Pular para o conteúdo principal

TÉCNICAS INFALÍVEIS DE EMAGRECIMENTO



A primeira técnica é facílima: o lábio inferior e o superior devem se encontrar e manter permanente contato ao longo do dia, de tal maneira que a língua e os dentes estejam por eles encobertos - impedindo, assim, a prática mastigatória. 

Já são dezenas de milhares de médicos brasileiros que defendem a prática, por motivos elementares. Sustentam eles que manter os lábios encostados um ao outro implica em gasto calórico mínimo, inibindo a fome. Em contraposição, o movimento muscular que o indivíduo faz para separá-los ao abrir a boca, acrescido ao esforço ósseo-articulatório de contração e expansão mandibular, resulta em cansaço e posteriormente em aumento de apetite - o que acarreta em mais ingestão de comida. 

Em consequência da inércia a ser observada pelo obeso que segue essa orientação, pode-se afirmar com toda certeza que não é preciso fazer NADA para emagrecer. Rigorosamente nada, e quanto mais nada se fizer, mais o emagrecimento engordará os resultados. Ainda que essa constatação possa parecer paradoxal.

Todavia, como em tudo na vida, a fórmula revolucionária encontra opositores ferrenhos na mesma medida em que arrebanha entusiastas. Argumentam os primeiros que, se as coisas fossem simples assim - ou seja, que para emagrecer basta que não se coma nada - médicos endocrinologistas já estariam milionários na prescrição do método a seus pacientes. 

Mas há outras novidades no horizonte. A dieta do carboidrato fatiado chega para bombar o já bilionário mercado das academias e clínicas de estética. Sua premissa é simples e a execução descomplicada. Sendo o carboidrato em geral constituído por carbono, hidrogênio e oxigênio, descobriu-se em pesquisas laboratoriais que é a ingestão simultânea desses compostos que causa o ganho de peso. Já o consumo isolado dos mesmos não acarretaria prejuízo algum à silhueta. Vai daí que a pessoa pode se fartar de sanduíche de carbono, oxigênio ao molho 4 queijos ou mesmo sucessivas empadas de hidrogênio que nenhum efeito engordativo se notará.

Há no entanto a salientar que o termo "fatiamento", aqui utilizado, se refere à ingestão em separado de cada um desses elementos, e não aos mesmos servidos em fatias numa mesma refeição (que causaria, fatalmente, o indesejado ganho de peso).

Uma outra corrente médica levanta a hipótese de que ingerir alimentos é uma atividade primitiva, a ser naturalmente banida dos nossos hábitos pela lei do uso e do desuso. Dizem seus postulantes que, assim como podemos extrair a vitamina D que necessitamos com dez ou quinze minutos diários de exposição ao sol, todos os demais nutrientes de que precisamos estão espalhados por aí, à nossa disposição sem que tenhamos necessidade de buscá-los, processá-los, mastigá-los, digeri-los e devolvê-los à natureza em forma de urina e fezes. Num futuro muito próximo, bastaria que botássemos o rosto para fora da janela de casa para que minúsculos sensores colocados atrás dos lóbulos da orelha se encarregassem de captar, em segundos, energia de sobra a um dia inteiro de trabalhos forçados na Sibéria. 





© Direitos Reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CIENTISTA DE ABADÁ

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…