelo menos o que imaginei) se aproxima muito do das mulheres carpideiras, pagas para chorar os finados - sem que tenham nutrido por eles a mínima simpatia ou tido, em vida, vínculo de parentesco ou ao menos de vizinhança.  

Os rezadores fariam as vezes de quem teria que rezar, cumprindo  a obrigação de outro. Seja uma penitência estabelecida por padre no confessionário, seja simplesmente para fazer a reza no lugar do freguês, em intenções diversas designadas por ele.

Dois fatores se somam para que os rezadores já chegassem se apossando de um contingente enorme de interessados nos seus préstimos. Por um lado, temos a escassez de tempo das pessoas. Por outro, o interesse cada vez maior delas por espiritualidade, esoterismo e derivações correlatas. Se não conseguem se livrar das agruras desse mundo, sabem também que dele nada se leva, e querem garantir um cantinho com algum conforto lá no andar de cima. 

A aferição da qualidade do serviço seria feita por fervorômetro, aparelho desenvolvido em start-up de ponta com aportes de investidores internacionais. Como o nome diz, o aparelho mediria o fervor da prece, com base na variação do campo magnético na aura do rezador. Os relatórios e gráficos de performance seriam enviados em tempo real para o cliente.

Dependendo da necessidade e da urgência, o contratante poderia adquirir os serviços de mais rezadores. Os módulos abrangeriam de um a milhares deles, que iriam se alternar em turnos de oração ou rezariam simultaneamente, conforme o pacote escolhido. 

Sendo o serviço desvinculado de qualquer religião, este teria de ser prestado em espaço neutro e ecumênico. Call-centers de grandes multinacionais, vazios devido à crise, certamente estariam sendo locados para os ofícios de prece coletiva.

Não aprovaria, intimamente, a novidade. Mas não me espantaria se a visse, amanhã mesmo, posta em prática. E logo ali, na esquina.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Olhe, do jeito que tudo se transforma... Logo mais teremos essa prestação de serviço, com certeza! O "fervorômetro" seria o máximo! Santinhos, tercinhos e lembrancinhas distribuídos por drone. Um empreendimento que tem tudo para dar certo!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Bernadete Valadares11:14 AM

    Eu também não aprovaria a novidade, mas já deve ter alguém pensando num aplicativo para a solicitação do serviço!...E diante da crise ética e da falta de seriedade, o negócio irá "bombar", como dizem meus alunos.

    ResponderExcluir
  3. Rita Lavoyer11:16 AM

    Ah, mas tem umas seitas que já pensam em montar esses grupos de rezadeiros, hein.

    ResponderExcluir
  4. Antoniazi11:22 AM

    Excelente Marcelo Pirajá Sguassábia. Quase nada a ver, mas tem a ver com orações, lembrei-me do caso da professora que indagou do Toninho de que ele tinha medo. Toninho disse que "da mula se cabeça". A professora esclareceu que no caso era uma lenda, e que não havia razão para ter medo. Aí pergunto u para o Marcelinho. Marcelinho disse que tinha medo so saci-pererê. A professora disse, também, que era uma lenda, não justificando ter medo. Quando perguntou para a Mariazinha ela disse que tinha medo do "malamem". A professora pediu que a Mariazinha essclarecesse sobre o "malamem". E disse ela: "Toda noite quando minha mãe reza e termina pedido pra Deus "nos livrar do malamem". Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Clotilde Fascioni11:23 AM

    Tenho "quase" certeza que já existe algo em andamento na área de terceirização de orações meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Penso que nesse mundo pouco falta para inventar... Abrçs e bom domingo.

    ResponderExcluir
  6. André Albuquerque11:24 AM

    E aceitar cartão de credito,claro.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho11:24 AM

    "A greve acabou, graças a Deus." Pastor Feliciano riu... Deputado federal!

    ResponderExcluir
  8. Beth Entrementes11:26 AM

    Esse serviço ia render muito, eu acho!
    Agora que é bizarro e ao mesmo tempo hilário é o querer garantir um cantinho com algum conforto lá no andar de cima.
    Texto muito legal!

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi11:27 AM

    Bom dia otima semana.

    Então OREMOS........AMÉM

    Abração

    Marco Rossi

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno11:28 AM

    Sem comentários!


    Uma boa semana pra vc!


    Claudete

    ResponderExcluir
  11. Mara Narciso12:03 PM

    Quem reza é que vai para o céu, ou quem contratou seus serviços?

    ResponderExcluir
  12. A vida vai seguindo assim: entre novidades e devaneios.
    Otima postagem!
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

PLASMEM!!!*

Eis que, entre tentativas e erros, feridos e mortos, a coisa – que é aquilo que mais se aproxima do sonho humano da eterna juventude, aparece finalmente em 2018 como algo plausível. Com 100% de eficácia em ratos, e ao que tudo indica em homens também.

Trata-se da transfusão de sangue de pessoas novas para mais velhas,  algo acalentado há séculos pela ciência. 

Mesmo ainda sem o aval definitivo dos pesquisadores envolvidos nos estudos, o pretenso milagre já está à disposição de quem tem bala para pagar. Nos Estados Unidos, há filas de gente, com 35 anos ou mais, sem dó de bancar 8.000 dólares por procedimento.  

Com a falta crônica de perspectivas de trabalho para os jovens do terceiro, do segundo e até do primeiro mundo, a nova técnica e sua disseminação trará, mais do que a perspectiva de rendimento, um doce meio de vida para a rapaziada até o momento tão sem norte.

Muitos sairão do desemprego para uma vida milionária, da noite para o dia. 
Não demora e aparecerão clínicas especializadas …